Cancelamento indústria doEm agosto de 2021, a revista americana The Atlantic publicou artigo denso da escritora e jornalista Anne Applebaum, sobre a cultura do cancelamento, um fenômeno que talvez seja um subproduto da Internet e das redes sociais, misturado com correntes de pensamento duma era de polarização de opiniões e da falta de perspectiva política em muitas democracias. De um lado, as pessoas perderam o escrúpulo de julgar os outros, não importa o ângulo que possa ser analisado e, de outro, os "novos tempos" não admitem mais certas ideias e costumes que há poucos anos passavam batidos, admitidos como naturais.

Postagem do jogador de vôlei Maurício de Souza, em 12 de outubro, com teor homofóbico resultou na rescisão do contrato do atleta com o Minas Tênis Clube e na perda de espaço na seleção brasileira. As duas semanas de repercussão envolveram usuários de redes sociais, depois a torcida do time, a diretoria do clube, colegas de profissão, e, por fim, os patrocinadores da equipe. Logo a seguir, o Ministério Público e outras entidades entraram na polêmica. 

Mesmo depois de sofrer as consequências, o jogador repetiu questionamentos para sustentar sua posição. Tomando proporções jurídicas, 20 parlamentares representantes das causas LGBT+ de 13 Estados e sete partidos políticos distintos protocolaram representação no MP de Minas Gerais contra o jogador. A polêmica pautou as discussões sobre a atitude do Clube, desde a direito que ele teria de dar opinião, até aqueles que são taxativos na condenação, porque os tempos que vivemos já não admitem posturas dessa natureza.

Maurício criticou a bissexualidade do novo Super-Homem, personagem da DC Comics que aparece em anúncio da editora das histórias em quadrinho beijando outro personagem masculino. O perfil do jogador também traz outras publicações questionando movimentos sociais como o feminismo e conquistas de direitos relacionadas à comunidade LGBTQIA+.

A autora da epopeia Harry Potter, J.K. Rowling, por exemplo, enfrentou críticas intensas dos próprios fãs, desde que começou a expressar crenças transfóbicas, tornando-a uma das pessoas mais proeminentemente “canceladas” no centro do debate da cultura do cancelamento. Mesmo assim, após a publicação de Rowling, em junho de 2020, de um manifesto transfóbico, as vendas dos livros da autora aumentaram tremendamente em seu país natal, a Grã-Bretanha.

Nem as crianças escapam desse patrulhamento. O torcedor do Santos, Bruninho, de 9 anos, foi constrangido pela torcida do próprio time, no jogo contra o Palmeiras, por ele ter pedido e aceitado a camisa do goleiro palmeirense Jailson. A hostilidade injustificável levou o garoto às redes sociais para pedir "desculpas" se havia ofendido alguém. Como o fato repercutiu negativamente nas redes sociais, para o Santos, Bruninho recebeu o apoio do clube e de vários ídolos do futebol brasileiro, convidado até mesmo para assistir ao jogo da seleção brasileira.

“Cancelar alguém significa boicotar essa pessoa, normalmente um artista ou celebridade, por algo que tenha dito ou feito e que seja considerado moralmente errado ou politicamente incorreto, de acordo com os padrões do grupo no qual você está inserido. Por um lado, o cancelamento surge como forma de repudiar atitudes racistas, machistas, homofóbicas e outros costumes tóxicos que nossa sociedade carrega há anos. A desconstrução dessas tradições preconceituosas tem levado as pessoas a se questionar e condenar falas ou ações intolerantes.” (Citado no site Politize, uma organização social).

O artigo da escritora americana é uma longa análise, cheia de exemplos, uns mais graves do que outros, de pessoas que simplesmente tiveram a vida pessoal ou profissional totalmente arrasada por terem sido “canceladas” por grupos fanáticos ou desafetos ideológicos, geralmente. A autora procura dar ênfase do lado dos “cancelados” e o que atitudes como essas podem causar na vida das pessoas. Não importa o tamanho ou a natureza do grupo e do tema que envolve o cancelamento. 

Vale a pena uma leitura atenta do artigo da autora do livro “O crepúsculo da democracia”, premiada com o Prêmio Pulitzer e com passagens pela revista The Economist e pelo Washington Post. No artigo intitulado “Os Novos Puritanos”, a autora diz: Os códigos sociais estão mudando de várias maneiras para melhor. Mas para aqueles cujo comportamento não se adapta rápido o suficiente às novas normas, o julgamento pode ser rápido - e impiedoso.”

OS NOVOS PURITANOS

Anne Applebaum*

Cancelamento 2 industria “Não era grande a distância, naquela época, da porta da prisão até o mercado. Medido pela experiência do prisioneiro, no entanto, pode ser considerada uma jornada de alguma duração. "

Assim começa o conto de Hester Prynne, conforme recontado no romance mais famoso de Nathaniel Hawthorne, The Scarlet Letter. Como os leitores deste texto americano clássico sabem, a história começa depois que Hester dá à luz um filho fora do casamento e se recusa a dizer o nome do pai. Como resultado, ela é sentenciada a ser ridicularizada por uma multidão zombeteira, sofrendo "uma agonia a cada passo daqueles que se aglomeraram para vê-la, como se seu coração tivesse sido atirado na rua para que todos rejeitassem e pisoteassem". Depois disso, ela deve usar um "A" escarlate - de adúltero - preso ao vestido pelo resto da vida. Nos arredores de Boston, ela vive no exílio. Ninguém vai se socializar com ela - nem mesmo aqueles que cometem pecados semelhantes em silêncio, entre eles o pai de seu filho, o santo pregador da aldeia. A letra escarlate tem “o efeito de um feitiço, tirando-a das relações comuns com a humanidade e encerrando-a em uma esfera sozinha”.

Lemos essa história com uma certa auto-satisfação: Um conto tão antiquado! Até mesmo Hawthorne zombou dos puritanos, com suas “vestimentas de cores tristes e chapéus de coroas de campanário cinza”, seu estrito conformismo, suas mentes estreitas e sua hipocrisia. E hoje não somos apenas descolados e modernos; vivemos em uma terra governada pelo Estado de Direito; temos procedimentos concebidos para prevenir a aplicação de punições injustas. As letras escarlates são coisa do passado.

Exceto, é claro, eles não são. Bem aqui na América, agora mesmo, é possível encontrar pessoas que perderam tudo - empregos, dinheiro, amigos, colegas - depois de não violar nenhuma lei e, às vezes, nenhuma regra no local de trabalho. Em vez disso, eles quebraram (ou são acusados ​​de ter violado) códigos sociais relacionados a raça, sexo, comportamento pessoal ou mesmo humor aceitável, que podem não ter existido cinco anos ou talvez cinco meses atrás. Alguns cometeram erros de julgamento flagrantes. Alguns não fizeram absolutamente nada. Nem sempre é fácil saber.

