coronavirus coreia do sul umA Coreia do Sul tem sido apontada por todos os especialistas, epidemiologistas e demais médicos do mundo como um modelo de gestão da crise do coronavírus. Além da cultura oriental, sempre muito mais disciplinada do que a ocidental, a Coreia do Sul teve anos atrás outras ameaças, como as epidemias da Sars, Mers (2015), e até da zika. Pela proximidade da China, prevenção de doenças transmissíveis já se incorporou ao dia a dia do coreano. Esse foi um fator importante nas ações determinadas pelo governo para impedir a propagação do coronavírus.

A Europa é agora o epicentro da pandemia do COVID-19. A contagem de casos e mortes está aumentando na Itália, Espanha, França e Alemanha, e muitos países impuseram bloqueios e fronteiras fechadas. O índice de mortalidade na Alemanha é extremamente baixo, em contraposição à Itália, onde no dia 18 de março era de 7,71, o mais alto registrado pelos países onde a pandemia chegou com muita força. “Enquanto isso, os Estados Unidos, dificultados por um fiasco com kits de teste atrasados e com defeito, estão apenas conseguindo dimensionar sua carga de COVID-19, embora os especialistas acreditem que ela esteja na mesma trajetória dos países da Europa.” A afirmação consta de artigo publicado no site Science, com o título de “Coronavírus cases have dropped sharply in South Korea. What’s the secret to its success?”

“Em meio a essas tendências terríveis, a Coreia do Sul emergiu como um sinal de esperança e um modelo a ser imitado. O país de 50 milhões parece ter diminuído bastante sua epidemia; relatou apenas 74 novos casos hoje (17 de março), abaixo dos 909 em seu pico em 29 de fevereiro. E o fez sem bloquear cidades inteiras ou tomar outras medidas autoritárias que ajudaram a China a controlar sua epidemia. "A Coreia do Sul é uma república democrática, sentimos que um bloqueio não é uma escolha razoável", diz Kim Woo-Joo, especialista em doenças infecciosas da Universidade da Coreia. O sucesso da Coreia do Sul pode conter lições preciosas para outros países - e também um aviso: mesmo depois de diminuir o número de casos, o país está preparado para um ressurgimento”, ressalva o articulista Dennis Normille, correspondente em Shangai, na China.

Mas qual o segredo da Coreia do Sul? “Por trás de seu sucesso, até agora, está o programa de testes mais abrangente e bem organizado do mundo, combinado com grandes esforços para isolar pessoas infectadas e rastrear e colocar em quarentena seus contatos. A Coreia do Sul testou mais de 270 mil pessoas, o que equivale a mais de 5.200 testes por milhão de habitantes - mais do que qualquer outro país, exceto o minúsculo Bahrain, segundo o site do Worldometer. Até agora, os Estados Unidos realizaram 74 testes por 1 milhão de habitantes, segundo dados do Centers for Disease Control and Prevention dos EUA.”

Segundo Normille, “Se o sucesso será válido não está claro. O número de novos casos está diminuindo em grande parte porque o esforço hercúleo de investigar um conjunto massivo de mais de 5.000 casos - 60% do total da nação - vinculado à Igreja Shincheonji de Jesus, uma megaigreja messiânica secreta, está acabando. Mas, devido a esse esforço, "não procuramos muito em outras partes da Coreia", diz Oh Myoung-Don, especialista em doenças infecciosas da Universidade Nacional de Seul."

“Novos clusters de crise estão aparecendo. Desde a semana passada, as autoridades registraram muitas novas infecções, incluindo 129 ligadas a um call center de Seul. "Isso poderia ser o início da disseminação na comunidade", através de Seul e da província vizinha de Gyeonggi, diz Kim. A região abriga 23 milhões de pessoas.”


Experiência, disciplina e rigorosa fiscalização

coronavirus coreia do sul doisO jornal Corriere Della Sera, deste 19 de março, na intensa cobertura da pandemia na Itália (O país tem 41.035 casos de infecção com o vírus e já registrou 3.405 mortos), divulgou alguns depoimentos de italianos que moram na Coreia do Sul. As histórias contadas por eles mostra que nada foi por acaso e o segredo está na experiência passada, com outras epidemias, na disciplina do povo coreano e, principalmente, pela gestão da crise conduzida pelo governo coreano, que planejou a ofensiva, fiscaliza e pune quem não seguir as normas.

“Fabio, 40, é originário de uma vila na província de Turim, mas vive na Coreia do Sul há dez anos, considerado um modelo na luta contra a epidemia de Coronavírus. Em 2015, quando os casos de Mers ocorreram no país asiático, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças da Coreia foram deslocados e não conseguiram atender à demanda de kits para o teste em pessoas infectadas, com o resultado de muitos pacientes terem passado de hospital em hospital, buscando assistência, aumentando o número de infecções. A emergência levou a novas leis para lidar rapidamente com a possível chegada de uma nova epidemia, eliminando uma série de passagens burocráticas.”

“Já no ano seguinte, 2016, a Coreia do Sul conseguiu testar a eficácia do sistema em vigor hoje, em uma escala muito menor que a atual, durante a epidemia de zika. E hoje, com o coronavírus, as medidas adotadas parecem funcionar por enquanto: o total de infectados na Coreia do Sul, que tem cerca de 50 milhões de habitantes em comparação aos 60 milhões na Itália, são 8.565 e apenas 91 mortes.

