Coronavirus World photoA pandemia do coronavírus pegou o mundo de surpresa. Nem o Fórum Econômico Mundial, que lista anualmente os maiores riscos globais de crise, ousou prever uma catástrofe sanitária desse tamanho. Na ponta, desastres naturais, crises do clima, cyberataque, como as que todos os anos aparecem e somem deixando sua marca. Em 10º lugar, endemias. Filósofos, sociólogos, economistas, infectologistas, especialistas em várias áreas tentam analisar e decifrar esse novo mundo. Durante e após a pandemia. Entre a vasta literatura sobre o tema, selecionamos algumas ideias, sobretudo daqueles escritores e pesquisadores que estão no momento nos provocando maior inquietação.

A Covid-19 não representa uma ameaça existencial para a sobrevivência de nossa espécie. Sim, a pandemia será um duro golpe para a economia mundial, mas isso se recuperará; é só uma questão de tempo. Ao contrário de muitas das epidemias do passado, o vírus não ameaça causar derrotas militares, substituições ou colapsos populacionais ou abandono de terras cultivadas. (Jared Diamond, escritor, vencedor do Prêmio Pulitzer, autor de "Armas, Germes e Aço", "Convulsão" e "Colapso")(1)

Existem outros perigos, presentes agora, que constituem ameaças existenciais capazes de destruir nossa espécie ou danificar permanentemente nossa economia e padrão de vida. Mas eles são menos convincentes em motivar-nos do que a Covid-19, porque (com uma exceção) eles não nos matam de forma visível e rápida. (Diamond)(1)

O fato de os sinais de alerta não serem ouvidos não é surpreendente. Poucos de nós sofremos uma pandemia e somos todos culpados por ignorar informações que não refletem nossa própria experiência do mundo. Catástrofes revelam a fraqueza da memória humana. Como alguém pode planejar um evento raro aleatório - certamente os sacrifícios serão grandes demais? (Richard Horton, médico, editor da revista médica The Lancet).(4)

Jared DiamondOs micróbios muitas vezes moldaram a história humana. Milhares de anos antes da Peste Negra, uma propagação anterior da peste pode ter contribuído para a intrusão de povos da estepe asiáticos que carregavam línguas indo-europeias na Europa. Mais tarde, muito mais nativos americanos - incluindo o imperador asteca Cuitláhuac e o imperador inca Huayna Capac - morreram na cama por germes europeus do que no campo de batalha por espadas e armas europeias. (Diamond)(1)

A humanidade agora está enfrentando uma crise global. Talvez a maior crise da nossa geração. As decisões tomadas pelas pessoas e pelos governos nas próximas semanas provavelmente moldarão o mundo nos próximos anos. Eles moldarão não apenas nossos sistemas de saúde, mas também nossa economia, política e cultura. Devemos agir de forma rápida e decisiva. Também devemos levar em consideração as consequências a longo prazo de nossas ações. Ao escolher entre alternativas, devemos nos perguntar não apenas como superar a ameaça imediata, mas também que tipo de mundo habitaremos quando a tempestade passar. Sim, a tempestade passará, a humanidade sobreviverá, a maioria de nós ainda estará viva - mas habitaremos um mundo diferente. (Yuval Noah Harari, escritor, autor de "Sapiens", "21 lições para o Século 21" e "Homo Deus".)(2)

Neste momento de crise, enfrentamos duas escolhas particularmente importantes. O primeiro é entre vigilância totalitária e empoderamento do cidadão. A segunda é entre isolamento nacionalista e solidariedade global. (Harari)(2)

Mapa por milhoes 14 jun 2020Por mais estranho que pareça, a solução bem-sucedida da crise da pandemia pode nos motivar a lidar com as questões maiores que até agora evitamos enfrentar. Se a pandemia finalmente nos preparar para lidar com essas ameaças existenciais, pode haver um lado positivo para a nuvem negra do vírus. Entre as consequências do vírus, pode ser o maior, o mais duradouro - e a nossa grande causa de esperança. (Diamond)(1).

