Fake news como se espalhaA notícia falsa (fake news), no Twitter, tem uma probabilidade 70% maior de ser compartilhada do que a verdadeira, concluíram pesquisadores do MIT -Instituto de Tecnologia de Massachusetts (EUA). Eles também concluíram que as notícias falsas chegam aos usuários até 20 vezes mais rápido do que o conteúdo factual - e os usuários reais são mais propensos a espalhá-las do que os robôs.

E se o flagelo de notícias falsas na Internet não for o resultado de ações de agentes russos ou fanáticos partidários ou mesmo de robôs controlados por computador? E se o principal problema somos nós? Essa pergunta foi feita em artigo publicado esta semana no New York Times, por Steve Lohr, ao comentar a pesquisa do MIT.

“As pessoas são os principais culpados, de acordo com esse estudo que examina o fluxo de histórias no Twitter. E as pessoas, dizem os autores do estudo, preferem notícias falsas.”

"Versões falsas se espalham significativamente mais distante, mais rápido, mais profunda e amplamente do que a verdade em todas as categorias de informações", diz a pesquisa, "e os efeitos foram mais pronunciados por falsas notícias políticas do que por falsas notícias sobre terrorismo, desastres naturais, ciência, lendas urbanas ou informação financeira ".

Os pesquisadores do MIT descobriram que esses padrões se aplicavam a todos os assuntos que estudavam, não apenas à política e às lendas urbanas, mas também aos negócios, à ciência e a tecnologia. As histórias verdadeiras raramente foram retuitadas por mais de mil pessoas, mas as principais – que representavam 1% das histórias falsas, foram rotineiramente compartilhadas por cerca de mil a 100 mil pessoas. E as histórias verdadeiras levaram cerca de seis vezes mais tempo do que as falsas para chegar a 1.500 pessoas.

Segundo artigo publicado no jornal britânico The Guardian, “Os pesquisadores especulam que as falsidades se espalham tão rápido porque cumprem nosso desejo de novidade. A verdadeira novidade, imposta pela necessidade de ter realmente acontecido, geralmente é muito parecida, mas histórias falsas podem surpreender e entreter sem limite. Os cientistas postulam que "quando a informação é nova, não é apenas surpreendente, mas também mais valiosa, tanto da perspectiva da teoria da informação [na medida em que proporciona a maior ajuda à tomada de decisões] e de uma perspectiva social [na medida em que transmite status social em alguém que gosta de ostentar o "saber" ou tem acesso a informações exclusivas (inside information)]. "

Robôs não são os vilões

Fake News grafico 2Os robôs de software podem acelerar a propagação de histórias falsas. Mas os pesquisadores do MIT, usando o software para identificar e descartar os bots (robôs), descobriram que com ou sem os bots (robôs), os resultados eram essencialmente os mesmos. A única mudança importante foi que os robôs aceleraram a propagação de todas as notícias, verdadeiras e falsas: "Isso sugere que as notícias falsas se espalham mais longe, mais rápido, mais profundo e mais amplamente do que a verdade, porque os seres humanos, e não os robôs, são mais propensos a espalhá-las."

"É meio desencorajador no começo perceber o quanto nós humanos somos responsáveis", disse Sinan Aral, professor da Sloan School of Management, do MIT, e autor do estudo. "Não são realmente os robôs que têm a culpa".

O estudo conclui: "Isso implica que as políticas de contenção de desinformação também devem enfatizar intervenções comportamentais, como rotulagem e incentivos para dissuadir a propagação da informação errônea, em vez de se concentrar exclusivamente na redução de robôs".

Cobrindo a história do Twitter

A pesquisa, publicada no último dia 8 de março, na revista Science, examinou as histórias de notícias verdadeiras e falsas postadas no Twitter a partir da fundação da rede social, de 2006 até 2017. Os autores do estudo rastrearam 126 mil histórias postadas por cerca de três milhões de pessoas mais do que 4,5 milhões de vezes. "Notícias" e "histórias" foram definidas de forma ampla - como reivindicações de fato - independentemente da fonte. E o estudo evitou explicitamente o termo "notícia falsa", que, segundo os autores, tornou-se "irremediavelmente polarizado no nosso clima político e midiático atual".

As histórias foram classificadas como verdadeiras ou falsas, usando informações de seis organizações independentes de verificação de fato, incluindo Snopes, PolitiFact e FactCheck.org. Para garantir que a análise delas tenha sido realizada em geral - e não somente em alegações que chamaram a atenção de grupos de verificação - os pesquisadores se alistaram como estudantes para anotar como verdadeiras ou falsas mais de 13 mil outras histórias que circularam no Twitter. Novamente, uma inclinação para a falsidade foi clara, segundo os pesquisadores.

