Eleicao americana foto“Faltando apenas alguns dias para uma eleição histórica, nosso trabalho neste mês se concentrou em entender e combater a desinformação e apoiar jornalistas na missão extremamente importante de educar o público sobre os procedimentos eleitorais. Recente relatório de pesquisa do Professor Matthew Baum e seus colegas, em pesquisa de 50 estados sobre as atitudes do público, revela que as diferenças na intenção de votar pelo correio podem atrasar os resultados eleitorais em estados-chave. O despacho do professor Tom Patterson, Election Beat 2020, adverte os leitores de como a reportagem sobre os resultados das eleições pode ser prejudicada por um julgamento precipitado, e como as organizações de notícias podem se tornar propagadoras da desinformação. O Washington Post também publicou artigo sobre o papel dos jornalistas na promoção da confiança nas eleições de 2020.

Essa análise introdutória foi publicada pelo Shorenstein Center on Media, Politics and Public Police, da Harvard Kennedy School, em Cambridge, Massachusetts, EUA. E remete a diversos artigos, pesquisas e análises sobre o nível de manipulação das eleições americanas.

“Para uma análise mais profunda das formas como as campanhas de desinformação operam, a equipe da Dra. Joan Donovan no projeto Tecnologia e Mudança Social criou o Media Manipulation Casebook, um recurso vital e expansivo para detectar, documentar, descrever e desmistificar a desinformação. A equipe do TaSC também organizou a semana de Conscientização sobre a Desinformação, com sessões diárias transmitidas ao vivo explorando os efeitos nocivos das campanhas de desinformação. E o relatório do Dr. Donovan na Scientific American, Trolling for Truth on Social Media, traçou as raízes das campanhas de manipulação modernas até os movimentos de protesto na Internet dos anos 1990.” 

Desse trabalho de pesquisa dos professores saíram vários produtos sobre desinformação. Aqui, reproduzimos, com autorização, um dos trabalhos: “Election Beat 2020: How news outlets become misinformation superspreaders”Election Beat 2020: How news outlets become misinformation superspreaders”

Como os veículos de notícias também se tornam propagadores de desinformação.**

Thomas E. Patterson*

Eleicao americana fotosA Rússia está novamente vendendo desinformação em uma tentativa de derrubar nossa eleição. É uma notícia importante, mas há uma ameaça maior que está recebendo menos cobertura. Em um estudo da New York University Stern School, Paul Barrett mostra que a contribuição da Rússia para o nosso problema de desinformação é quase uma distração em comparação com o que os próprios americanos estão fornecendo.

Um estudo da Universidade de Oxford sobre compartilhamentos do Facebook e do Twitter durante a eleição de meio de mandato de 2018 chegou à mesma conclusão, descobrindo que um quarto completo das mensagens continha informações enganosas ou imprecisas - a maioria cultivada internamente.

A julgar pelo que é relatado nas notícias, as redes sociais e os meios de comunicação de extrema direita são as principais fontes de desinformação doméstica. E, de fato, as redes sociais e os veículos de extrema direita são focos de desinformação.

No entanto, existe uma grande fonte de desinformação que raramente é mencionada nas notícias - a própria mídia. Um estudo do Tow Center for Digital Journalism da Universidade de Columbia descobriu que "as organizações de notícias desempenham um papel importante na propagação de hoaxes (embustes, mistificação), afirmações falsas, rumores questionáveis e conteúdo viral duvidoso". Em outro estudo, Yochai Benkler, Robert Faris e Hal Roberts, de Harvard, examinaram quatro milhões de mensagens online transmitidas ou compartilhadas durante a campanha eleitoral de 2016, incluindo aquelas provenientes de sites de veículos de notícias tradicionais como o New York Times e sites de notícias falsas como os que operam na Rússia. A equipe de pesquisa esperava que o esforço russo fosse uma importante fonte de desinformação, e foi. Mas eles descobriram que a mídia tradicional era um contribuidor maior.

Como isso poderia ser verdade? Como podem os meios de comunicação da América, que afirmam ser os guardiões da verdade, ser uma fonte primária de mentiras?