Durante momentos extraordinários como a pandemia do COVID-19, os líderes precisam de habilidades efetivas de comunicação como essas para instilar confiança, credibilidade e esperança em seus trabalhadores - ingredientes essenciais para vencer a guerra. (Rita Men, Professora Associada de PR, University of Florida)(5)

A ameaça nuclear pode ou não se materializar, mas as outras três ameaças já existem - e estão piorando. Elas têm o potencial de prejudicar permanentemente nosso padrão de vida, embora deixem muitos de nós ainda vivos. Essas ameaças são: mudanças climáticas; uso insustentável de recursos essenciais (especialmente florestas, frutos do mar, solo superficial e água doce); e as consequências das enormes diferenças no padrão de vida entre os povos do mundo, desestabilizando nossa existência globalizada. (Diamond)(1)

A transparência exige que os líderes compartilhem de maneira aberta e proativa informações relevantes com os funcionários de maneira oportuna, frequente e assimilável; fornecer informações precisas sobre o que está acontecendo, qual é o impacto e como a empresa está lidando com isso; e oferecer orientações claras sobre o que os trabalhadores devem fazer. (Rita Men)(5)

Mas se esse benefício motivacional do Covid-19 realmente dependerá de como o mundo responder a essa crise verdadeiramente global. Podemos obter orientações de como as nações respondem às crises nacionais. No meu recente livro Upheaval, estabeleci uma dúzia de preditores de resultados que tornaram mais ou menos provável que uma nação respondesse com êxito a uma crise nacional: entre eles, havia o reconhecimento, em vez de negação, da realidade de uma crise; aceitação da responsabilidade de agir; e auto-avaliação honesta. (Diamond)(1)

Cidades vazias coronavirusPara interromper a epidemia, populações inteiras precisam cumprir certas diretrizes. Existem duas maneiras principais de conseguir isso. Um método é o governo monitorar as pessoas e punir aqueles que violarem as regras. Hoje, pela primeira vez na história da humanidade, a tecnologia possibilita monitorar todos o tempo todo. (Harari)(2)

A desvantagem é, obviamente, que isso daria legitimidade a um novo e aterrador sistema de vigilância. Se você sabe, por exemplo, que cliquei no link da Fox News em vez do link da CNN, isso pode lhe ensinar algo sobre minhas opiniões políticas e talvez até sobre minha personalidade. Mas se você puder monitorar o que acontece com a temperatura do meu corpo, a pressão sanguínea e o batimento cardíaco enquanto assisto ao videoclipe, você pode aprender o que me faz rir, o que me faz chorar e o que me deixa muito, muito zangado. (Harari)(2)

Por exemplo, o sucesso notável do Japão do século XIX na modernização começou com a crise provocada pela visita não convidada dos navios de guerra do comodoro Perry em 1853. O Japão reconheceu sua fraqueza; tomou medidas adotando um programa intensivo de mudanças seletivas; e avaliou honestamente sua força militar a cada passo de uma expansão militar cautelosa. (Diamond)(1)

A pandemia do COVID-19 apresenta desafios semelhantes porque os funcionários enfrentam enormes incertezas e emoções desagradáveis, como medo, tristeza, ansiedade e frustração. Os CEOs podem ajudar a reduzir a ansiedade dos trabalhadores e formar um vínculo com eles, demonstrando simpatia e se colocando no lugar deles. (Rita Men)(5)

Para os três países - EUA, Finlândia e Indonésia - as ações propositadas seguiram uma ameaça externa. Mas os problemas globais nunca geraram um senso comparável de urgência. Até o perigo sem precedentes apresentado por Covid-19, nunca houve uma luta que unisse todos os povos do mundo contra um inimigo comum amplamente reconhecido. (Diamond)(1)

Enquanto os CEOs estão preparados para agir, tempos difíceis, como a pandemia, lançam desafios monumentais à liderança de uma organização. Em uma época em que as incertezas superam as certezas, às vezes eles simplesmente não sabem o que fazer. (Harari)(2)

Se o mundo se unir para resolver a crise contra grandes probabilidades, nossa pandemia atual poderá representar o início de uma era brilhante de cooperação mundial. A Covid-19 está finalmente fornecendo aos cidadãos do mundo um inimigo compartilhado, um assassino rápido inequívoco, uma ameaça para os habitantes de todas as nações. (Diamond)(1).

