Capitolio invasao 10 nov 2020As pandemias sempre geraram loucura política, mas as sociedades desenvolvem resistência a ambas, diz o historiador Niall Ferguson.*

Em um denso artigo, publicado na página de opinião da agência de notícias Bloomberg, o historiador e professor Niall Ferguson faz uma análise política do Trumpismo e o perigo da herança maldita do atual presidente americano, que chega ao fim do mandato tentando esticar a corda ao máximo, para manter o poder. Vale a leitura, pela similitude com personagens históricos tão perigosos e  extremistas, que tentaram conquistar ou manter o poder pela violência, a mentira e o fanatismo.

A América irá adquirir imunidade de rebanho ao Trumpismo. Eu espero.**

As grandes pandemias frequentemente coincidem com contágios religiosos ou políticos. Em sua “História da Guerra do Peloponeso”, Tucídides registra como, durante a praga que devastou Atenas entre 430 e 426 aC, as pessoas pareciam ter perdido suas bússolas morais. “À medida que o desastre ultrapassava todos os limites, os homens, sem saber o que aconteceria com eles, tornaram-se totalmente descuidados de tudo, seja sagrado ou profano. … A perseverança no que os homens chamavam de honra não era popular entre ninguém. ... Medo dos deuses ou da lei do homem, não havia ninguém para contê-los.” O desrespeito pela religião e pela lei minou a famosa democracia da cidade, levando a uma redução de residentes não cidadãos e, finalmente, a um período de oligarquia, em 411.

Durante a Peste Negra que varreu a Europa na década de 1340, ordens de flagelantes vagaram de cidade em cidade, ritualmente se chicoteando em atos de expiação com o objetivo de afastar a ira divina. Chamando a si mesmos de Portadores da Cruz, Irmãos Flagelantes ou Irmãos da Cruz, eles usavam túnicas brancas com uma cruz vermelha na frente e nas costas e capacete semelhante. Ao chegar a uma cidade, os irmãos dirigiam-se à sua igreja, formavam um círculo e se prostravam com os braços estendidos como se estivessem crucificados. Ao comando "Levante-se, pela honra do puro martírio", eles se levantavam e se espancavam com açoites de couro com pontas de ferro, cantando hinos enquanto faziam isso, periodicamente caindo de volta ao chão "como se tivessem sido atingidos por um raio", de acordo com uma fonte contemporânea.

Havia mais do que masoquismo em ação aqui. Os flagelantes eram um movimento milenar com uma agenda potencialmente revolucionária que desrespeitava a autoridade do clero e dirigia a ira popular contra as comunidades judaicas, que eram acusadas de espalhar intencionalmente a praga ou de convidar a retribuição divina pelo repúdio a Cristo. Judeus foram massacrados em várias cidades, notavelmente Frankfurt, Mainz e Colônia.

A pior pandemia da era moderna, a equivocadamente chamada “gripe espanhola” de 1918-1919, coincidiu com uma onda de revolução violenta quando as ideias de Vladimir Ilyich Lenin e seus companheiros bolcheviques varreram o Império Russo e geraram levantes proletários em todo o mundo. Muitos conservadores (incluindo Winston Churchill e Herbert Hoover) se referiram explicitamente à "praga do bolchevismo". Churchill gostava especialmente da metáfora. Em um artigo de 1920 intitulado "O perigo do veneno", ele protestou contra "uma Rússia envenenada, uma Rússia infectada, uma Rússia carregada de pragas, uma Rússia de hordas armadas ... acompanhada e precedida por enxames de vermes portadores de tifo que matam os corpos dos homens, e doutrinas políticas que destroem a saúde e até a alma das nações.”

Os antibolcheviques mais radicais da Europa - entre eles Adolf Hitler - usaram metáforas biológicas semelhantes ("tuberculose racial") para caracterizar não só a ideologia do regime soviético, mas também os judeus, que eles consideravam como confederados de Lenin. Tornou-se convencional na direita americana na década de 1930 argumentar que Hitler havia “salvado toda a Europa da praga vermelha do bolchevismo”, nas palavras do poeta germano-americano George Sylvester Viereck. Na realidade, é claro, o nacional-socialismo foi em si um contágio ideológico mortal que se espalhou pela população alemã de tal maneira que os historiadores ainda lutam para entender.

Foi, portanto, com a mais profunda ansiedade que observei os eventos em Washington na última quarta-feira, quando uma multidão levada ao fervor revolucionário pelo presidente Donald Trump invadiu o Capitólio na tentativa de interromper a certificação parlamentar dos votos do Colégio Eleitoral, o passo final no processo constitucional, processo esse prescrito de eleição presidencial.