A resposta está na rotina dos jornalistas e na necessidade de atrair público. Os tweets de Donald Trump são um bom exemplo. Muitos deles incluem uma declaração falsa, o que normalmente é considerado um problema que o Twitter poderia resolver se os excluísse. Mas a natureza do problema parece diferente quando a exposição a seus tweets é examinada. A exposição direta ao feed do Twitter de Trump é responsável por uma pequena parte da exposição total ao conteúdo de seus tweets. Os americanos geralmente ficam sabendo de seus tweets pela mídia de notícias. Além disso, como um estudo da Media Matters descobriu, dois terços dos retuítes da mídia das falsas alegações de Trump são transmitidos sem notar que a alegação é falsa. Se Trump for o paciente zero, a mídia de notícias é a super-propagadora.

Os meios de comunicação defendem a divulgação de afirmações enganosas dos jornalistas, dizendo que suas declarações são "dignas de publicação". É um argumento semelhante ao das plataformas de mídia social que citam a "liberdade de expressão" como justificativa para permitir que declarações falsas permaneçam. Esses argumentos ignoram a maneira como nossas mentes funcionam. Temos a tendência de aceitar reivindicações que estejam em conformidade com o que gostaríamos de acreditar, sejam verdadeiras ou não. E quando encontramos tais afirmações, tendemos a embelezá-las, mantê-las na memória, compartilhá-las com outras pessoas.

O problema desafia uma solução fácil. A noção de que as plataformas de mídia social podem policiar completamente seu espaço ignora a enormidade desse espaço, a linha cinzenta entre fato e ficção, o valor da livre expressão desenfreada em uma sociedade democrática, a alta taxa de erro dos modelos algorítmicos e muito mais. Os meios de comunicação também não estão posicionados para ser um firewall de ferro contra a disseminação de desinformação. Embora os meios de comunicação sejam porteiros, eles não estão posicionados para agir como policiais morais. Se eles tentassem, as acusações de preconceito da mídia aumentariam para um rugido constante e a confiança na imprensa despencaria. No entanto, os veículos de notícias não precisam ser super divulgadores. Muitos dos tweets de Trump, por exemplo, não atendem a nenhum padrão defensável de valor jornalístico. Excitante, sim. Com valor-notícia, não E o fato de que outros meios de comunicação estão relatando um tweet suculento de Trump não o torna mais interessante.

A verificação dos fatos não compensará os padrões jornalísticos negligentes. Não há evidências para apoiar a noção de que a checagem de fatos dos veículos de notícias prejudica consideravelmente nosso problema de desinformação. Os mal informados raramente verificam suas crenças e, quando o fazem, raramente são persuadidos de que estão errados. A única forma eficaz de os meios de comunicação combaterem a desinformação é reduzir sua contribuição. Em um relatório encomendado pela New America Foundation, os cientistas políticos Brendan Nyhan e Jason Reifler propuseram um conjunto de diretrizes para relatórios que teriam esse efeito:

- Entendendo a história certa da primeira vez

- Minimizando a repetição de afirmações falsas 

- Fazendo correções rápidas

- Depender de fontes confiáveis ​​/ Ignorar as não confiáveis

- Não amplificando o problema

Falta uma semana para o dia da eleição. Os americanos estarão inundados de desinformação nos últimos dias. Os meios de comunicação não podem resolver esse problema, mas podem limitar sua contribuição. Um caso em questão é a observação do debate de Joe Biden sobre a indústria do petróleo. Está claro nos documentos de posição de Biden e no que ele disse durante a campanha que ele está propondo uma transição para a energia limpa, em vez da eliminação do petróleo. Notícias que sugerem de outra forma confundem ou enganam os eleitores. O problema é endêmico em relatórios de campanha, que o professor Kathleen Hall Jamieson descreve como tratando um ato atípico como se representasse o todo. Ele destaca o conflito que os jornalistas valorizam em suas histórias, mas confunde a compreensão dos eleitores sobre as escolhas que enfrentam.

**Artigo publicado originalmente em 27 de outubro de 2020, no site Journalist’s Resource.

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International License.

Tradução e edição: João José Forni

*Thomas E. Patterson é Bradlee Professor of Government & the Press na Harvard’s Kennedy School e autor do artigo publicado recentemente Is the Republican Party Destroying Itself? A Journalist’s Resource planeja publicar uma nova edição de sua série Election Beat 2020 todas as semanas, antes das eleições de 2020 nos EUA. Patterson pode ser contatado em Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Redes Sociais

 redetwiter redeface redeflick  redelinkedin

bannerbotton livro