Números incríveis quando comparados com os da Itália (mais de 41 mil infecções e 3,4 mil vítimas). "Mas não estou surpreso - Fabio especifica no telefone, que atualmente está preso em Genebra por trabalho -. Saí de Seul no final de fevereiro, mas ainda não consegui voltar", acrescenta. Seus amigos e colegas em Seul os ouvem todos os dias no telefone, mas antes de partir, medidas foram tomadas. "Tendo vivido Mers e Sars - ele explica - a Coreia não precisa que o governo intervenha com leis e proibições, é precisamente o coreano que leva as coisas muito a sério. Todos nós começamos a colocar a máscara há dois meses e, se você não a tem, há lugares que realmente não permitem que você entre." Ninguém ficou de fora, porque foi o governo que forneceu diretamente às farmácias e as vendeu a preços moderados. "Duas por semana para cada pessoa, basta mostrar sua carteira de identidade", explica Fabio.”

corona coreia do sul tres“Lojas, bares, restaurantes. Nada foi fechado, mas as precauções foram imediatamente altas. Como Hyunhi Lee, 49 anos, tradutor coreano que viveu na Itália de 1996 a 2007 e agora vive permanentemente com sua família em Seul, diz: «Acabei de voltar do mercado em que fazia as compras - diz ele - obviamente havia muito menos pessoas e todos nós estávamos usando máscaras, porque, se vemos alguém sem, a olhamos muito mal. A sensação que tive a partir daqui é que na Itália você encarou a situação frouxamente; começamos a colocar máscaras há dois meses, eu não levei minha filha para lugares fechados, escola, shopping centers, academia de música. Tentamos ficar muito em casa, mas também fazemos caminhadas, tomando muitas precauções. Somos um pouco obsessivos com certas coisas e, dada a proximidade com a China, nós mudamos imediatamente. Mas, tendo morado na Itália por quase dez anos, continuo lendo os jornais italianos e mantendo contato com os italianos, e achei absurdo que no começo você falasse de uma simples gripe".

“Todo o transporte público, diz Fabio, foi imediatamente equipado com dispositivos higienizados à mão." "Em muitos lugares, há alguém que controla você, se você lavou as mãos - ele explica - e não é brincadeira. Aqui, uma cultura de respeito pelo outro é difundida e, mesmo se você estiver resfriado, por exemplo, usa uma máscara. Além disso, ao contrário de nós, os coreanos já em geral não se tocam e agora se tocam ainda menos. Eles saem muito pouco e são muito mais sensíveis à possibilidade de contágio, nunca o pegam. Mas, além disso, uma questão muito controversa do modelo coreano era o sistema de mapeamento de contágio. De fato, através da colaboração de órgãos estatais, laboratórios privados e empresas de manufatura, Seul conseguiu, em pouco tempo, estabelecer um sistema capaz de lidar com a epidemia, com tecnologia e Big Data: mapeamento completo de todos os casos e site acessível a todos.”

“Eles mapearam todas as mudanças positivas para o Covid19 - diz Fabio - e as disponibilizaram aos cidadãos para garantir que cada um deles soubesse imediatamente se e quando ele cruzar o caminho de uma possível pessoa infectada. O conceito de privacidade na Coreia é abstrato, sabemos muito bem que, quando ligamos o telefone, todos temos um GPS ativo e funcional. E nos primeiros dias, quando trinta pessoas foram infectadas, todos sabíamos para onde e como essas pessoas haviam se locomovido”. O aplicativo "Corona 100m" chegou a se espalhar, um sistema centralizado que torna públicos os movimentos e transações de cidadãos afetados por coronavírus por meio da tecnologia GPS e câmeras de vigilância.”

“Um modelo, o sul-coreano, observado com atenção não apenas pelos países europeus, mas também pelos Estados Unidos, cujo sistema de testes já mostra limites, conforme admitido pelo diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, Anthony Fauci. Até agora, o presidente sul-coreano Moon Jae-in expressou otimismo sobre a situação coreana. "A menos que desenvolvimentos inesperados ocorram, esperamos que essa tendência ganhe impulso", explicou Moon. Nossa confiança em superar o Covid-19 está crescendo”. Na Itália, por enquanto, os deslocamentos de célula a célula de telefones celulares foram analisados para entender quantos habitantes se deslocam na área e como o fazem. Os dados são anônimos e agregados, mas a Autoridade de Privacidade já alertou: "Onde se pretende obter dados de identificação, seria necessário fornecer garantias adequadas, com uma provisão com eficácia temporalmente limitada e de acordo com os princípios de proporcionalidade, necessidade e razoabilidade".

Reportagem: Corinna De Cesare.

Depoimentos dados ao jornal Corriere Della Sera, Roma, Itália, em 19 de março de 2020.

Tradução: JJF

Outros artigos sobre o tema

Coronavírus cases have dropped sharply in South Korea. What’s the secret to its success?

South Korea's Foreign Minister explains how the country contained COVID-19

 

 

Redes Sociais

 redetwiter redeface redeflick  redelinkedin

bannerbotton livro