Fake news uma boa historiaArmando Medeiros e João José Forni*

1 – A CPI na era da pós verdade, fake news e redes sociais

A Comissão Parlamentar de Inquérito da Pandemia avança e já desvenda a inércia e a negligência oficiais no sentido de garantir sólidos suprimentos de vacina para o País. O relatório final já antecipa um nó de corrupção nas negociações e o fato de autoridades terem desperdiçado oportunidades de aquisição de doses que poderiam salvar vidas.

É uma CPI que ocorre no ambiente midiático diferente das investigações no Congresso Social que marcaram a história brasileira, como a CPI sobre as atividades de PC Farias, durante o Governo Collor, a dos Anões do Orçamento e, mais recente, no início dos anos 2000, a CPI dos Correios.

Os mecanismos de investigação da CPI para investigar como o governo conduziu o combate à pandemia se movem dentro de um complexo circuito de mídias e canais – um ecossistema informativo diversificado e com forte influência das redes sociais. A mídia tradicional já não consegue ser mais o primeiro rascunho da história e nem ser a principal referência nas discussões da agenda pública. O aparato das redes sociais, controladas por megacorporações, favorece o ativismo, seja pelo engajamento de indivíduos ou técnicas de manipulação com robôs, sob o impulso das dezenas de critérios das plataformas de distribuição e valorização de um determinado conteúdo. Seja por grupos de ‘influencers’, que aderem a determinadas causas, sem compromisso com a sociedade e muito menos com a verdade. É conhecido, hoje, que os algoritmos criam bolhas que não dialogam entre si e valorizam conteúdos que despertam fortes reações.

O efeito mais visível é potencializar a multiplicação da mentira como ação política e lucrativa. Como revelou um autor de postagens com informações falsas, violentas, preconceituosas e inverossímeis: “quanto mais extremistas nos tornamos, mais as pessoas acreditam”.

Foi o que disse o blogueiro Christopher Blair, citado em denso artigo do jornal Washington Post (17/11/2018) com um título que pode ser traduzido para “Nada nesta página é real: como as mentiras se tornam verdade na América online”, de autoria do repórter do jornal, Eli Saslow, vencedor do Prêmio Pulitzer. Ao acordar, para mais um dia de trabalho, travou o seguinte diálogo com um amigo: “Que loucura viral devemos espalhar esta manhã?” perguntou o amigo. “Quanto mais extremistas nos tornamos, mais as pessoas acreditam”, respondeu Blair. Detalhe: em um bom mês, a receita de publicidade de seu site pode render até US$ 15 mil. Alguma semelhança com certas redes brasileiras?

2 – A indispensável exatidão e apuração cuidadosa das informações

Fake News na pandemiaAo prestar um depoimento cuidadoso, na linha tênue de que seu partido é a ciência, inspirada numa neutralidade e racionalidade bem-vindas, mas nem sempre possível, a infectologista Luana Araújo - contratada para a Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19, do ministério da Saúde, mas impedida de tomar posse, certamente porque não atendia aos requisitos do negacionismo crônico do governo - repetiu a tese de que informação de qualidade é também um remédio. Afinal, a Covid-19 é mais um dos temas polêmicos e polarizadores que infestam a Internet – e, infelizmente, apesar de quase 4 milhões e 200 mil mortes em todo o mundo, sendo mais de 550 mil no Brasil, apresenta áreas nubladas, incógnitas e não escapa da desinformação. De onde surgiu o vírus, o tratamento precoce, a ineficiência das vacinas, os questionamentos sobre a lotação dos hospitais, (há reportagens mostrando as maiores mentiras), as ações dos governos estaduais frente o governo central, são tópicos de intensa propagação. Em que e em quem acreditar?