Cidades vazias Coliseu2020Assim, o melhor resultado de nossa crise atual seria criar, finalmente, um amplo senso de identidade mundial: fazer com que todos os povos reconhecessem que agora enfrentamos o inimigo comum dos problemas globais que só podem ser resolvidos por um esforço global unido. (Diamond)(1).

O mundo hiberna, sim, mas os contornos do mundo pós-coronavírus começam a se desenhar. Enquanto os profissionais de saúde lutam pela vida dos doentes e os pesquisadores perseguem a vacina contra o relógio, os líderes enfrentam o dilema condenado entre preservar a saúde pública e sobreviver à economia. "Este é o verdadeiro problema", diz Schnapper. “É preciso encontrar um equilíbrio entre os dois imperativos: o saneamento imediato e a necessidade de a sociedade continuar funcionando: continuar alimentando as pessoas e que não há colapso econômico. Não existe uma fórmula simples. A política é conciliar dimensões contraditórias". (Marc Bassets, Jornalista, Correspondente do El País, em Paris.)(9)

Da mesma forma, se o mundo se unir para resolver a atual crise visível do Covid-19 contra fortes probabilidades, nossa pandemia atual poderá representar o começo, não de uma era sombria de perigo mundial crônico, mas de uma era brilhante de cooperação mundial. Os sinais esperançosos já são o rápido desenvolvimento recente da cooperação entre os cientistas que estudam o vírus em todo o mundo e as remessas de suprimentos da China e da Rússia para os EUA para combater a epidemia americana. (Diamond)(1).

É crucial lembrar que raiva, alegria, tédio e amor são fenômenos biológicos, como febre e tosse. A mesma tecnologia que identifica tosse também pode identificar risos. Se as empresas e os governos começarem a coletar nossos dados biométricos em massa, eles podem nos conhecer muito melhor do que nós mesmos, e podem não apenas prever nossos sentimentos, mas também manipular nossos sentimentos e vender-nos o que quiserem - seja um produto ou um político. O monitoramento biométrico faria as táticas de hackers de dados da Cambridge Analytica parecerem algo da Idade da Pedra. Imagine a Coreia do Norte em 2030, quando todo cidadão precisará usar uma pulseira biométrica 24 horas por dia. Se você ouvir um discurso do Grande Líder e a pulseira perceber os sinais reveladores de raiva, você estará pronto. (Harari)(2)

A lição aqui é esta: converse com sua equipe. Eles precisam ouvir de você. Eles precisam que você seja honesto, claro e transparente. Eles merecem nada menos de você - o líder deles. Ninguém quer dar más notícias à sua equipe. Ninguém quer dizer às pessoas que estão enfrentando um problema que talvez não consigam resolver. Como líder, a tendência é tentar pintar a melhor imagem possível. (Jason Aten, colunista de tecnologia do site Inc.Co)(3)

Yuval HarariMesmo quando as infecções por coronavírus estão abaixo de zero, alguns governos com fome de dados podem argumentar que precisavam manter os sistemas de vigilância biométrica no local porque temem uma segunda onda de coronavírus ou porque existe uma nova cepa de Ebola em evolução na África central, ou porque... Você entendeu a ideia. Uma grande batalha tem acontecido nos últimos anos por causa da nossa privacidade. A crise do coronavírus pode ser o ponto de inflexão da batalha. Pois quando as pessoas podem escolher entre privacidade e saúde, geralmente escolhem a saúde. (Harari)(2)

Nenhuma dessas coisas melhorará magicamente tudo, mas o que elas farão é construir confiança. Em um mundo em que parece que as coisas estão desmoronando, a confiança é de longe a moeda mais valiosa e é a que menos custa. (Aten, Jason) (3).

