California incendio desastrosoO New York Times desta sexta-feira traz uma densa reportagem sobre o aquecimento global. Ignorar ou negar que o clima do mundo está ficando cada vez mais ameaçador é uma atitude inconsequente e atrasada. Mas há presidentes por aí que negam. 2018 deve ser o quarto ano mais quente da história. “O mundo não se preparou para o aquecimento global. Este verão de fogo e suor parece muito com o futuro que os cientistas têm alertado na era da mudança climática, e está revelando em tempo real como grande parte do mundo está despreparada para a vida em um planeta mais quente.” Assim a jornalista Somini Sengupta* abre a reportagem de hoje, com um panorama apocalíptico sobre o aumento da temperatura na Terra, nos próximos anos, e as consequências num futuro bem próximo.

2018 está se preparando para ser o quarto ano mais quente. No entanto, ainda não estamos preparados para o aquecimento global.

“As interrupções na vida cotidiana foram de longo alcance e devastadoras. Na Califórnia, os bombeiros estão correndo para controlar o que se tornou o maior incêndio na história do estado. As colheitas de grãos básicos, como trigo e milho, devem cair este ano, em alguns casos, em países tão diferentes quanto a Suécia e El Salvador. Na Europa, as usinas nucleares tiveram que ser desligadas porque a água do rio que resfria os reatores ficavam muito quentes. Ondas de calor em quatro continentes derrubaram as redes elétricas.

"E dezenas de mortes relacionadas ao calor no Japão neste verão ofereceram uma antecipação do que os pesquisadores alertam sobre grandes aumentos na mortalidade por calor extremo. Um estudo publicado em 31 de julho passado na revista PLOS Medicine projetou um aumento na mortalidade de cinco vezes para os Estados Unidos até 2080. As perspectivas para os países menos ricos são piores; para as Filipinas, os pesquisadores preveem 12 vezes mais mortes.

"Globalmente, isso está se tornando o quarto ano mais quente já registrado. Os únicos anos mais quentes foram os três anteriores. Essa série de registros faz parte de uma escalada acelerada de temperaturas desde o início da era industrial que, segundo os cientistas, é uma evidência clara da mudança climática causada pelas emissões de gases do efeito estufa.

"E mesmo que haja variações nos padrões climáticos nos próximos anos, com alguns anos mais frios misturados, a linha de tendência é clara: 17 dos 18 anos mais quentes desde que os registros modernos começaram a ocorrer desde 2001.

"Não é mais um alerta", disse Cynthia Rosenzweig, que dirige o grupo de impactos climáticos do Instituto Goddard de Estudos Espaciais da NASA, sobre o aquecimento global e seu custo humano. "Agora está acontecendo absolutamente para milhões de pessoas em todo o mundo".

"Tenha cuidado, entretanto, antes de chamar esta fase de o novo normal.

"As temperaturas ainda estão subindo e, até agora, os esforços para domar o calor falharam. As ondas de calor tendem a ficar mais intensas e mais frequentes à medida que as emissões aumentam, concluíram os cientistas. No horizonte está um futuro de falhas no sistema em cascata que ameaçam as necessidades básicas, como fornecimento de alimentos e eletricidade.

enchentes na Asia 2017"Para muitos cientistas, este é o ano em que eles começaram a viver as mudanças climáticas em vez de apenas estudá-las.

"O que estamos vendo hoje está me fazendo, francamente, calibrar não apenas o que meus filhos estarão vivendo, mas o que eu vou estar vivendo, o que eu estou vivendo atualmente", disse Kim Cobb, professor de ciências da terra e da atmosfera na Geórgia. Instituto de Tecnologia em Atlanta. "Nós não conseguimos alcançá-lo. Eu não alcancei isso pessoalmente.

"Esta semana, ela está instalando sensores para medir a elevação do nível do mar na costa da Geórgia para ajudar as autoridades do governo a gerenciar a resposta a desastres.

"Katherine Mach, cientista climática da Universidade de Stanford, disse que algo mudou para ela também. “Décadas atrás, quando a ciência sobre a questão climática estava se acumulando, os impactos poderiam ser vistos como um problema para os outros, gerações futuras ou talvez comunidades já em dificuldades”, disse ela, acrescentando que a ciência se tornou cada vez mais capaz de vincular eventos climáticos específicos a das Alterações Climáticas.

"Em nosso desconforto cada vez mais abafado e defumado, agora é a ciência mecânica identificar como os gases que retêm calor aumentaram os riscos", disse ela. "É uma mudança que todos nós estamos vivendo juntos."

"Globalmente, o ano mais quente já registrado foi o de 2016. Isso não foi totalmente inesperado porque naquele ano houve um El Niño, o ciclo climático do Pacífico que normalmente amplifica o calor. Mais surpreendente, 2017, que não era um ano de El Niño, era quase tão quente. Foi o terceiro ano mais quente já registrado, de acordo com a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica, ou o segundo mais quente, de acordo com a NASA.

"O primeiro semestre de 2018, também não marcado pelo El Niño, foi o quarto mais quente já registrado, segundo a NOAA (National Oceanic and Atmospheric Administration), órgão americano.