Nem mesmo parlamentares, membros da comissão, ou depoentes, ficam incólumes da manipulação de edições de vídeos que buscam mostrar incoerências e contradições nos posicionamentos. A CPI, embora tenha nascido sob desconfiança de que seria um instrumento meramente político, acabou cumprindo um papel importante de descobrir como o negacionismo fazia parte de uma política de governo, instrumentalizada por profissionais (políticos, médicos, professores, curiosos) da intimidade do presidente da República e de ministros da Casa. Isso explica por que dois médicos não ficaram muito tempo no ministério da Saúde, que acabou nas mãos de um militar, sem experiência em Saúde e que, certamente, estava lá mais para cumprir ordens do presidente do que para resolver os problemas da pandemia, no País.

3 - A novidade na CPI: agências de checagem

Fake News boa imagemAs sessões da CPI acabaram se tornando cada vez mais aprimoradas com os serviços de verificação das informações e a convocação de especialistas em auditoria e controle, dada a quantidade de material que acabou caindo no colo do presidente e do relator da CPI. Quanto mais em cima da hora, quanto mais veloz for a checagem – durante o próprio depoimento – a dinâmica dos trabalhos ganha novo ritmo. Ou seja, quanto menos a posteriori, mais força terá a checagem da veracidade, desmontando os álibis das autoridades e especialistas. Não é tarefa fácil, mas desafiadora. Em alguns casos, os depoentes foram constrangidos até o ponto de um deles, funcionário do ministério as Saúde, demitido dias antes, ter sido preso em flagrante, por ordem do presidente da CPI, por faltar com a verdade. O episódio pode ter sido interpretado como mais um factoide, para a mídia, sem efeito prático, mas serviu como um alerta de que qualquer outra fonte convocada a depor, a partir de então, não importa quem fosse, deveria se comprometer com a verdade ou, deveria vir garantido por habeas corpus, para ficar calado.

O professor Marcos Palácios (UFBA), no artigo “Fake news e a emergência das agências de checagem”, registra pesquisa do Ipsos Institute na qual os brasileiros aparecem como o povo que mais acredita em fake news no mundo – são 62%, seguidos de Arábia Saudita e Coreia do Sul (58%) e peruanos e espanhóis (57%). A checagem dos fatos (facts cheking) constituintes de uma notícia é uma das características definidoras do chamado Jornalismo Moderno. A pandemia exacerbou os abusos, favorecendo a proliferação de notícias falsas, boatos e informações erradas sobre saúde. Pior é que até médicos e eventuais profissionais de saúde, inescrupulosos e aparelhados, usaram as redes sociais para dar vazão a informações contraditórias, não comprovadas cientificamente e, pior, politicamente suspeitas.

Importa por isso tentar compreender o que mudou e por que, bem como que efeitos tais mudanças podem acarretar para a credibilidade jornalística.

Cristina Tardáguila, em artigo no site UOL (27/05/2021) avalia que a CPI da Covid tem sido uma caixa de ressonância para conteúdos enganosos", razão pela qual o fact-checking é bem-vindo e necessário. Sim, as sessões editadas, vídeos curtos, sem contextualização, misturam casos de aborto, vacina e questionamentos sobre as políticas de distanciamento. Algumas dessas fake news acabam aproveitando notícias de saúde vindas do exterior para fazer uma confusão e disseminar teses fajutas, respaldadas pelo negacionismo patrocinado pelo governo.

“Se, no Senado, se sentem no direito de mentir, de reproduzir falas que não condizem com a verdade, o que vai acontecer no bar ou no WhatsApp da família?" indaga Tardáguila.

Na mesma linha, em um evento recente, realizado pela Associação Brasileira de Comunicação Pública (ABCPública), a pesquisadora da Universidade de Liverpool Patrícia Rossini palestrou, como convidada, sobre o estudo elaborado por ela, em parceria com Antonis Kalogeropoulos, denominado “Informação e Desinformação sobre a Covid-19 no Brasil”. A pesquisa trata o consumo de informação por WhatsApp no Brasil como um fenômeno. 81% dos participantes consideram o aplicativo a principal fonte de informação. “O uso do WhatsApp para consumo de informações no Brasil tem crescido bastante. Segundo relatórios do Instituto de Jornalismo da Reuters, em Oxford, o WhatsApp é utilizado para notícias quase tanto quanto o Facebook. O mais comum são conversas em grupos, onde, na maioria das vezes, são enviadas notícias sem link e fontes”, explica a pesquisadora.