No entanto, apesar da natureza controversa desses casos, tornou-se fácil e útil para algumas pessoas colocá-los em narrativas mais amplas. Os partidários, especialmente da direita, agora lançam a frase cancele a cultura quando querem se defender das críticas, por mais legítimas que sejam. Mas mergulhe na história de qualquer pessoa que tenha sido uma vítima genuína da justiça da máfia moderna e você muitas vezes não encontrará um argumento óbvio entre as perspectivas de "despertar" e "anti-despertar", mas sim incidentes que são interpretados, descritos ou lembrados por diferentes pessoas de maneiras diferentes, mesmo deixando de lado qualquer questão política ou intelectual que possa estar em jogo.

Há também uma razão para Hawthorne ter dedicado um romance inteiro às motivações complexas de Hester Prynne, seu amante e seu marido. Nuance e ambiguidade são essenciais para a boa ficção. Eles também são essenciais para o estado de direito: temos tribunais, júris, juízes e testemunhas precisamente para que o estado possa saber se um crime foi cometido antes de aplicar a punição. Temos a presunção de inocência do acusado. Temos direito à legítima defesa. Temos um estatuto de limitações.

Em contraste, a esfera pública online moderna, um lugar de conclusões rápidas, prismas ideológicos rígidos e argumentos de 280 caracteres, não favorece nuances nem ambigüidades. No entanto, os valores dessa esfera online passaram a dominar muitas instituições culturais americanas: universidades, jornais, fundações, museus. Atendendo às demandas do público por uma rápida retribuição, eles às vezes impõem o equivalente a letras escarlates vitalícias sobre pessoas que não foram acusadas de nada remotamente parecido com um crime. Em vez de tribunais, eles usam burocracias secretas. Em vez de ouvir evidências e testemunhas, eles fazem julgamentos a portas fechadas. 

Há muito tempo tento entender essas histórias, tanto porque acredito que o princípio do devido processo fundamenta a democracia liberal, quanto porque me lembram outros tempos e lugares. Há uma década, escrevi um livro sobre a sovietização da Europa Central na década de 1940 e descobri que muito do conformismo político do início do período comunista não era resultado de violência ou coerção direta do Estado, mas sim de intensa pressão dos pares. Mesmo sem um risco claro para suas vidas, as pessoas se sentiram obrigadas - não apenas por causa de sua carreira, mas por seus filhos, seus amigos, seu cônjuge - a repetir slogans em que não acreditavam, ou realizar atos de reverência pública a um partido político que desprezavam em privado. Em 1948, o famoso compositor polonês Andrzej Panufnik enviou o que ele mais tarde descreveu como um "lixo" como sua entrada em um concurso para escrever uma "Canção do Partido Unido" - porque ele pensou que se recusasse a enviar qualquer coisa, toda a União dos Compositores poloneses podem perder financiamento. Para sua eterna humilhação, ele venceu. Lily Hajdú-Gimes, uma célebre psicanalista húngara da época, diagnosticou o trauma da conformidade forçada em pacientes, bem como em si mesma. “Eu jogo o jogo que é oferecido pelo regime”, ela disse aos amigos, “embora assim que você aceitar essa regra você estará em uma armadilha”.

Bruninho hostilizado por torcida nov 2021Mas você nem mesmo precisa do stalinismo para criar esse tipo de atmosfera. Durante uma viagem à Turquia no início deste ano, conheci um escritor que me mostrou seu último manuscrito, guardado em uma gaveta da escrivaninha. Seu trabalho não era ilegal, exatamente - era apenas impublicável. Jornais, revistas e editoras turcos estão sujeitos a processos imprevisíveis e sentenças drásticas para discursos ou escritos que podem ser arbitrariamente interpretados como um insulto ao presidente ou à nação turca. O medo dessas sanções leva à autocensura e ao silêncio. 

Na América, é claro, não temos esse tipo de coerção estatal. Atualmente não há leis que definam o que acadêmicos ou jornalistas podem dizer; não há censor do governo, nem censor do partido no poder. Mas o medo da multidão da Internet, da multidão do escritório ou da multidão do grupo de pares está produzindo alguns resultados semelhantes. Quantos manuscritos americanos agora permanecem nas gavetas da mesa - ou totalmente não escritos - porque seus autores temem um julgamento arbitrário semelhante? Quanta vida intelectual é agora sufocada por medo de como um comentário mal formulado seria publicado, se retirado do contexto e espalhado no Twitter?

Para responder a essa pergunta, falei com mais de uma dúzia de pessoas que foram vítimas ou observadores atentos de mudanças repentinas nos códigos sociais na América. O objetivo aqui não é reinvestigar ou relitigar nenhum de seus casos. Alguns dos que entrevistei se comportaram de maneiras que eu, ou os leitores deste artigo, podemos considerar mal julgados ou imorais, mesmo que não sejam ilegais. Não estou aqui questionando todos os novos códigos sociais que levaram à sua demissão ou isolamento efetivo. Muitas dessas mudanças sociais são claramente positivas.

Quanta vida intelectual é agora sufocada por medo de como um comentário mal formulado pareceria se retirado do contexto e espalhado no Twitter?

Ainda assim, ninguém citado aqui, anonimamente ou pelo nome, foi acusado de um crime real, muito menos condenado em um tribunal real. Todos eles contestam a versão pública de sua história. Vários dizem que foram acusados ​​falsamente; outros acreditam que seus “pecados” foram exagerados ou mal interpretados por pessoas com planos ocultos. Todos eles, pecadores ou santos, receberam punições drásticas, que alteram suas vidas, por tempo indeterminado, muitas vezes sem a capacidade de argumentar em seu próprio favor. Isso - a condenação e a sentença sem o devido processo legal ou misericórdia - deveria incomodar profundamente os americanos. Em 1789, James Madison propôs que a Constituição dos Estados Unidos garantisse que "nenhuma pessoa será ... privada da vida, liberdade ou propriedade sem o devido processo legal". Tanto a Quinta como a Décima Quarta Emendas à Constituição invocam o devido processo. No entanto, esses americanos foram efetivamente privados dela.

Muitas das pessoas descritas aqui permanecem inevitavelmente anônimas neste ensaio. Isso ocorre porque eles estão envolvidos em complicadas batalhas legais ou de posse e não querem falar abertamente ou porque temem outra onda de ataques nas redes sociais. Tentei descrever sua situação atual - explicar o preço que pagaram, que tipo de punição receberam - sem identificar aqueles que não quiseram ser identificados e sem nomear suas instituições. Necessariamente, muitos detalhes importantes são excluídos. Mas, para alguns, esta é agora a única maneira de se atreverem a falar abertamente.

Aqui está a primeira coisa que acontece quando você é acusado de violar um código social, quando você se encontra no centro de uma tempestade de mídia social por causa de algo que você disse ou supostamente disse. O telefone para de tocar. As pessoas param de falar com você. Você se torna tóxico. “Tenho dezenas de colegas em meu departamento - acho que não falei com nenhum deles no ano passado”, disse-me um acadêmico. “Um de meus colegas com quem almocei pelo menos uma vez por semana por mais de uma década - ele simplesmente se recusou a falar mais comigo, sem fazer perguntas.” Outro avaliou que, dos 20 membros de seu departamento, “há dois, um dos quais não tem poder e outro está prestes a se aposentar, que agora vai falar comigo”.

