The Boston Globe editorial ago 2018Em 16 de agosto de 2018, diante do desprezo, dos ataques e das pressões de Donald Trump sobre a imprensa de modo geral, e principalmente a dos EUA, cerca de 400 publicações de todo o mundo responderam à chamada feita pelo jornal The Boston Globe* para denunciar o que eles chamaram de a "guerra" do presidente americano contra a mídia.

“Descrevendo jornalistas como "os inimigos do povo", os ataques de Trump à mídia não são diferentes da linguagem usada por ditadores e líderes autoritários em todo o mundo”, diziam os jornais nos mais variados editoriais.

Centenas de jornais e sites americanos - nacionais e regionais - juntamente com a publicação britânica The Guardian, publicaram editoriais ou opiniões, após a campanha lançada pelo The Boston Globe, que dizia “nós propomos publicar um editorial em 16 de agosto sobre os perigos do ataque do governo à imprensa e peça a outros que se comprometam a publicar seus próprios editoriais na mesma data.” Resultado: a chamada virou um movimento mundial de repúdio aos ataques de Donald Trump e de outros governantes à imprensa.

O britânico The Guardian foi direto na veia: "A liberdade de imprensa não foi inventada nos Estados Unidos, mas existem poucas nações em que a importância de uma imprensa independente foi tão intimamente tecida em sua longa história. Esta grande tradição americana de respeito cívico pela verdade e dizer a verdade está agora ameaçada. Donald Trump não é o primeiro presidente dos EUA a atacar a imprensa ou a se sentir injustamente tratado por ela. Mas ele é o primeiro que parece ter uma política calculada e consistente de minar, deslegitimar e até pôr em risco o trabalho da imprensa."

E continua o The Guardian: "Não é tarefa da imprensa salvar os Estados Unidos de Trump. O trabalho da imprensa é relatar, investigar, analisar e examinar da melhor maneira possível e sem medo. A imprensa tem muitas falhas. Pode ser auto-respeito. Pior ainda, na América de Trump, algumas partes da mídia são meios de comunicação partidários que mostram um desdém descuidado pela verdade: o presidente os adotou. Mas uma imprensa livre deve expor intimidações e incitações quando existir. E deve fazer o possível para preservar o respeito pelos fatos e por um julgamento equilibrado. Em suma, ele deve fazer o seu trabalho. Os insultos e incitações de Trump são um perigo calculado para isso e para o respeito, civilidade e diálogo que devem existir entre a imprensa e seus leitores. O Guardian apoia a imprensa americana em seus esforços para manter a objetividade e os limites morais que esse presidente - como tantos outros em partes muito mais perigosas do mundo - está fazendo tanto para destruir."

Temos assistido nas últimas semanas no Brasil a um recrudescimento de ataques, provocações e até abusos do governo, mais especificamente do presidente da República e fanáticos seguidores, à imprensa e a jornalistas. Com isso, estimulam um desprezo e provocação, não apenas aos veículos de comunicação e à mídia de modo geral, mas a jornalistas em particular. Daí porque julgamos oportuno reproduzir o Editorial do The Boston Globe, publicado em 2018, porque para nós ele está mais atual do que nunca.

Trump, Erdogan, Maduro, Orbán, Putin, Mohammed bin Salman, onde lamentavelmente se inclui também Bolsonaro, e tantos outros governantes, tratam a imprensa como inimiga. Pior, querem não apenas rotular, mas pautar a imprensa, como se os veículos de comunicação devessem publicar o que eles querem e não o que a imprensa julga conveniente e necessário publicar. A imprensa erra? Sim, pode errar. Para isso, existem os mecanismos de correção e reparação, de cobrança rigorosa e até jurídicos.

Mas tentar direcionar a mídia, cooptá-la, chantageá-la com ameaças e cortes de verbas de publicidade, é uma forma de tentar calar o contraditório, de padronizar o discurso, de enganar a população, de colocar em risco a democracia. A história está cansada de mostrar que o controle da imprensa só interessa a quem deseja se perpetuar no poder ou tenta esconder alguma coisa. Não é isso que queremos para o Brasil.