Christopher Blair blogueiro que inventa noticias desde 2016 WP 17 11 18O estudo foi realizado durante o primeiro auge da pandemia no Brasil, em julho e agosto de 2020, em duas etapas (2.010 pessoas na primeira fase e 1.378 na segunda), utilizando painéis on-line pelo Ibope Inteligência. A pesquisa faz parte do projeto “Está no WhatsApp, então deve ser verdade: Mídias Sociais e acesso a notícias como caminhos para explicar desinformação e comportamentos sobre Covid-19”, financiado pela Universidade de Liverpool.

Os autores dizem que a polarização da resposta institucional de diferentes atores políticos pode ter influenciado a confiança dos brasileiros nas informações, mas também “criaram mais desafios para os cidadãos navegarem por informações verdadeiras e falsas sobre a pandemia”. Similar ao que ocorreu no Reino Unido, eles dizem que informações confusas vindas de autoridades e da mídia, torna mais difícil “distinguir em que e em quem confiar”. Para eles, “uma resposta eficaz depende principalmente da capacidade da fonte e do meio divulgar informações precisas e confiáveis sobre medidas preventivas e restrições ao público”.

Chama atenção como as pessoas questionam a autoridade dos especialistas, sem nenhum cuidado ou aviso ("olha, não conheço bem o tema" ou "minha opinião é de um leigo") mas, ao contrário de propor caminhos e soluções seguras, os comentários são feitos para dominar o debate, impor achismo como se fosse verdade absoluta. Um comportamento sem a humildade dos filósofos gregos (“só sei que nada sei”) indicando que é sinal de sabedoria reconhecer a dimensão da ignorância própria. Quanto mais aprendemos, mais percebemos o quanto nos falta conhecimento. Por outro lado, rasga-se a concepção do ato de comunicar como um ato de diálogo. Sem abertura para ouvir os diversos lados, ou os  especialistas, apenas disposto a aceitar a sua própria opinião, não há comunicação efetiva.

4 – Fecho: crises lidam com fábricas de mentiras

CPI CovidOs episódios que envolvem a CPI da Pandemia, trazem à tona políticas deliberadas de desinformação, alimentadas por teorias conspiratórias de todos os matizes, e as reações daqueles empenhados em aceitar apenas a informação bem apurada, exata e checada.

Os indivíduos podem desprezar determinados fatos e informações para se apegarem aos conteúdos que estão de acordo com seu estoque de argumentos, suas próprias crenças. E podem dar credibilidade e seguir informações nas quais realizam suas fantasias ou fazem catarse, como explica a psicologia.

No caso da Covid, o Brasil foi vítima de duas crises: a pandêmica e a política. Quis o destino que o País tivesse na presidência um governante que desde o princípio foi de encontro ao que a ciência recomendava. Com isso, ele e seguidores fanáticos começaram a criar no País uma milícia de divulgação de fake news, altamente perniciosa para o combate à pandemia e à obediência às regras sanitárias. Basta dizer que até hoje, um ano e meio depois de o país amargar 550 mil mortos e quase 20 milhões de contaminados, o presidente e muitos ministros e seguidores se negam a usar máscaras em público. Como se o gesto fosse uma provocação aos “babacas” que teimam em fazer o que a ciência no mundo todo recomenda” máscaras em público. Certamente, esse desdém custou muitas vidas que, por ignorância ou militância, devem ter achado bonito um presidente que peita a ciência.

Em 11 de maio de 1975, o jornal Notícias Populares**, de cunho sensacionalista, circulou com a seguinte manchete: “Nasceu o diabo em São Paulo”. A notícia dizia que, em um hospital de São Bernardo do Campo (SP) ocorrera um “parto incrivelmente fantástico e cheio de mistérios”, marcado por “correria e pânico por parte de enfermeiras e médicos”. A notícia do nascimento do “bebê-diabo” aumentou a circulação do jornal Notícias Populares que saiu de 70 mil para 150 mil exemplares. Nas bancas da cidade, o jornal praticamente esgotou. Durante meses a fantasia foi noticiada pelo jornal até que a audiência foi gradativamente esfriando e o “bebê diabo” acabou, segundo o jornal, fugindo e desaparecendo no interior do País.

