Astroworld show foto 3No último dia 5 (sexta-feira), o festival de música Astroworld, promovido pelo rapper Travis Scott, em Houston, Texas (EUA) foi palco de uma grande tragédia: dez pessoas morreram e centenas ficaram feridas na multidão presente ao show. Havia tanta gente (50 mil pessoas) que o público sequer conseguia se mexer por vontade própria. Foi o primeiro grande evento dos Estados Unidos, após a pandemia. E atribui-se a tragédia à falta de prevenção e falhas na fiscalização, que permitiu as pessoas se aglomerarem sem ordem e sem controle.

O show, que até agora resultou em 10 mortes, a maioria jovens, suscitou inúmeras análises e editoriais, publicados nas mais diferentes mídias, sobre como a histeria coletiva pode se transformar em tragédia, seguidas de um forte debate, como sempre acontece em eventos com mortes, na tentativa de achar um culpado ou culpados. Uma discussão que irá durar muito tempo, mas que nos EUA não deve ser engavetada.

“No início do verão, quando tantas pessoas se sentiam tontas por voltarem a ficar juntos, fiquei assustado com as reuniões que viriam. A causa foi um documentário da HBO sobre o festival de música de Woodstock '99, que resultou em infernos destrutivos, denúncias de agressões sexuais e três mortes. O filme retratou essa catástrofe como um produto de sua época - os sonhos dos anos 90 que apodreceram - e um exemplo de figuras da indústria economizando na segurança para obter lucro. Depois de mais de um ano sem muitos grandes shows, a aula de história parecia um aviso do que poderia acontecer quando eles voltassem a sério: que muitas pessoas poderiam agir de forma especialmente imprudente, e muitos organizadores, de forma especialmente oportunista.”

É esse o prólogo do artigo The Bleak Lessons of the Astroworld Nightmare”, publicado na revista americana The Atlantic, no início do mês. Para analisar essa crise, a revista acionou um correspondente, que participou dos primeiros estudos sobre a viabilidade desse projeto e que cobre cultura pop e música para a publicação.

             "Catástrofes de shows não são um efeito colateral inevitável de reuniões em massa, mas o resultado de falhas específicas e muitas vezes evitáveis".

“O que aconteceu no festival Astroworld, em Houston, na sexta-feira (dia 5 de novembro), é, no entanto, chocante. Oito participantes morreram* e outras centenas ficaram feridos depois que a multidão cresceu durante uma noite marcada pelo rapper Travis Scott, o fundador e rosto do festival. Enquanto o público se reunia, as pessoas sofreram ataques cardíacos, dificuldades respiratórias, suspeita de overdose de drogas e atropelamentos. Os vídeos parecem mostrar a multidão gritando, pedindo para interromper o show, que continuou mesmo quando uma ambulância empurrou a multidão. Scott expressou horror e remorso, a polícia está investigando o que aconteceu e vários processos judiciais foram abertos em consequência.”

O chefe da polícia de Houston disse que os produtores foram informados para encerrar o evento, mas o show só parou 40 minutos depois. Assim que o evento foi encerrado, levou mais 40 minutos para que as pessoas saíssem do local. Além da lamentável perda de vidas, mais de 300 pessoas também sofreram ferimentos.

Astroworld show foto 2O autor do artigo ressalta que “ocasionalmente, os concertos ou shows se tornaram mortais ao longo das décadas, mas ver um fato horrível ocorrer exatamente quando as reuniões em massa voltam (após um ano e meio da pandemia), parece particularmente ameaçador. Alguns observadores podem até ver a tragédia do Astroworld como um lembrete de como sair de casa e se juntar a milhares de outras pessoas sempre traz riscos. Mas falar sobre catástrofes de shows como se fossem uma tradição sombria, ou algum efeito colateral inevitável do impulso de reunir, apenas nos distrai da realidade de que a segurança é frequentemente algo sob nosso controle. Agora é o momento para a indústria do entretenimento considerar a maneira como grandes eventos podem desumanizar seus participantes - com resultados mortais”, conclui.

“Você se torna um com a multidão”, disse um participante do Astroworld ao The New York Times, referindo-se à realidade física de que uma audiência compacta pode restringir severamente os movimentos. Uma variedade de fatores pode criar as condições para tais esmagamentos. O layout "estilo festival" do Astroworld, sem assentos ppré-determinados, é considerado uma configuração potencialmente perigosa, embora tenha se tornado popular porque acomoda mais participantes. No início do dia, centenas de pessoas quebraram os portões, provavelmente contribuindo para um número de ingressos vendidos superior a 50.000 e criando uma densidade muito além do que o esperado.

“O gerenciamento bem-sucedido de tais circunstâncias requer prevenção, recursos e vigilância. Antes do evento, a área de saúde dos organizadores elaborou um documento de planejamento de 22 páginas sobre como lidar com emergências. Mas os médicos e enfermeiras do festival foram rapidamente sobrecarregados quando centenas de pessoas ficaram feridas ou doentes. Os participantes também relataram ser incapazes de sinalizar aos guardas de segurança para obter ajuda. “Talvez os planos fossem inadequados”, disse a juíza do condado de Harris, Lina Hidalgo, em uma entrevista coletiva. “Talvez os planos fossem bons, mas não foram seguidos. Talvez fosse algo totalmente diferente.” As investigações trarão mais luz a essas questões.”