A cultura do cancelamento é uma forma moderna de ostracismo em que uma pessoa ou um grupo é expulsa de uma posição de influência ou fama devido a atitudes consideradas questionáveis — seja online, no mundo real ou em ambos. ... Existem vários graus de cancelamento. Bill Cosby, R.

Um jornalista me contou que, depois que foi sumariamente demitido, seus conhecidos se dividiram em três grupos. Primeiro, os "heróis", em número muito pequeno, que "insistem no devido processo antes de prejudicar a vida de outra pessoa e que ficam com seus amigos". Em segundo lugar, os "vilões", que acham que você deve "perder imediatamente seu ganha-pão assim que a alegação for feita". Alguns velhos amigos, ou pessoas que ele pensava serem velhos amigos, até se juntaram ao ataque público. Mas, a maioria estava em uma terceira categoria: “bom, mas inútil. Eles não pensam necessariamente o pior de você e gostariam que você obtivesse o devido processo, mas, você sabe, eles não investigaram isso. Eles têm motivos para pensar com caridade de você, talvez, mas estão ocupados demais para ajudar. Ou eles têm muito a perder.” Uma amiga disse a ele que ela ficaria feliz em escrever uma defesa dele, mas ela tinha uma proposta de livro em andamento. “Eu disse:‘ Obrigado por sua franqueza ’”.

A maioria das pessoas se afasta porque a vida continua; outros o fazem porque temem que essas alegações não comprovadas possam implicar em algo muito pior. Um professor que não foi acusado de nenhum contato físico com ninguém ficou surpreso ao descobrir que alguns de seus colegas presumiram que, se sua universidade o estava disciplinando, ele devia ser um estuprador. Outra pessoa suspensa de seu trabalho colocou da seguinte maneira: "Alguém que me conhece, mas talvez não conheça minha alma ou caráter, pode estar dizendo a si mesmo que a prudência ditaria que mantivessem distância, para que não se tornassem danos colaterais."

Aqui está a segunda coisa que acontece, intimamente relacionada à primeira: mesmo que você não tenha sido suspenso, punido ou considerado culpado de qualquer coisa, você não pode exercer sua profissão. Se você é um professor, ninguém o quer como professor ou mentor (“Os alunos de pós-graduação deixaram claro para mim que eu era uma "não-pessoa" e não poderia ser tolerado”). Você não pode publicar em periódicos profissionais. Você não pode largar seu emprego, porque ninguém mais vai contratá-lo. Se você for jornalista, talvez descubra que não consegue publicar de jeito nenhum. Depois de perder seu emprego como editor da The New York Review of Books em uma disputa editorial relacionada ao movimento #MeToo - ele não foi acusado de agressão, apenas de imprimir um artigo de alguém que foi - Ian Buruma descobriu que várias das revistas onde ele havia escrito há três décadas, não o publicaria mais. Um editor disse algo sobre “funcionários mais jovens” em sua revista. Embora um grupo de mais de 100 colaboradores da New York Review of Books - entre eles Joyce Carol Oates, Ian McEwan, Ariel Dorfman, Caryl Phillips, Alfred Brendel (e eu) - tenham assinado uma carta pública em defesa de Buruma, este editor evidentemente temia seus colegas mais do que Joyce Carol Oates.

Para muitos, a vida intelectual e profissional está paralisada. “Eu estava fazendo o melhor trabalho da minha vida quando soube que essa investigação estava acontecendo”, disse-me um acadêmico. “Tudo parou. Não escrevi outro artigo desde então.” Peter Ludlow, um professor de filosofia da Northwestern (e tema do livro de Laura Kipnis), perdeu dois contratos de livros depois que a universidade o forçou a deixar seu emprego por dois supostos casos de assédio sexual, que ele nega. Outros filósofos não permitiriam que seus artigos aparecessem no mesmo volume que um de seus. Depois de Daniel Elder, um compositor premiado (e um liberal político) postar uma declaração no Instagram condenando incêndio criminoso em sua cidade natal, Nashville, onde manifestantes do Black Lives Matter incendiaram o tribunal, após o assassinato de George Floyd, ele descobriu que seu editor não iria imprimir sua música e os corais não a cantariam. Depois que o poeta Joseph Massey foi acusado de "assédio e manipulação", por mulheres com quem ele tinha se envolvido romanticamente, a Academia de Poetas Americanas removeu toda a sua poesia do site e os editores retiraram seus livros dos deles. Stephen Elliott, um jornalista e crítico, acusado de estupro na lista anônima “Homens da Mídia de Merda”, que circulou na internet no auge da conversa #MeToo - ele agora está processando o criador da lista por difamação - escreveu que, na sequência, uma coleção publicada de seus ensaios desapareceu sem deixar vestígios: as críticas foram canceladas; a revista The Paris Review abortou uma entrevista planejada com ele; ele foi retirado de painéis de livros, leituras e outros eventos.

Cancelar uma pessoa virou uma prática usada por muitos nas redes sociais nos últimos anos, e "cultura do cancelamento" foi eleito como o termo do ano em 2019 pelo Dicionário Macquarie, que todos os anos seleciona as palavras e expressões que mais caracterizam o comportamento de um ser humano. (Canaltech.com.br)

Cancelamento culturafotoPara algumas pessoas, isso pode resultar em uma perda catastrófica de renda. Ludlow mudou-se para o México, porque poderia viver mais barato lá. Para outros, pode criar uma espécie de crise de identidade. Depois de descrever os vários empregos que ocupou nos meses, desde que fora suspenso de seu emprego de professor, um dos acadêmicos que entrevistei pareceu engasgar. “Na verdade, só sou bom em uma coisa”, ele me disse, apontando para fórmulas matemáticas em um quadro-negro atrás dele: “isso”.

Às vezes, os defensores da nova justiça popular afirmam que essas são punições menores, que a perda de um emprego não é grave, que as pessoas devem ser capazes de aceitar sua situação e seguir em frente. Mas o isolamento, mais a vergonha pública, mais a perda de renda são sanções severas para os adultos, com repercussões pessoais e psicológicas de longo prazo - especialmente porque as “sentenças” nesses casos são de duração indeterminada. Elliott contemplou o suicídio e escreveu que "cada relato de primeira mão que li sobre a vergonha pública - e li mais do que minha parte - inclui pensamentos suicidas". Massey também: “Eu tinha um plano e os meios para executá-lo; então, tive um ataque de pânico e peguei um táxi para o pronto-socorro.” David Bucci, o ex-chefe do departamento de ciências do cérebro de Dartmouth, que foi citado em um processo contra a faculdade, embora não tenha sido acusado de qualquer conduta sexual imprópria, se matou depois de perceber que nunca seria capaz de restaurar sua reputação.