Pedir às pessoas que escolham entre privacidade e saúde é, de fato, a própria raiz do problema. Porque esta é uma escolha falsa. Podemos e devemos desfrutar de privacidade e saúde. Podemos optar por proteger nossa saúde e impedir a epidemia de coronavírus, não instituindo regimes totalitários de vigilância, mas capacitando os cidadãos. Uma população motivada e bem informada é geralmente muito mais poderosa e eficaz do que uma população ignorada e policiada. (Harari)(2)

Durante momentos extraordinários como a pandemia do COVID-19, os líderes precisam de habilidades efetivas de comunicação como essas para instilar confiança, confiança e esperança em seus trabalhadores - ingredientes essenciais para vencer a guerra. (Aten, Jason)(3).

Mas, para atingir esse nível de conformidade e cooperação, você precisa de confiança. As pessoas precisam confiar na ciência, nas autoridades públicas e na mídia. Nos últimos anos, políticos irresponsáveis minaram deliberadamente a confiança na ciência, nas autoridades públicas e na mídia. Agora, esses mesmos políticos irresponsáveis podem ficar tentados a seguir o caminho do autoritarismo, argumentando que você simplesmente não pode confiar no público para fazer a coisa certa. (Harari)(2)

Em vez de construir um regime de vigilância, não é tarde para recuperar a confiança das pessoas na ciência, nas autoridades públicas e na mídia. Definitivamente, também devemos usar novas tecnologias, mas essas tecnologias devem capacitar os cidadãos. (Harari)(2)

Para se comunicar de maneira autêntica, os CEOs devem permanecer fiéis aos seus valores e crenças e cumprir suas promessas. Eles também precisam ter consciência do que são capazes e genuínos na comunicação com os funcionários - mesmo quando não sabem o que está acontecendo. (Rita Men)(5)

E se eu pudesse acessar e analisar estatísticas confiáveis sobre a disseminação do coronavírus, seria capaz de julgar se o governo está me dizendo a verdade e se está adotando as políticas corretas para combater a epidemia. (Harari)(2)

A epidemia de coronavírus é, portanto, um grande teste de cidadania. Nos próximos dias, cada um de nós deve optar por confiar em dados científicos e especialistas em saúde em detrimento de teorias infundadas da conspiração e de políticos que servem a si mesmos. Se não fizermos a escolha certa, poderemos encontrar nossas mais preciosas liberdades, pensando que essa é a única maneira de proteger nossa saúde. (Harari) (2)

"Estamos vivendo um momento histórico de desaceleração, como se freios gigantes parassem as rodas da sociedade", explica, do seu confinamento na Floresta Negra, o filósofo alemão Hartmut Rosa, que dedicou boa parte de seu trabalho a estudar o que ele chama a desenfreada "aceleração" das sociedades capitalistas. "Nos últimos duzentos anos ou mais, o mundo estava indo cada vez mais rápido", argumenta. “Se você observar o número de carros, trens, navios, aviões, tráfego e movimento, aumenta continuamente. É verdade que havia bolsões de desaceleração, por exemplo, após os ataques de 11 de setembro de 2001: o tráfego aéreo foi menor por algumas semanas. Mas tudo isso foi interrompido. Vivemos um momento único de calma". (Bassets, Marc)(8)

A segunda escolha importante que enfrentamos é entre isolamento nacionalista e solidariedade global. Tanto a epidemia em si quanto a crise econômica resultante são problemas globais. Eles podem ser resolvidos efetivamente apenas pela cooperação global. Em primeiro lugar, para derrotar o vírus, precisamos compartilhar informações globalmente. Mas, para que isso aconteça, precisamos de um espírito de cooperação e confiança global. (Harari)(2)

São tempos muito perigosos para a democracia. Os candidatos que foram eleitos a partir disso estão agora governando no meio de uma crise para a qual estão mal preparados. E, portanto, acho que, devido ao aprofundamento da desigualdade, agora agravada por essa enorme crise de saúde pública, as tensões no sistema e os danos da desigualdade estão sendo escancarados e seu efeito é aumentado. (Michael Sandel, filósofo e escritor).(8)