Editorial do The Boston Globe*

16 de agosto de 2018

imprensa doisUm pilar central da política do presidente Trump é um ataque prolongado à imprensa livre. Jornalistas não são classificados como compatriotas americanos, mas sim "o inimigo do povo". Esse ataque implacável à imprensa livre tem consequências perigosas. Pedimos aos conselhos editoriais de todo o país - liberais e conservadores, grandes e pequenos - que se juntassem a nós hoje para lidar com essa ameaça fundamental em suas próprias palavras.

Houve um amplo acordo bipartidário e intergeracional nos Estados Unidos de que a imprensa desempenha esse importante papel. No entanto, essa visão não é mais compartilhada por muitos americanos. "A mídia noticiosa é inimiga do povo americano", é um sentimento endossado por 48% dos republicanos pesquisados este mês pela empresa de pesquisas Ipsos. Essa pesquisa não é uma exceção. Artigo publicado esta semana descobriu que 51% dos republicanos consideravam a imprensa "o inimigo do povo, e não uma parte importante da democracia".

Um olhar de feedback do ataque de Trump ajuda a explicar por que seus fiéis o estão seguindo em território não democrático. Mais de um quarto dos americanos agora diz que "o presidente deve ter autoridade para fechar os veículos de comunicação envolvidos em mau comportamento", incluindo 43% dos republicanos. 13% dos entrevistados pensam que "o presidente Trump deveria fechar os principais canais de notícias, como CNN, The Washington Post e The New York Times".

Trump não pode proibir a imprensa de fazer seu trabalho aqui, é claro. Mas o modelo de incitar seus partidários nesse sentido é como outros autoritários do século XXI, como Vladimir Putin e Recep Tayyip Erdogan, operam; você não precisa de censura formal para estrangular fontes de informações.

Os apologistas de Trump insistem fracamente que ele está se referindo apenas à cobertura tendenciosa, ao invés de todo o chamado “quarto poder”. Mas as próprias palavras do presidente e seu longo histórico mostram repetidamente quão profundamente cínico e desonesto esse argumento é.

Os Pais Fundadores da nação tinham como certo que a imprensa seria tendenciosa e, no entanto, ainda consagravam explicitamente a liberdade de jornalistas e editores na Constituição. "Nossa liberdade depende da liberdade de imprensa, e isso não pode ser limitado sem se perder", escreveu Thomas Jefferson.

            "Nossa tradição de imprensa livre como parte vital de nossa democracia é tão importante como sempre." (Ronald Regan)

Políticos americanos de todos os partidos desde que os fundadores se queixaram da mídia, tentam trabalhar com os árbitros, argumentando que a notícia é tendenciosa contra sua tribo. Mas sempre houve respeito pela imprensa como instituição. Não faz muito tempo que Ronald Reagan proclamou: "Nossa tradição de imprensa livre como parte vital de nossa democracia é tão importante como sempre".

imprensa inimiga do povo Trump"A imprensa deveria servir os governados, e não os governantes", escreveu o juiz da Suprema Corte Hugo Black em 1971. Gostaria que ainda fosse o caso. Hoje, os únicos meios de comunicação que o movimento de Trump aceita como legítimos são aqueles que, inquestionavelmente, defendem seu líder pessoalmente.

De fato, não é apenas o fato de o presidente estar alimentando a divisão doméstica para obter ganhos políticos e pessoais, ele está pedindo que seu público o siga até (a Ilha da) Fantasia. "Apenas fique conosco, não acredite na porcaria que você vê dessas pessoas, nas notícias falsas", disse ele a uma audiência no Kansas no mês passado. "Lembre-se de que o que você está vendo e o que está lendo não é o que está acontecendo." George Orwell colocou isso mais graciosamente em seu romance "1984". “O partido disse para você rejeitar a evidência de seus olhos e ouvidos. Foi o comando final e mais essencial."