Outros mudaram suas atitudes em relação à profissão. “Eu acordo todas as manhãs com medo de dar aula”, um acadêmico me disse: O campus da universidade que ele amava se tornou uma selva perigosa, cheia de armadilhas. Nicholas Christakis, o professor de medicina e sociologia de Yale que esteve no centro de um campus e uma tempestade na mídia social em 2015, também é um especialista no funcionamento de grupos sociais humanos. Ele me lembrou que o ostracismo “era considerado uma enorme sanção nos tempos antigos - ser expulso do seu grupo era mortal”. Não é surpreendente, disse ele, que pessoas nessas situações considerem o suicídio. 

A terceira coisa que acontece é que você tenta se desculpar, tenha feito algo errado ou não. Robert George, um filósofo de Princeton que atuou como advogado de alunos e professores, que enfrentaram dificuldades legais ou administrativas, descreve o fenômeno da seguinte forma: “Eles foram populares e tiveram sucesso durante toda a vida; é assim que eles subiram a escada para suas posições acadêmicas, pelo menos em lugares como o que eu ensino. E de repente há essa sensação terrível de que todo mundo me odeia ... Então, o que eles fazem? Na maioria das vezes, eles simplesmente cedem.” Uma das pessoas com quem falei foi convidada a se desculpar por uma ofensa que não violou as regras existentes. “Eu disse: 'Por que estou me desculpando?' E eles disseram: 'Bem, os sentimentos deles foram feridos'. Então, elaborei minhas desculpas em torno disso: 'Se eu dissesse algo que o aborrecesse, não imaginei que isso iria acontecer.'” O pedido de desculpas foi inicialmente aceito, mas seus problemas não acabaram.

Isso é típico: na maioria das vezes, as desculpas serão analisadas, examinadas quanto à "sinceridade" - e então rejeitadas. Howard Bauchner, o editor do Journal of the American Medical Association, se desculpou por algo com o que não tinha nada a ver diretamente, depois que um de seus colegas fez comentários polêmicos em um podcast e no Twitter sobre se as comunidades negras eram mais reprimidas por “racismo estrutural” ou por fatores socioeconômicos. “Continuo profundamente desapontado comigo mesmo pelos lapsos que levaram à publicação do tweet e do podcast”, escreveu Bauchner. “Embora eu não tenha escrito ou mesmo visto o tweet, ou criado o podcast, como editor-chefe, sou o responsável final por eles.” Ele acabou renunciando. Mas isso também agora é típico: como as desculpas se tornaram ritualizadas, elas invariavelmente parecem falsas. Os sites agora oferecem “modelos de amostra” para pessoas que precisam se desculpar; algumas universidades oferecem conselhos sobre como pedir desculpas a alunos e funcionários, e até incluem listas de boas palavras para usar (engano, mal-entendido, mal-interpretado).

Não que todo mundo realmente queira um pedido de desculpas. Um ex-jornalista me disse que seus ex-colegas “não querem endossar o processo de erro / desculpas / compreensão / perdão - eles não querem perdoar”. Em vez disso, disse ele, eles querem "punir e purificar". Mas saber que tudo o que você disser nunca será o suficiente é debilitante. “Se você fizer um pedido de desculpas e souber de antemão que seu pedido de desculpas não será aceito, que será considerado um movimento em um jogo psicológico, cultural ou político, então a integridade de sua introspecção está sendo ridicularizada e você se sente permanentemente abandonado em um mundo de implacabilidade ”, uma pessoa me disse. “E esse é um mundo verdadeiramente antiético.” Os editores de música de Elder pediram que ele fizesse um humilde pedido de desculpas - eles chegaram ao ponto de escrever para ele - mas ele recusou.

Uma pessoa ser cancelada significa que ela fez ou disse algo errado, que não é tolerado no mundo de hoje, em que muitas pessoas passaram por essa desconstrução social. Algumas pessoas, no entanto, possuem vivências diferentes e não conseguiam enxergar seus erros antes de terem sido rechaçadas na internet, sendo então essa punição uma maneira de educar. Esta forma de cancelamento pode gerar debates sobre racismo, preconceitos com determinadas classes sociais, xenofobia, homofobia, entre outras intolerâncias. Mas o ato de cancelar também pode acontecer com coisas banais, como falar mal de uma cantora pop muito famosa ou dizer que não gosta de algo muito popular. (Canaltech.com.br)

Mesmo depois que o pedido de desculpas é feito, uma quarta coisa acontece: as pessoas começam a investigar você. Uma pessoa com quem conversei me disse que acreditava ter sido investigado porque seu empregador não queria oferecer indenização por demissão e precisava de motivos extras para justificar sua demissão. Outro achava que uma investigação foi iniciada porque despedi-lo por uma discussão sobre linguagem violaria o contrato sindical. Carreiras longas quase sempre incluem episódios de desacordo ou ambigüidade. Aquela vez em que ele abraçou uma colega para consolá-la, foi realmente outra coisa? A piada dela era realmente uma piada ou algo pior? Ninguém é perfeito; ninguém é puro; e uma vez que as pessoas decidem interpretar incidentes ambíguos de uma maneira particular, não é difícil encontrar novas evidências.

Às vezes, as investigações acontecem porque alguém na comunidade sente que você não pagou um preço alto o suficiente por tudo o que você fez ou disse. No ano passado, Joshua Katz, um popular professor de clássicos de Princeton, escreveu um artigo criticando uma carta publicada por um grupo de professores de Princeton sobre raça. Em resposta, The Daily Princetonian, um jornal estudantil, passou sete meses investigando seus relacionamentos anteriores com estudantes, eventualmente convencendo funcionários da universidade a relitigar incidentes de anos anteriores que já haviam sido julgados - uma violação clássica da crença de James Madison de que ninguém deveria ser punido por a mesma coisa duas vezes. A investigação do Daily Princetonian parece mais uma tentativa de condenar um professor culpado de pensamento errado do que uma tentativa de resolver um caso de suposto mau comportamento.

Mike Pesca, um podcaster da revista Slate, entrou em um debate com seus colegas no quadro de mensagens interno do Slack de sua empresa sobre se é aceitável pronunciar uma injúria racial em voz alta ao fazer uma reportagem sobre o uso de uma injúria racial - uma ação que, diz ele , não era contra as regras da empresa na época. Após uma reunião da redação realizada pouco depois para discutir o incidente - para o qual o próprio Pesca não foi convidado - a empresa lançou uma investigação para descobrir se havia outras coisas que ele poderia ter feito de errado. (De acordo com uma declaração de um porta-voz da Slate, a investigação foi motivada por mais do que apenas “um argumento abstrato isolado em um canal do Slack”). Amy Chua, professora de Direito de Yale e autora de Battle Hymn of the Tiger Mother, me disse que acredita que as investigações sobre seu relacionamento com os alunos foram desencadeadas por suas conexões pessoais com o juiz da Suprema Corte, Brett Kavanaugh.