Noticias Populares nasceu o diabo em sao pauloEram outros tempos, mas deixam a angustiante indagação: quando haverá trégua para o triunfo da informação correta? em que momento aqueles que estão sendo alimentados de conteúdos tóxicos voltarão a respirar “realidade”? O grande dilema é que o “bebê diabo” sumia e não matava ninguém. Mas hoje, negacionismo mata. Não apenas no Brasil, mas em outros países também, como aconteceu nos Estados Unidos, principalmente.

À guisa de conclusão

O pior dessa verdadeira epidemia de desinformação, dentro da pandemia, é que pegou as pessoas em momentos extremamente vulneráveis. Desde o início da crise da Covid-19, os especialistas alertavam que a comunicação se tornaria o insumo mais importante para ajudar as pessoas a agir e tomar as decisões corretas: usar máscaras, se proteger, evitar aglomeração, remédios recomendados, tratamento precoce ou não, quando ir ao hospital, risco da doença. No meio de três crises que se imbricaram: sanitária, econômica e política, somente a comunicação tinha o poder de esclarecer as pessoas.

E aqui é relevante ressaltar o papel da mídia tradicional que, apesar da quantidade de desinformação, tenta no meio do caos dar uma pouco de ordem a essa onda de notícias falsas, propositadamente plantadas para esconder, muitas vezes, as intenções econômicas, políticas e até a incompetência dos governos. Isso ocorreu durante longo período, nos Estados Unidos, em 2020, tendo o próprio presidente Trump como um dos principais paladinos, a ponto de (acredite, se quiser) recomendar o uso (ingestão) de desinfetante doméstico para matar o coronavírus. Não por coincidência, países onde a pandemia foi mais agressiva e mortal, como EUA, Brasil, México, Reino Unido, Itália, Índia foram exatamente os lugares onde os governos não fizeram ou demoraram a tomar atitudes que tvessem coerência e assertividade para reduzir o risco de contágio e as mortes. Isso teve um custo humano, tanto física quanto psicologicamente, extremamente deletério. Para muitos, infelizmente, a verdade poderia ter chegado bem cedo. Mas foi tarde demais.

Fotos: Christopher Blair, 46, blogueiro que trabalha com sátiras políticas, desde 2016, na campanha de Trump. (Jabin Botsford/The Washington Post).

*Armando Medeiros de Farias, Jornalista, especialista em Ciência Política (UFMG), e Mestre em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP).
*João José Forni, Jornalista, Mestre em Comunicação pela Universidade de Brasília. Consultor de Comunicação, autor de 'Gestão de Crises e Comunicação – O que Gestores e Profissionais de Comunicação precisam saber para Enfrentar Crises Corporativas.' (Atlas, 3ª edição).

**Notícias Populares, também conhecido simplesmente como NP, foi um jornal que circulou em São Paulo entre 15 de outubro de 1963 e 20 de janeiro de 2001 e era conhecido por suas manchetes violentas e sexuais. Seu slogan era "Nada mais que a verdade". O jornal era publicado pelo Grupo Folha, mesma empresa que publica os jornais Folha de S.Paulo e Agora São Paulo e publicava o jornal Folha da Tarde.

Outros artigos sobre o tema

Where the Truth Lies – News in the Era of Social Media and “the Economy of Attention”

‘Nothing on this page is real’: How lies become truth in online America

Os doze lançadores de ódio pelas redes sociais - Rui Martins

A importância do posicionamento de jornalistas em tempos de turbulência político-ideológica

Analysis of fake news disseminated during the COVID-19 pandemic in Brazil

CPI lista 26 políticos que espalharam fake news sobre covid. Veja quem são

Fighting misinformation in the time of COVID-19, one click at a time

Redes Sociais

 redetwiter redeface redeflick  redelinkedin

bannerbotton livro