Trump ataca a midia“Quando o motorista de caminhão Chris Gromek quer saber o que realmente está acontecendo em Washington, ele acompanha pela Internet e pelo rádio via satélite. Ele já não alterna os canais de TV, porque redes como Fox News e MSNBC entregam histórias conflitantes contaminadas pela política, diz ele. "Onde está a verdade?" pergunta o morador da Carolina do Norte, de 47 anos.”

Essa é uma boa pergunta em tempos de redes sociais, blogs, whatsapp e tantas alternativas online, não apenas para os americanos, principalmente porque eles têm um presidente que governa pela Twitter.

“Responder com precisão a essa pergunta é a chave-mestra de qualquer democracia em funcionamento, de acordo com ninguém menos do que Thomas Jefferson”,  diz a CBS News em artigo publicado no seu site. 

Mas, um ano depois de envolvidos pela presidência arrogante e instável de Donald Trump, que passa o dia mandando recados ou autoelogios pela mídia, os americanos estão cada vez mais confusos sobre em quem podem confiar para dizer de maneira assertiva o que o governo e o comandante em chefe estão fazendo.

As entrevistas em todo o polarizado país, bem como as votações do primeiro ano de Trump, sugerem que as pessoas busquem várias fontes de informação, incluindo a conta do Trump no Twitter, e não confiem em nenhuma em particular.

Muitos dizem que a prática é um fenômeno novo. A era Trump em suas vidas, tanto quanto o presidente e a mídia que ele tenta denegrir como "fake news"*, lutam para serem vistos como a fonte mais confiável.

Segundo a CBS, a parlamentar democrata Kathy Tibbits, de Tahlequah, Oklahoma, lê muitas fontes de notícias enquanto tenta avaliar a precisão do que é divulgado sobre Trump e suas controvertidas declarações.

"Penso que toda a fronteira mudou", disse a advogada e artista de 60 anos. "Meu diploma é na ciência política, e eles nunca nos deram uma aula sobre essa política de fiasco". Embora o hábito de Trump de deturpar os fatos tenha tido um impacto, não é só ele.

"As falsidades amplamente compartilhadas atraíram a atenção de líderes mundiais como o papa Francisco e o ex-presidente Barack Obama. No ano passado, falsas teorias de conspiração levaram um homem da Carolina do Norte a levar uma arma para uma pizzaria na capital do país, convencido de que o restaurante estava escondendo uma célula de prostituição infantil." Naturalmente, tudo era falso.

“Apenas na semana passada, após a publicação de um livro infeliz sobre a presidência de Trump (a CBS se refere ao livro Fogo e Fúria, do jornalista Michael Wolff), um tweet afirmando que Trump é viciado, enviado a um programa de TV sobre gorilas, se tornou viral e alertou o aparente autor para esclarecer que tudo não passava de uma piada."

Trump fez sua parte para desfocar as linhas entre o real e não real.

“Durante a campanha, ele transformou em prática o costume de se destacar para os repórteres por mais um ato ridículo que aparece em suas rudes reuniões. Como presidente, ele se queixa regularmente sobre a cobertura da mídia e atacou notícias e jornalistas como "fracassados" e as empresas de "fake news". Ele repetidamente chama os repórteres de "os inimigos do povo" e recentemente insistiu nessa tecla para tornar mais fácil processá-los por difamação.” É bom observar que nenhum presidente americano, e poderíamos dizer em outros países, se deu bem, porque resolveu brigar com a mídia. Muito ao contrário.

“Cerca de dois em três adultos americanos dizem que as notícias fabricadas causam grande confusão sobre os fatos básicos dos assuntos atuais, de acordo com um relatório do Pew Research Center, no mês passado. A pesquisa descobriu que os republicanos e os democratas são igualmente susceptíveis de dizer que as "notícias falsas" (fake news) deixam os americanos profundamente confusos sobre eventos atuais. Apesar da preocupação, mais de 8 em 10 americanos sentem-se muito ou um tanto confiantes de que podem reconhecer as notícias que são fabricadas, verificou a pesquisa.”

Ainda segundo a CBS, Victoria Steel, 50, de Cheyenne, Wyoming, disse que é importante que as pessoas invistam tempo ao encontrar fontes de mídia respeitáveis ou até mesmo amigos para obter a maior parte das informações que puderem.