Muitas dessas investigações envolvem relatos anônimos ou queixas, algumas das quais podem ser uma surpresa total para aqueles que estão sendo denunciados. Por definição, mobs de mídia social envolvem contas anônimas que amplificam histórias não verificadas com "curtidas" e compartilhamentos. A lista de “Homens da Mídia de Merda” era uma coleção anônima de acusações não verificadas que se tornaram públicas. Os procedimentos em muitas universidades exigem anonimato nos estágios iniciais de uma investigação. Às vezes, mesmo o acusado não recebe nenhum dos detalhes. O marido de Chua, o professor de Direito de Yale Jed Rubenfeld, que foi suspenso do ensino devido a acusações de assédio sexual (o que ele nega), diz que não sabia os nomes de seus acusadores ou a natureza das acusações contra ele por um ano e meio.

Kipnis, que foi acusada de má conduta sexual porque escreveu sobre assédio sexual, também não teve permissão para saber quem eram seus acusadores, nem ninguém explicou as regras que governam seu caso. Nem, por falar nisso, as regras eram claras para as pessoas que as aplicavam, porque, como ela escreveu em Unwanted Advances, "não há um conjunto de procedimentos estabelecido ou nacionalmente uniforme." Além de tudo isso, Kipnis deveria manter a coisa toda confidencial: "Eu fui mergulhada em um mundo subterrâneo de tribunais secretos e caprichosas regras medievais, e não deveria contar a ninguém sobre isso", ela escreveu. Isso está de acordo com a história de outro acadêmico, que me disse que sua universidade “nunca falou comigo antes de decidir realmente me punir. Eles leram os relatórios dos investigadores, mas nunca me trouxeram para dentro de uma sala, nunca me ligaram para que eu pudesse dizer qualquer coisa sobre o meu lado da história. E eles me disseram abertamente que eu estava sendo punido com base em alegações. Só porque eles não encontraram evidências disso, eles me disseram, não significa que não tenha acontecido.”

Procedimentos secretos que ocorrem fora da lei e deixam os acusados ​​se sentindo desamparados e isolados têm sido um elemento de controle em regimes autoritários ao longo dos séculos, da junta argentina à Espanha de Franco. Stalin criou “troikas” - ad hoc, órgãos extrajudiciais que ouviam dezenas de casos em um dia. Durante a Revolução Cultural da China, Mao capacitou estudantes a criar comitês revolucionários para atacar e remover professores rapidamente. Em ambos os casos, as pessoas usaram essas formas não regulamentadas de “justiça” para buscar ressentimentos pessoais ou obter vantagens profissionais. Em The Whisperers, seu livro sobre a cultura stalinista, o historiador Orlando Figes cita muitos desses casos, entre eles Nikolai Sakharov, que acabou na prisão porque alguém gostava de sua esposa; Ivan Malygin, que foi denunciado por alguém com ciúme de seu sucesso; e Lipa Kaplan, enviada para um campo de trabalho forçado por 10 anos depois que ela recusou as investidas sexuais de seu chefe. O sociólogo Andrew Walder revelou como a Revolução Cultural em Pequim foi moldada por competições de poder entre líderes estudantis rivais.

Esse padrão agora está se repetindo nos EUA. Muitos daqueles com quem falei contaram histórias complicadas sobre as maneiras como procedimentos anônimos foram usados ​​por pessoas que não gostavam deles, se sentiam competitivos com eles ou guardavam algum tipo de rancor pessoal ou profissional. Um descreveu uma rivalidade intelectual com um administrador de universidade, desde a pós-graduação - o mesmo administrador que desempenhou um papel na suspensão dele. Outro atribuiu uma série de problemas a um ex-aluno, agora colega, que há muito o via como rival. Um terceiro pensou que um de seus colegas se ressentia de ter que trabalhar com ele e teria preferido um emprego diferente. Um quarto avaliou que havia subestimado as frustrações profissionais dos colegas mais jovens, que se sentiam sufocados pelas hierarquias de sua organização. Todos eles acreditam que rancores pessoais ajudam a explicar por que foram escolhidos.

As motivações podem ser ainda mais mesquinhas do que isso. A escritora Chimamanda Ngozi Adichie descreveu recentemente como dois escritores mais jovens com quem ela fez amizade a atacaram nas redes sociais, em parte, ela escreveu, porque estão “buscando atenção e publicidade para se beneficiarem”. Uma vez que fica claro que atenção e elogios podem ser obtidos organizando um ataque à reputação de alguém, muitas pessoas descobrem que têm interesse em fazê-lo.

A América permanece a uma distância segura da China de Mao ou da Rússia de Stalin. Nem nossos comitês universitários secretos, nem as turbas da mídia social são apoiados por regimes autoritários que ameaçam com violência. Apesar da retórica de direita que diz o contrário, esses procedimentos não estão sendo conduzidos por uma “esquerda unificada” (não existe uma “esquerda unificada”), ou por um movimento unificado de qualquer tipo, muito menos pelo governo. É verdade que alguns dos casos de assédio sexual na universidade foram moldados pelos regulamentos do Título IX do Departamento de Educação que são chocantemente vagos e que podem ser interpretados de maneiras draconianas. Mas os administradores que realizam essas investigações e procedimentos disciplinares, quer trabalhem em universidades ou nos departamentos de RH das revistas, não o fazem por temerem o Gulag. Muitos os buscam porque acreditam que estão tornando suas instituições melhores - estão criando um ambiente de trabalho mais harmonioso, promovendo as causas da igualdade racial ou sexual, mantendo os alunos seguros. Alguns querem proteger a reputação de sua instituição. Invariavelmente, alguns desejam proteger sua própria reputação. Pelo menos duas das pessoas que entrevistei acreditam que foram punidas porque um chefe homem branco sentiu que tinha que sacrificar publicamente outro homem branco para proteger sua própria posição. 

A censura, a rejeição, as desculpas ritualizadas, os sacrifícios públicos - esses são comportamentos típicos em sociedades iliberais com códigos culturais rígidos. 

Mas o que dá a alguém a convicção de que tal medida é necessária? Ou que “manter os alunos seguros” significa que você deve violar o devido processo? Não é a lei. Nem, estritamente falando, é política. Embora alguns tenham tentado vincular essa transformação social ao presidente Joe Biden ou à presidente da Câmara, Nancy Pelosi, qualquer pessoa que tentar encaixar essas histórias em uma estrutura política de direita-esquerda precisa explicar por que tão poucas vítimas dessa mudança podem ser descritas como “ direita” ou conservador. De acordo com uma pesquisa recente, 62% dos americanos, incluindo a maioria dos que se autodenominam moderados e liberais, têm medo de falar o que pensam sobre política. Todos aqueles com quem falei são liberais de centro ou de centro-esquerda. Alguns têm opiniões políticas não convencionais, mas alguns não têm nenhuma opinião forte.