Astroworld show foto 1Segundo Spencer Kornhaber, “Nesse ínterim, a atenção do público se concentrou no papel desempenhado por Scott, que é famoso por incitar seus seguidores a uma confusão arriscada em shows. Ele se confessou culpado de conduta imprudente ou desordenada duas vezes - depois de instruir os participantes do Lollapalooza a escalar barricadas em 2015 e depois que a polícia disse que ele tentou incitar um motim em um show em 2017 - e uma vez ele encorajou de forma infame um frequentador de concertos a pular de um teatro sacada. O festival Astroworld de 2019 viu alguns ferimentos por atropelamento, mas Scott não estava exatamente pregando cautela ao divulgar sua sequência: no Instagram, ele escreveu sobre o desejo do caos depois de ficar preso por tanto tempo. Quando o show esgotou os ingressos em maio, ele postou: “ESTOU COLOCANDO UM PLANO JUNTOS AGORA PARA RECOLHER MAIS DOS SELVAGENS. MESMO SE EU CONSEGUIR estar ENTRE ELES.” Como se observa, o próprio organizador era um risco de crise potencial, o que deveria ter alertado as autoridades para o perigo iminente.

Para o autor, “Uma sensação de caos faz parte da diversão de tanta música ao vivo, mas mesmo os músicos mais barulhentos são conhecidos por acalmar as coisas quando seus seguidores ficam fora de controle. A história dos concertos turbulentos é em parte uma história de artistas estabelecendo normas e intervindo - até mesmo Woodstock '99 apresentou Dexter Holland do The Offspring dizendo aos homens para pararem de apalpar as surfistas femininas. Na sexta-feira, Scott parou o show momentaneamente quando viu alguém que precisava de ajuda e quando percebeu uma ambulância no meio da multidão. Mas ele retomou rapidamente as duas vezes e continuou se apresentando por quase 40 minutos depois que as autoridades municipais declararam um "evento com vítimas em massa". A certa altura, ele até repreendeu a multidão: "Quem me pediu para parar?" antes de voltar para a música.”

“É, com certeza, impossível dizer exatamente quanta diferença as ações de Scott fizeram ou poderiam ter feito. Alguns especialistas em segurança disseram que o fim repentino de um show tão lotado pode ter causado um tumulto, mas o chefe dos bombeiros de Houston, Samuel Peña, disse ao New York Times que Scott deveria ter feito uma “pausa tática”. A namorada de Scott, Kylie Jenner, disse que não sabia de nenhuma morte até depois do show, e Scott postou um vídeo no Instagram dizendo: "Eu nunca poderia imaginar a gravidade da situação." Em qualquer caso, os clipes do rapper se apresentando a metros de fãs incapacitados não sugerem que Scott tenha promovido de forma proativa uma atmosfera de vigilância ou cuidado com as pessoas que vieram vê-lo. No Houston Chronicle, Basil Mirza Baig - cujo irmão, Danish Baig, foi pisoteado até a morte - relembrou como era para a música continuar tocando enquanto o caos se desenrolava: “Travis Scott não parava de dizer às pessoas para ficarem furiosas. Não éramos ninguém para eles.”

As vítimas fatais dessa tragédia tinham idades entre 14 e 27 anos e são lembrados como jovens promissores cujas vidas foram interrompidas. A vítima mais jovem, que morreu no hospital, tinha 9 anos.

Astroworld show foto 4Para Kornhaber, “É comum ver as multidões dessa maneira - como um grande “ninguém”, todos os corpos indiferenciados balançando como um só. Mas a verdade é que as audiências de música ao vivo são comunidades temporárias moldadas por suas circunstâncias e compostas por pessoas com livre arbítrio. Nos vídeos angustiantes que surgiram do show em Astroworld, você vê alguns frequentadores desatentos, subindo em ambulâncias. Você também vê pessoas ajudando os feridos, implorando aos funcionários do espetáculo e geralmente tentando soar o alarme. Em cada caso, os indivíduos agiram contra a suposta mente única da multidão.”

Ler as biografias das vítimas é lembrar de outra maneira como uma multidão é apenas uma coleção de humanos com suas próprias histórias, seus entes queridos e seus próprios desejos. Dois menores, um de 14 e outro de 16, estão entre os mortos, e o mais velho das oito vítimas fatais tinha apenas 27. Entre eles estão um atleta, um artista e um futuro marido, e o medo da morte provavelmente não estava em sua mente quando eles foram para um dos primeiros grandes festivais de música realizados em mais de um ano. Promotores, performers e organizadores são aqueles que devem pensar sobre as condições que eles criam e lucram - para que a comunhão em massa que tantas pessoas desejam não se torne um pesadelo.

Atualização – A vítima mais jovem

Em 15 de novembro, foi anunciada a morte da 10ª vítima fatal do desastrado festival. Ezra Blount, 9 anos, o menino que foi pisoteado e foi socorrido pelo pai, se tornou a vítima mais jovem do festival. O menino sofreu graves danos ao cérebro, rins e fígado depois de ser "chutado, pisado e pisoteado e quase esmagado até a morte", de acordo com um processo que sua família moveu contra Scott e o organizador do evento, Live Nation, reivindicando pelo menos US$ 1 milhão em ação pelos danos ocorridos. Ezra morreu no domingo (dia 14), no hospital de crianças de Houston.

*Mais duas pessoas feridas acabaram morrendo nos dias posteriores.

Outros artigos sobre o tema

What is your reaction to the tragedy at Travis Scott’s Astroworld Festival?

Os verdadeiros culpados da tragédia de Santa Maria

8 dead and hundreds injured after massive surge at Travis Scott´s Astroworld Festival

Travis Scott Astroworld Festival Tragedy: What We Know So Far

Astroworld: nine-year-old boy dies, becoming 10th victim of festival crush

Redes Sociais

 redetwiter redeface redeflick  redelinkedin

bannerbotton livro