"Você provavelmente não vai ter informações suficientes apenas por pequenas chamadas, e certamente não vai conseguir isso em um tweet", disse Steel, eleitora da democrata Hillary Clinton em 2016. Dois terços dos americanos buscam pelo menos algumas das suas notícias nas mídias sociais, constatou o Pew Research Center.

"Eu acho que parte do problema é que agora as pessoas estão recebendo muita informação e isto as confunde e elas não sabem decifrar o verdadeiro e o falso", disse Trent Lott, ex-líder republicano no Senado, que trabalhou em Washington por quase meio século. Ele diz que não gosta do hábito de Trump de viver no Twitter, mas também vê preconceito na cobertura de Washington pela mídia convencional.

Não há amor pela mídia há décadas, diz a CBS. A percentagem que expressa uma grande confiança na imprensa derreteu de 28% em 1976 para apenas 8% em 2016, de acordo com a Pesquisa Social Geral realizada pelo NORC, da Universidade de Chicago.

"Trump não inventou isso. Ele não fez com que as pessoas começassem a se sentir assim agora. Ele está entrando em uma veia que já existia", disse Gary Abernathy, editor e editor do Times-Gazette de Hillsboro, Ohio, um dos poucos jornais diários que aprovaram Trump. As pessoas, ele acrescentou, "estão balançando a cabeça imediatamente porque é assim que elas sentiram".

Nicco Mele, diretor do Shorenstein Center on Media, Politics and Public Policy, em Harvard, vê Trump como um sintoma de tendências de longo prazo. "Agora, ele pode acelerá-las e piorar? Quase com certeza".

"Quando Trump chama qualquer coisa de "fake news", "eu apenas comecei a admitir... o que ele está falando deve ser verdade", disse Joseph Murray, de 46 anos, de Mustang, Oklahoma, um independente registrado. "Eu sinto que essa atitude não tinha começado até ele assumir o cargo ".

"Trump tende a inflar o significado do que ele fez. Ele afirma que seus cortes de impostos são os maiores da história, suas realizações superam as de todos os presidentes anteriores, e sua vitória eleitoral foi um "terremoto". Nada disso é verdadeiro."

Ele ainda insiste que houve milhões de votos ilegais emitidos nas eleições de 2016, embora não haja evidências desse tipo. Mesmo em questões existenciais, Trump faz as coisas.

Desafiado no Twitter pelo líder norte-coreano Kim Jong Un, Trump respondeu em 3 de janeiro que seu próprio botão nuclear "é muito maior e poderoso do que o dele, e meu botão funciona!" Grande bobagem, que a mídia internacional reproduziu com exaustão. Não existe um tal botão físico.

Trump muitas vezes ignora o vasto aparelho de coleta de informações que se reporta a ele em favor da sua realidade da TV. Isso o levou a concluir erroneamente que uma revolta rara na Suécia sobre um crime de drogas foi, em vez disso, ligada ao extremismo de refugiados. Ele também afirmou falsamente que Obama espionou seus telefones na Trump Tower na campanha.

Em resumo, os ataques, para não dizer o desprezo, do presidente da maior potencia do mundo pela mídia não faz bem nem para os Estados Unidos, nem para a democracia mundial. Como não faz bem para Trump, que precisa de aliados e de apoio, o desprezo que a mídia reciprocamente lhe dá. Trump terá que mudar se quiser sobreviver mais três anos, porque existem vários movimentos que pregam seu impeachment. Quem viver verá.

*Notícias falsas (Fake News) é exatamente o que parece - falsificadas, infladas, ou artigos, notas, posts nas redes sociais com informação totalmente falsa, publicados como se fossem notícias verdadeiras. A maioria das histórias ou versões são criadas para atrair cliques (e, assim, inflar a receita de anúncios), muito na linha de notícias sensacionalistas de capas de tabloides, onde não há qualquer compromisso com a verdade. (Artigo "Fake News": ameaça à credibilidade da mídia e à democracia, publicado em 22/02/17, neste site).

Outros artigos sobre o tema

Fake News: ameaça à credibilidade da mídia e à democracia

Trust of media takes a hit during first year of Trump presidency

As "fake news" enganam as crianças? Pesquisas dizem que sim

Internet e redes sociais mudam a forma de fazer jornalismo

A retórica de Trump: o triunfo da inarticulação

Redes Sociais

 redetwiter redeface redeflick  redelinkedin

bannerbotton livro