Certamente, nada nos textos acadêmicos da teoria crítica da raça exige esse comportamento. Os teóricos originais da raça crítica defendiam o uso de uma nova lente para interpretar o passado e o presente. Você pode questionar se essa lente é útil ou não, ou se deseja olhar através dela, mas não pode culpar os autores da teoria racial crítica por, digamos, a decisão frívola da Escola de Direito de Yale de investigar se Amy Chua ou não deu um jantar em sua casa durante a pandemia, ou para o grupo de presidentes de universidades que se recusaram a apoiar seus próprios membros do corpo docente quando são atacados por estudantes.

A censura, a rejeição, as desculpas ritualizadas, os sacrifícios públicos - esses são comportamentos bastante típicos em sociedades iliberais com códigos culturais rígidos, reforçados por forte pressão dos pares. Esta é uma história de pânico moral, de instituições culturais se policiando ou se purificando diante de multidões desaprovadoras. As multidões não são mais literais, como antes em Salem, mas sim mobs online, organizados via Twitter, Facebook ou, às vezes, canais internos da empresa Slack. Depois que Alexi McCammond foi nomeada editora-chefe da Teen Vogue, as pessoas descobriram e recircularam no Instagram antigos tuítes anti-asiáticos e homofóbicos que ela havia escrito uma década antes, quando ainda era adolescente. McCammond pediu desculpas, é claro, mas isso não foi suficiente, e ela foi obrigada a deixar o emprego antes de começar. Ela teve um pouso mais suave do que alguns - ela foi capaz de retornar ao seu trabalho anterior como repórter política na Axios - mas o incidente revela que ninguém está seguro. Ela era uma mulher negra de 27 anos que havia sido nomeada “Jornalista Emergente do Ano” pela Associação Nacional de Jornalistas Negros, e ainda assim sua adolescência voltou para assombrá-la. Você pensaria que seria uma coisa boa para os jovens leitores da Teen Vogue aprender a perdoar e agradecer, mas para os novos puritanos, não há estatuto de limitações.

"A ideia do cancelamento começou a se espalhar via Black Twitter ao longo de 2015, usada como uma reação a alguém fazendo algo que você desaprovava - de brincadeira ou sério. É comum comparar a cultura do cancelamento com a "cultura da exclusão" - mas suas verdadeiras raízes podem estar no movimento pelos direitos civis'. (Vox.com)

Essa censura está relacionada não apenas a mudanças recentes, e muitas vezes positivas, nas atitudes em relação à raça e ao gênero e às mudanças na linguagem usada para discuti-los, mas a outras mudanças sociais que são raramente reconhecidas. Embora a maioria dos que perdem seus cargos não seja "culpada" em nenhum sentido legal, também não foi rejeitada aleatoriamente. Assim como velhas estranhas já foram acusadas de feitiçaria, também estão certos tipos de pessoas agora mais propensos a ser vítimas da justiça moderna da turba. Para começar, os protagonistas da maioria dessas histórias tendem a ser bem-sucedidos. Embora não sejam bilionários ou capitães da indústria, eles conseguiram se tornar editores, professores, autores de publicações ou mesmo apenas alunos em universidades competitivas. Alguns são anormalmente sociais, até hipergregários: eram professores que gostavam de conversar ou beber com seus alunos, chefes que saíam para almoçar com seus funcionários, pessoas que confundiam os limites entre a vida social e a vida institucional. 

“Se você pedir a alguém uma lista dos melhores professores, melhores cidadãos, pessoas mais responsáveis, eu estaria em cada uma dessas listas”, disse-me um membro do corpo docente agora em desgraça. Amy Chua havia sido indicada para vários comitês poderosos na Escola de Direito de Yale, incluindo um que ajudava a preparar os alunos para o estágio. Isso, diz ela, porque ela teve sucesso em conseguir alunos, especialmente alunos de minorias, bons empregos de escriturário. “Eu faço trabalho extra; Eu consigo conhecê-los ”, ela me disse. “Eu escrevo recomendações extremamente boas.” Muitas pessoas altamente sociais que são boas em comitês também tendem a fofocar, a contar histórias sobre seus colegas. Alguns, tanto homens quanto mulheres, também podem ser descritos como paqueradores, que gostam de jogos de palavras e piadas que vão direto ao limite do que é considerado aceitável.

O que é exatamente o que trouxe problemas para algumas dessas pessoas, porque a definição de aceitável mudou radicalmente nos últimos anos. Antigamente, não era apenas bom, mas admirável que Chua e Rubenfeld recebessem alunos do curso de direito em sua casa para reuniões. Esse momento passou. O mesmo ocorre quando um aluno pode discutir seus problemas pessoais com o professor ou quando um funcionário pode fofocar com o empregador. As conversas entre pessoas com status diferentes - empregador-empregado, professor-aluno - agora podem se concentrar apenas em assuntos profissionais ou tópicos estritamente neutros. Qualquer coisa sexual, mesmo em um contexto acadêmico - por exemplo, uma conversa sobre as leis do estupro - agora é arriscada. A professora da Escola de Direito de Harvard, Jeannie Suk Gersen, escreveu que seus alunos “parecem mais ansiosos com a discussão em sala de aula e com a abordagem da lei da violência sexual em particular do que jamais estiveram em meus oito anos como professora de direito”. Akhil Reed Amar, um professor de Yale, disse-me que não menciona mais um incidente histórico particular que uma vez usou em suas aulas, porque isso forçaria seus alunos a ler um estudo de caso que gira em torno do uso de uma injúria racial.

Cultura de cancelamento ou cultura de exclusão é uma forma moderna de ostracismo em que alguém é expulso dos círculos sociais ou profissionais - seja online, nas redes sociais ou pessoalmente. Aqueles sujeitos a este ostracismo teriam sido "cancelados".

As regras sociais também mudaram. Os professores namoravam e até se casavam com seus alunos. Os colegas costumavam beber juntos depois do trabalho e às vezes vão para casa juntos. Hoje isso pode ser perigoso. Um amigo acadêmico me disse que em sua pós-graduação, as pessoas que estão perto de obter o doutorado têm medo de namorar pessoas que estão apenas começando seus estudos, porque as regras não escritas agora ditam que você não saia com colegas, especialmente se pudesse haver algum tipo do diferencial de poder (real ou imaginário) entre você e a pessoa que está namorando. Essa mudança cultural é saudável em muitos aspectos: os jovens agora estão muito mais protegidos de chefes predadores. Mas tem custos. Quando piadas e flertes estão completamente fora dos limites, parte da espontaneidade da vida no escritório também desaparece.

Não são apenas os hiper-sociais e os paqueradores que se tornaram vítimas do Novo Puritanismo. Pessoas que são, por falta de uma palavra mais precisa, difíceis também têm problemas. Eles são arrogantes, impacientes, confrontadores ou insuficientemente interessados ​​em pessoas que consideram menos talentosas. Outros são grandes empreendedores, que por sua vez estabelecem padrões elevados para seus colegas ou alunos. Quando esses altos padrões não são atendidos, essas pessoas dizem isso, e isso não vai muito bem. Alguns deles gostam de ultrapassar os limites, especialmente os limites intelectuais, ou questionar as ortodoxias. Quando as pessoas discordam deles, argumentam com prazer.