"Nos 48 estados mais baixos, o período entre maio e julho foi o mais quente de todos os tempos, segundo a NOAA, com temperatura média de 21,6 graus Celsius, quase 5% acima da média. Os níveis do mar continuaram sua trajetória ascendente no ano passado, também, subindo cerca de 7,7 centímetros, acima dos níveis de 1993.

"O que tudo isso significa?

"Para Daniel Swain, cientista do clima da Universidade da Califórnia em Los Angeles, ele reivindica os modelos matemáticos da comunidade científica. Não traz conforto, no entanto. “Estamos vivendo em um mundo que não é apenas mais quente do que costumava ser. Nós não alcançamos um novo normal,” o Dr. Swain advertiu. "Este não é um planalto."

Mapa da temperatura no mundo ago 2018"Nesse contexto, as emissões industriais de dióxido de carbono cresceram para níveis recordes em 2017, depois de se manter estável nos três anos anteriores. O carbono na atmosfera foi encontrado nos níveis mais altos em 800.000 anos.

"Apesar de um acordo global em Paris há dois anos para reduzir as emissões de gases do efeito estufa, muitos dos maiores poluidores do mundo - incluindo os Estados Unidos, o único país do mundo que saiu do acordo - não estão a caminho de cumprir as metas de redução que estabelecem para eles mesmos. Os países ricos do mundo também não dispuseram dinheiro, como prometido sob o acordo de Paris, para ajudar os países pobres a lidar com as calamidades da mudança climática.

"Ainda assim, os cientistas apontam que, com reduções significativas nas emissões de gases de efeito estufa e mudanças na maneira como vivemos - coisas como reduzir o desperdício de alimentos, por exemplo - o aquecimento pode ser retardado o suficiente para evitar as piores consequências da mudança climática.

"Alguns governos, nacionais e locais, estão agindo. Em um esforço para evitar mortes relacionadas ao calor, as autoridades estão prometendo plantar mais árvores em Melbourne, na Austrália, e cobrindo telhados com tinta branca reflexiva em Ahmedabad, na Índia. Agrônomos estão tentando desenvolver sementes que tenham melhor chance de sobreviver ao calor e à seca. A Suíça espera evitar que os trilhos fiquem afundados sob calor extremo, pintando os trilhos de branco.

"Os cientistas do clima também estão tentando responder mais rápido e melhor. A equipe do Dr. Rosenzweig na NASA está tentando prever quanto tempo uma onda de calor pode durar, e não apenas a probabilidade de ocorrer, a fim de ajudar os líderes da cidade a se prepararem. Esforços semelhantes para prever a distribuição de chuvas extremas têm como objetivo ajudar os agricultores.

"Pesquisadores com World Weather Attribution estão trabalhando para refinar seus modelos para torná-los mais precisos. "Na Europa, o aquecimento é mais rápido do que nos modelos", disse Friederike Otto, professor associado da Universidade de Oxford, que faz parte do grupo.

"Seu grupo concluiu recentemente que um clima alterado pelo homem havia mais que dobrado a probabilidade de temperaturas recordes no norte da Europa neste verão. O impacto desses registros está sendo sentido de várias maneiras. A fonte de alimentação do continente está sobrecarregada com o aumento dos condicionadores de ar.

"Então, há o impacto do calor e da seca nas fazendas. Em El Salvador, um país que sofre com a violência das gangues, os fazendeiros do leste do país tiveram uma safra de milho perdida, neste verão, quando as temperaturas subiram para um recorde de 41 graus Celsius. Os céus ficaram sem chuva por até 40 dias em alguns lugares, segundo o governo.

California incendio morador perde casa"A produção de trigo em muitos países da União Europeia deve declinar este ano. Na Grã-Bretanha, os rendimentos do trigo devem atingir um mínimo de cinco anos. Agricultores alemães dizem que as colheitas de grãos provavelmente serão menores do que o normal. E na Suécia, temperaturas recordes deixaram os campos secos e os fazendeiros lutando para encontrar forragem para o gado.

"Palle Borgstrom, presidente da Federação de Agricultores Suecos, disse em uma entrevista que seu grupo estimou as perdas no setor agrícola em pelo menos US$ 1 bilhão. "Recebemos alguns telefonemas de agricultores que estão acordados à noite e se preocupam com a situação", disse ele. "Esta é uma situação extrema que não vimos antes."

Tradução: João José Forni

*Somini Sengupta cobre as questões climáticas internacionais e é o autora de "O Fim do Karma: Esperança e Fúria entre os Jovens da Índia".@SominiSengupta • Facebook

Christina Anderson contribuiu com reportagens de Estocolmo, Nick Cumming-Bruce de Genebra e Gene Palumbo de San Salvador, El Salvador.

Outros artigos sobre o tema

New York Times: 2018 is Shaping up to be the Fourth-Hottest Year. Yet We’re still not prepared for Global Warming

From advocacy to action: Projecting the health impacts of climate change

We're dangerously unprepared for the heat crisis from climate change

Incêndios cada vez mais intensos e incontroláveis na Califórnia

Redes Sociais

 redetwiter redeface redeflick  redelinkedin

bannerbotton livro