             “O partido disse para você rejeitar a evidência de seus olhos e ouvidos. Isso foi o seu comando final e o mais essencial." (George Orwell, 1984).

É um ponto final essencial para o dilúvio de desonestidade de Trump que ele agora contesta a realidade objetiva e exorta seus apoiadores a fazer o mesmo. Nos primeiros 558 dias de sua presidência, Trump fez 4.229 afirmações falsas ou enganosas, de acordo com uma lista compilada pelo jornal The Washington Post. No entanto, entre os apoiadores de Trump, apenas 17% pensam que o governo regularmente faz declarações falsas. "Fatos alternativos" tornaram-se “fatos”.

As mentiras são antitéticas para com os cidadãos informados, responsáveis pela autogovernança. A grandeza da América depende do papel da imprensa livre para falar a verdade aos poderosos. Rotular a imprensa de "inimigo do povo" é tão antiamericano quanto perigoso para o pacto cívico que compartilhamos há mais de dois séculos.

Substituir uma mídia livre por uma mídia estatal sempre foi uma primeira ordem de negócios para qualquer regime corrupto que dominasse um país. Hoje, nos Estados Unidos, temos um presidente que criou um mantra de que membros da mídia que não apóiam descaradamente as políticas da atual administração dos EUA são o "inimigo do povo". Essa é uma das muitas mentiras que foram espalhadas por esse presidente, assim como um charlatão dos velhos tempos jogava poeira ou água "mágica" em uma multidão esperançosa.

            "A liberdade de imprensa é essencial para a segurança da liberdade." (John Adams, 2º presidente americano, 1797-1801).

Por mais de dois séculos, esse princípio americano fundamental protegeu os jornalistas internamente e serviu de modelo para nações livres no exterior. Hoje está sob séria ameaça. E envia um sinal alarmante aos déspotas de Ancara a Moscou, de Pequim a Bagdá, de que os jornalistas podem ser tratados como inimigos domésticos.

A imprensa é necessária para uma sociedade livre, porque não confia implicitamente nos líderes - do conselho de planejamento local à Casa Branca. E não é por coincidência que esse presidente - cujos assuntos financeiros são obscuros e cujo padrão de comportamento suspeito levou seu próprio Departamento de Justiça a nomear um advogado independente para investigá-lo - tentou tanto intimidar jornalistas que fornecem escrutínio independente.

Houve um amplo acordo bipartidário e intergeracional nos Estados Unidos de que a imprensa desempenha esse importante papel. No entanto, essa visão não é mais compartilhada por muitos americanos. "A mídia noticiosa é inimiga do povo americano", é um sentimento endossado por 48% dos republicanos pesquisados este mês pela empresa de pesquisas Ipsos. Essa pesquisa não é uma exceção. Um publicação desta semana descobriu que 51% dos republicanos consideravam a imprensa "o inimigo do povo, e não uma parte importante da democracia".

                 "Se você ataca a imprensa, está atacando as bases da liberdade de expressão e do jogo democrático". (Marvin Kalb, jornalista e acadêmico, autor do livro “Inimigo do Povo).

* The Boston Globe é um jornal americano, o diário de maior circulação em Boston, Massachusetts e na Nova Inglaterra. Pertence à empresa New York Times Company. É detentor de 19 prêmios Pulitzer.

Outros artigos sobre o tema

Editoriais publicados na mesma data em vários jornais pelo mundo

Atacar a imprensa é tática política, diz Marvin Kalb

“New York Times” reage aos ataques ao jornalismo por parte de governos populistas

Globe” and other newspapers stand together: ‘Journalists are not the Enemy”

Bolsonaro usa posição de poder para intimidar a imprensa, dizem OAB e Abraji

Redes Sociais

 redetwiter redeface redeflick  redelinkedin

bannerbotton livro