Esse tipo de comportamento, antes aceito ou pelo menos tolerado em muitos locais de trabalho, agora também está fora dos limites. Locais de trabalho antes considerados exigentes agora são descritos como tóxicos. O tipo de crítica aberta, expressa na frente de outras pessoas, que antes era normal em redações e seminários acadêmicos, agora é tão inaceitável quanto mastigar com a boca aberta. A disposição nada alegre, a maneira nada amigável - agora também podem ser motivo de punição ou ostracismo. Uma crítica relevante a Donald McNeil acabou sendo que ele era “um tipo de velho rabugento”, como um estudante naquela viagem ao Peru o descreveu.

O que muitas dessas pessoas - as difíceis, as fofoqueiras, as excessivamente gregárias - têm em comum é que incomodam as pessoas. Aqui, também, ocorreu uma profunda mudança geracional. “Acho que a tolerância das pessoas ao desconforto - a tolerância das pessoas à dissonância, por não ouvir exatamente o que querem ouvir - agora caiu para zero”, uma pessoa me disse. “Desconforto costumava ser um termo de elogio à pedagogia - quero dizer, o maior desconforto de todos era Sócrates.” 

A interação entre a multidão enfurecida e a burocracia iliberal engendra uma sede de sangue, de sacrifícios a serem oferecidos aos deuses piedosos e implacáveis da indignação.

Não é errado querer um local de trabalho mais confortável ou menos colegas rabugentos. A dificuldade é que a sensação de desconforto é subjetiva. O elogio despreocupado de uma pessoa é a microagressão de outra. O comentário crítico de uma pessoa pode ser percebido por outra como racista ou sexista. Piadas, jogos de palavras e qualquer coisa que possa ter dois significados estão, por definição, abertos à interpretação.

Mas, embora o desconforto seja subjetivo, agora também é entendido como algo que pode ser curado. Alguém que se sentiu incomodado agora tem vários caminhos para exigir reparação. Isso deu origem a uma nova faceta da vida em universidades, organizações sem fins lucrativos e escritórios corporativos: os comitês, departamentos de RH e administradores do Título IX que foram nomeados precisamente para ouvir esse tipo de reclamação. Quem sente desconforto agora tem um lugar para ir, alguém com quem conversar.

Algumas dessas coisas são, repito, positivas: funcionários ou alunos que acham que foram tratados injustamente não precisam mais se debater sozinhos. Mas isso tem um custo. Qualquer pessoa que acidentalmente crie desconforto - seja por meio de seus métodos de ensino, seus padrões editoriais, suas opiniões ou sua personalidade - pode de repente se encontrar do lado errado não apenas de um aluno ou colega, mas de toda uma burocracia, dedicada a eliminar as pessoas que deixam outras pessoas desconfortáveis. E essas burocracias são iliberais. Eles não seguem necessariamente as regras de investigação baseada em fatos, argumento racional ou devido processo. Em vez disso, os órgãos administrativos formais e informais que julgam o destino das pessoas que violaram os códigos sociais fazem parte de uma conversa pública agitada e emotiva, governada não pelas regras do tribunal ou pela lógica ou pelo Iluminismo, mas pelas redes sociais algoritmos que estimulam a raiva e a emoção, e pela economia de gostos e compartilhamentos que leva as pessoas a sentir - e agir - indignação. A interação entre a multidão enfurecida e a burocracia iliberal engendra uma sede de sangue, de sacrifícios a serem oferecidos aos deuses piedosos e implacáveis ​​da indignação - uma história que vemos em outras épocas da história, desde a Inquisição até o passado mais recente.

O Twitter, o presidente de uma importante instituição cultural me disse, “é a nova esfera pública”. Ainda assim, o Twitter é implacável, implacável, não verifica fatos ou fornece contexto. Pior ainda, como os anciãos da Colônia da Baía de Massachusetts que não perdoariam Hester Prynne, a internet mantém registro de ações passadas, garantindo que nenhum erro, nenhum engano, nenhuma frase falada incorretamente ou metáfora desajeitada seja perdida. “Não é que todo mundo seja famoso por 15 minutos”, disse-me Tamar Gendler, reitora da faculdade de artes e ciências de Yale. “É que todo mundo fica condenado por 15 segundos.” E se você tiver a infelicidade de ter os piores 15 segundos de sua vida compartilhados com o mundo, não há nada que garanta que alguém pesará aquele único comentário mal formulado em comparação com todas as outras coisas que você fez em sua carreira. Os incidentes “perdem suas nuances”, disse-me um funcionário da universidade. “Então o que você tem são todos os tipos de pessoas com visões pré-arranjadas, e elas vêm e usam o incidente para significar uma coisa ou outra”.

Isso pode acontecer muito rápido. Em março, Sandra Sellers, professora adjunta do Georgetown University Law Center, foi filmada falando com outro professor sobre alguns alunos negros de baixo desempenho em sua classe. Não há como saber apenas pela gravação se seus comentários representaram preconceito racista ou preocupação genuína com seus alunos. Não que isso importasse para Georgetown - ela foi demitida poucos dias após a gravação se tornar pública. Tampouco se poderia saber o que David Batson, o colega com quem ela estava falando na gravação, realmente pensava. No entanto, ele foi colocado em licença administrativa porque parecia, vagamente, estar concordando educadamente com ela. Ele rapidamente renunciou.

Essa conversa foi capturada inadvertidamente, mas as revelações futuras podem não ser. Nesta primavera, Braden Ellis, um aluno do Cypress College, na Califórnia, compartilhou uma gravação da classe Zoom da resposta de seu professor quando Ellis defendeu retratos de policiais como heróis. Ellis disse que fez isso para expor um preconceito contra os pontos de vista conservadores no campus. Mesmo que a gravação por si só não prove a existência de preconceitos de longa data, a professora - uma mulher muçulmana que disse na gravação que não confiava na polícia - tornou-se o foco de um segmento da Fox News, uma tempestade nas redes sociais e ameaças de morte. Outros professores da faculdade também. Os administradores também. Depois de alguns dias, a professora foi retirada de suas atribuições de ensino, enquanto era investigada.

Nesse incidente, a tempestade veio da direita, como certamente acontecerá no futuro: as ferramentas de justiça da turba nas redes sociais estão disponíveis para partidários de todos os tipos. Em maio, uma jovem repórter, Emily Wilder, foi demitida de seu novo emprego na Associated Press no Arizona depois que uma série de publicações conservadoras e políticos divulgaram postagens no Facebook críticas a Israel que ela havia escrito enquanto estava na faculdade. Como tantos antes dela, ela não foi informada com precisão por que foi demitida ou quais regras da empresa seus antigos postos haviam violado.