A forma como a informação flui online - e, ocasionalmente, se espalha rapidamente como um vírus - foi estudada há décadas. Houve estudos menores que examinam a forma como as notícias verdadeiras e falsas e os rumores se propagam nas redes sociais. Mas especialistas em análise de rede disseram que o estudo do MIT foi maior em escala e melhor formulado.

"A abrangência é importante aqui, cobrindo toda a história do Twitter", disse Jon Kleinberg, cientista da computação da Universidade de Cornell. "E este estudo acende a luz sobre a questão aberta do sucesso da informação falsa online".

A novidade ganha retweets

Segundo o artigo do NYT, “Os pesquisadores do MIT apontaram para fatores que contribuem para o apelo das notícias falsas. Aplicando ferramentas padrão de análise de texto, eles descobriram que as afirmações falsas eram significativamente mais novas do que as verdadeiras - talvez não seja uma surpresa, uma vez que as falsidades são renovadas o tempo todo.”

Os autores do estudo também exploraram as emoções evocadas por histórias falsas e verdadeiras. O objetivo, disse Soroush Vosoughi, pesquisador do Media Lab, do MIT, e autor principal, foi encontrar pistas sobre o que existe "na natureza dos seres humanos que os levam a gostar de compartilhar notícias falsas".

O estudo analisou o sentimento expresso pelos usuários em respostas às reivindicações postadas no Twitter. Como ferramenta de medição, os pesquisadores usaram um sistema criado pelo Conselho Nacional de Pesquisa do Canadá que associa palavras em inglês com oito emoções. Reclamações falsas suscitaram respostas que expressavam maior surpresa e desgosto. A verdadeira notícia inspirou mais expectativa, tristeza e alegria, dependendo da natureza das histórias.

Duas histórias: uma verdadeira, uma falsa

Fake News grafico 2Os pesquisadores forneceram um exemplo de duas histórias comerciais, e quanto tempo levou a verdadeira a alcançar 200 retweets. O exemplo também mostra as chamadas de julgamento feitas por organizações de verificação de fato.

• Em 2014, a cadeia de moda Zara introduziu o pijama infantil com listras horizontais e uma estrela dourada. A empresa disse que o design foi inspirado pelo que um xerife cowboy usaria. Mas os usuários do Twitter publicaram mensagens dizendo que o pijama se assemelhava aos uniformes do campo de concentração nazista. Essa notícia foi classificada como verdadeira. Tempo para chegar a 200 retweets: 7,3 horas.

• Em 2016, um site publicou uma parte de um artigo satírico sobre como a cadeia de restaurantes Chick-fil-A decidiu iniciar uma campanha de marketing - "Nós também não gostamos dos negros" - para provocar controvérsias e impulsionar as vendas. Chegou depois que o presidente da empresa disse que se opunha ao casamento gay. Essa notícia era falsa. Tempo para 200 retweets: 4,2 horas.

O que pode ser feito?

“Os pesquisadores disseram que a compreensão de como as notícias falsas se espalham é um primeiro passo para contê-las. Eles concluíram que o comportamento humano desempenha um papel importante na explicação do fenômeno e menciona possíveis intervenções, como melhor rotulagem, para alterar o comportamento.

“Por toda a preocupação com as falsas notícias, há pouca certeza sobre sua influência nas crenças e ações das pessoas. Um estudo recente das histórias acessadas na Internet por milhares de adultos americanos nos meses anteriores às eleições de 2016 descobriu que as notícias falsas representavam apenas uma pequena parcela da notícia total que as pessoas consumiam. "Temos que ter muito cuidado em fazer a inferência de que a falsa notícia tem um grande impacto", disse Duncan Watts, pesquisador principal da Microsoft Research.

Foto: Mark Makela, New York Times.

Outros artigos sobre o tema

As "fake news" enganam as crianças? Pesquisas dizem que sim

It's true: False News Spreads Faster and Wider. And Humans Are to Blade

Scientists prove that truth is no match for fiction on Twitter

Australia's trust in media at record low as 'fake news' fears grow, survey finds

"Fake News": ameaça à credibilidade da mídia e à democracia

False news travels faster than true stories on Twitter

Redes Sociais

 redetwiter redeface redeflick  redelinkedin

bannerbotton livro