Assim como os países nacionalizam as principais indústrias durante uma guerra, a guerra humana contra o coronavírus pode exigir que "humanizemos" as linhas de produção cruciais. Um país rico com poucos casos de coronavírus deve estar disposto a enviar equipamentos preciosos para um país mais pobre com muitos casos, confiando que, se e quando posteriormente precisar de ajuda, outros países o ajudarão. (Harari)(2)

Coronavirus enterro cemiterio Nueva Esperanza Lima PeruTambém é de vital importância a cooperação global na frente econômica. Dada a natureza global da economia e das cadeias de suprimentos, se cada governo fizer suas próprias coisas em total desconsideração dos demais, o resultado será um caos e uma crise cada vez mais profunda. Precisamos de um plano de ação global e precisamos dele rapidamente. (Harari)(2)

Nas crises globais anteriores - como a crise financeira de 2008 e a epidemia de Ebola de 2014 - os EUA assumiram o papel de líder global. Mas o atual governo dos EUA abdicou do cargo de líder. Deixou bem claro que se preocupa muito mais com a grandeza da América do que com o futuro da humanidade. (Harari)(2)

Uma crise é quando é mais importante que os líderes mantenham um aspecto vital de seu papel: fazer uma diferença positiva na vida das pessoas. Isso exige que os líderes reconheçam os desafios pessoais e profissionais que os funcionários e seus entes queridos enfrentam durante uma crise. (Gemma D’Auria e Aaron De Smet)(6)

Se o vazio deixado pelos EUA não for preenchido por outros países, não só será muito mais difícil interromper a epidemia atual, mas seu legado continuará envenenando as relações internacionais nos próximos anos. No entanto, toda crise também é uma oportunidade. Devemos esperar que a epidemia atual ajude a humanidade a perceber o grave perigo que representa a desunião global. (Harari)(2)

A prioridade imediata para qualquer empresa é garantir a segurança dos funcionários e clientes. Isso significa estabelecer regras claras sobre distanciamento social e obter equipamento de proteção individual - uma tarefa não fácil. (...) A outra prioridade é a continuidade operacional. Uma busca por eficiência nas últimas décadas levou as empresas a confiar em cadeias de suprimentos restritas e vulneráveis a interrupções. Encontrar muitos fornecedores alternativos está se mostrando impossível para muitos; a pandemia afetou a todos, em todos os lugares. Mas as empresas podem criar equipes de backup internamente, para garantir que as funções corporativas críticas continuem. (The Economist)(7).

A humanidade precisa fazer uma escolha. Iremos percorrer o caminho da desunião ou adotaremos o caminho da solidariedade global? Se escolhermos a desunião, isso não apenas prolongará a crise, mas provavelmente resultará em catástrofes ainda piores no futuro. Se escolhermos a solidariedade global, será uma vitória não apenas contra o coronavírus, mas contra todas as futuras epidemias e crises que possam assaltar a humanidade no século XXI. (Harari)(2).

Fotos: World (Edwin Hooper, Unsplah); Jared Diamond (Época/O Globo); Yuval Noah Harari (publishnews.com.br); Enterro vítima Coronavírus no cemitério Nueva Esperanza - Lima, Peru. (Rodrigo Abd/AP).

Fontes:

(1) In: Jared Diamond: lessons from a pandemic

(5) In: Leading in wartime: 5 ways CEOs should communicate with their workers during coronavirus

(2) In Yuval Noah Harari: The world after coronavirus

(3) In: Marriott's CEO Shared a Video With His Team and It's a Powerful Lesson in Leading During a Crisis

(4 )In: Coronavirus is the greatest global science policy failure in a generation.

(6) In: Leading in a crisis: Responding o the coronavirus outbreak and future challenges.

(7) In The Economist: Bartleby Lessons from the front line.

(8) In: Precisamos repensar nossa sociedade para reconstruir um senso de responsabilidade

(9) In: Marc Bassets, El mundo en hibernación busca sallidas - El País.

 

 

 

 

Redes Sociais

 redetwiter redeface redeflick  redelinkedin

bannerbotton livro