Alguns usaram o caso de Wilder para argumentar que a crítica conservadora de "cancelar a cultura" sempre foi fraudulenta. Mas a lição real e apartidária é esta: ninguém - de qualquer idade, em qualquer profissão - está seguro. Na era do Zoom, câmeras de celulares, gravadores em miniatura e outras formas de tecnologia de vigilância barata, os comentários de qualquer pessoa podem ser interpretados fora do contexto; a história de qualquer um pode se tornar um grito de guerra para os mobs do Twitter à esquerda ou à direita. Qualquer pessoa pode então ser vítima de uma burocracia aterrorizada pela súbita erupção de raiva. E uma vez que um grupo de pessoas perde o direito ao devido processo, o mesmo ocorre com todas as outras pessoas. Não apenas professores, mas alunos; não apenas editores de publicações de elite, mas membros aleatórios do público. Momentos Gotcha podem ser coreografados. O Projeto Veritas, uma organização de direita bem financiada, se dedica a operações de picada: incentiva as pessoas a dizerem coisas constrangedoras em câmeras ocultas e, em seguida, busca puni-las por isso, seja pelas redes sociais ou por suas próprias burocracias.

Mas, embora essa forma de justiça popular possa ser usada oportunisticamente por qualquer pessoa, por qualquer motivo político ou pessoal, as instituições que mais fizeram para facilitar essa mudança são, em muitos casos, aquelas que antes se viam como guardiãs dos ideais liberais e democráticos. Robert George, o professor de Princeton, é um conservador filosófico de longa data que certa vez criticou os estudiosos liberais por seu relativismo sério, sua crença de que todas as idéias mereciam uma audiência igual. Ele não previu, disse-me, que um dia os liberais “pareceriam tão arcaicos quanto os conservadores”, que a ideia de criar um espaço onde ideias diferentes pudessem competir viria a parecer antiquada, que o espírito de tolerância e curiosidade seria substituído por uma visão de mundo “que não tem a mente aberta, que não acha que diferenças envolventes são uma grande coisa ou que os alunos deveriam ser expostos a pontos de vista concorrentes”. 

Mas esse tipo de sistema de pensamento não é novo na América. No século 19, o romance de Nathaniel Hawthorne defendia a substituição exatamente desse tipo de rigidez por uma visão de mundo que valorizava ambigüidade, nuance, tolerância à diferença - a visão de mundo liberal - e isso perdoaria Hester Prynne por seus erros. O filósofo liberal John Stuart Mill, escrevendo mais ou menos na mesma época que Hawthorne, apresentou um argumento semelhante. Muito de seu livro mais famoso, On Liberty, é dedicado não às restrições governamentais à liberdade humana, mas à ameaça representada pelo conformismo social, pela "exigência de que todas as outras pessoas se pareçam conosco". Alexis de Tocqueville também escreveu sobre esse problema. Foi um sério desafio na América do século 19 e é novamente no século 21.

Alunos e professores, assistentes editoriais e editores-chefes - todos estão cientes do tipo de sociedade em que vivem. É por isso que eles se censuram, porque evitam certos tópicos, porque evitam discutir qualquer coisa muito sensível por medo de serem atacados, condenados ao ostracismo ou demitidos sem o devido processo. Mas esse tipo de pensamento nos leva desconfortavelmente para perto de Istambul, onde história e política só podem ser discutidas com muito cuidado.

Muitas pessoas me disseram que querem mudar essa atmosfera, mas não sabem como. Alguns esperam sobreviver, esperar que esse pânico moral passe ou que uma geração ainda mais jovem se rebele contra ele. Alguns se preocupam com os custos do engajamento. Uma pessoa que foi o foco de uma campanha negativa na mídia social me disse que não quer que esse conjunto de questões domine sua vida e sua carreira; ele citou outras pessoas que se tornaram tão obcecadas em lutar contra a “wokeness” ou “cancelar a cultura” que agora não fazem mais nada.

Outros decidiram ser vocais. Stephen Elliott lutou por um longo tempo para saber se devia ou não descrever como é ser acusado de estupro injustamente - ele escreveu algo e abandonou porque "decidi que não seria capaz de lidar com o revés" - antes de finalmente descrever suas experiências em um ensaio publicado. Amy Chua ignorou o conselho de permanecer em silêncio e, em vez disso, falou o máximo possível. Robert George criou a Academic Freedom Alliance, um grupo que pretende oferecer apoio moral e jurídico aos professores em situação de incêndio, e até mesmo pagar por suas equipes jurídicas, se necessário. George foi inspirado, ele me disse, por um programa natural que mostrou como as matilhas de elefantes defenderão cada membro do rebanho contra um leão saqueador, enquanto as zebras fogem e deixam os mais fracos serem mortos. “O problema de nós, acadêmicos, é que somos um bando de zebras”, disse ele. “Precisamos nos tornar elefantes.” John McWhorter, um professor de linguística da Columbia (e escritor colaborador da Atlantic) que tem opiniões fortes e nem sempre populares sobre raça, me disse que se você for acusado de algo injustamente, você deve sempre retrucar, com firmeza, mas com educação: “Basta dizer, ' Não, não sou racista. E eu discordo de você '”. Se mais líderes - presidentes de universidades, editores de revistas e jornais, CEOs de fundações e empresas, diretores de sociedades musicais - assumissem essa posição, talvez fosse mais fácil para mais de seus pares enfrentar seus alunos, seus colegas ou uma multidão online.

A alternativa, para nossas instituições culturais e para o discurso democrático, é sombria. As fundações farão verificações secretas dos antecedentes de seus beneficiários em potencial, para garantir que eles não cometeram crimes que não são crimes que poderiam ser constrangedores no futuro. Relatórios anônimos e turbas do Twitter, e não julgamentos fundamentados de colegas, irão moldar o destino dos indivíduos. Escritores e jornalistas temerão a publicação. As universidades não serão mais dedicadas à criação e disseminação de conhecimento, mas sim à promoção do conforto dos alunos e à prevenção de ataques às redes sociais.

Pior, se afastarmos todas as pessoas difíceis, exigentes e excêntricas das profissões criativas onde costumavam prosperar, nos tornaremos uma sociedade mais plana, enfadonha e menos interessante, um lugar onde os manuscritos ficam em gavetas por medo de julgamentos arbitrários. As artes, as humanidades e a mídia se tornarão rígidas, previsíveis e medíocres. Princípios democráticos como o império da lei, o direito à autodefesa, o direito a um julgamento justo - até mesmo o direito de ser perdoado - irão definhar. Não haverá nada a fazer a não ser sentar e esperar que os Hawthornes do futuro nos exponham.

•Anne Applebaum é redatora da equipe da revista The Atlantic, bolsista do SNF Agora Institute, na Johns Hopkins University e autora de Twilight of Democracy: The Seductive Lure of Authoritarianism, entre outros.

Outros artigos sobre o tema

O que é a cultura do cancelamento?

The New Puritans - The Atlantic

How cancel culture made us forget the art of interpretation

O que é a cultura do cancelamento

Why you can't stop fighting about cancel culture

Redes Sociais

 redetwiter redeface redeflick  redelinkedin

bannerbotton livro