Não importa qual termo estrangeiro você deseja usar: golpe, levante, autogolpe - faça a sua escolha. Desde 3 de novembro, Trump tenta derrubar o resultado da eleição presidencial que perdeu, usando táticas da máfia (ouça seu chamado para o secretário de Estado da Geórgia, Brad Raffensberger), bem como o cínico "ludibrio da lei (lawfare)". Na quarta-feira, ele não apenas incitou a multidão; mais tarde, ele disse que os “amava” pelo que haviam feito. Isso claramente violou seu juramento de “preservar, proteger e defender a Constituição dos Estados Unidos”.

Existem palavras em inglês perfeitamente boas para o que Trump fez e, se você pudesse ligar para os fundadores e pedir sua opinião, eles as usariam. Trump é um demagogo e um aspirante a tirano cujo desrespeito pelo império da lei e incentivo à sedição e insurreição, felizmente para todos nós, foi frustrado por sua própria incompetência e, claro, a separação de poderes e outros controles constitucionais, os fundadores idealizaram, com plena consciência de que um dia tal homem poderia se tornar presidente.

Qual, me perguntaram, é a melhor analogia histórica para os eventos da semana passada em Washington? Nenhum se encaixa perfeitamente. A dissolução do Longo Parlamento da Inglaterra por Oliver Cromwell em 1653? A diferença óbvia é que Cromwell conseguiu se estabelecer como lorde protetor. A dissolução da Assembleia Nacional Francesa por Luís Napoleão Bonaparte em 1851? Mais uma vez, Bonaparte conseguiu estabelecer o Segundo Império. Que tal a marcha de Mussolini em Roma em 1922? A diferença é que o rei Victor Emmanuel rifou o primeiro-ministro Luigi Facta, ao se recusar a declarar o estado de emergência, e, em seguida, nomeou Mussolini em seu lugar.

Capitolio invasão jan 2020 1O levante de Hitler no Beer Hall de 1923 foi, como o caso de quinta-feira, um fiasco. Mas isso não aconteceu na capital nacional e não foi inspirado nem pelo chanceler alemão nem pelo presidente. Além disso, terminou com muitos tiros (16 nazistas foram mortos nas ruas de Munique) e a prisão de Hitler e outros conspiradores - em marcante contraste com a misteriosa leniência com que os trumpistas foram tratados na quinta-feira, com exceção de Ashli Babbitt, que foi baleada por um oficial da Polícia do Capitólio à paisana, enquanto escalava a porta quebrada para o lobby do palestrante.

Meu colega da Bloomberg Opinion, Noah Smith, traça um paralelo com o Japão na década de 1930, mas lá (como em vários golpes na América do Sul e no Oriente Médio) um papel fundamental foi desempenhado por oficiais juniores ultranacionalistas nas forças armadas. Algo semelhante acontece com o Tejerazo, a tomada do parlamento espanhol por 200 oficiais da Guarda Civil liderados pelo tenente-coronel Antonio Tejero, em 1981. Em contraste, os militares americanos não fariam nada para apoiar uma tomada inconstitucional do poder. O apoio a Trump diminui quanto mais alto você sobe na estrutura de comando, com generais recentemente aposentados entre seus críticos mais veementes.

É verdade que há um apoio considerável a Trump entre os policiais de todo o país, e o vídeo da quarta-feira parecia mostrar alguns policiais do Capitólio confraternizando com a multidão, até mesmo sendo cúmplices. No geral, entretanto, a polícia parece simplesmente ter sido superada em número e invasores. Ainda não está claro quem deu as ordens para não dar à multidão pró-Trump o mesmo tratamento duro dispensado aos manifestantes do Black Lives Matters, no verão. Mas duvido que isso tenha sido parte de uma conspiração golpista.

Há outro motivo pelo qual nenhuma dessas analogias funciona: todas elas omitem as condições peculiares criadas por uma pandemia. Não é por acaso que o fundo do poço da política americana moderna foi testado na semana passada, exatamente quando a terceira onda de Covid-19 parecia estar perto de seu pico. Na quinta-feira, novos casos diários nos EUA atingiram um recorde da pandemia de 260.973; mortes diárias ultrapassaram 4.000 pela primeira vez, elevando o número total de mortes para mais de 370.000. Outros 130.000 americanos estão hospitalizados. Apenas em termos de excesso de mortalidade em relação às médias sazonais, a terceira onda ainda não ultrapassou a primeira.

As pandemias, lembre-se, estão associadas ao extremismo religioso e político. O medo da doença, a suspeita mútua, as teorias charlatanescas, a hipocondria, o hiper-ceticismo e o deslocamento mental geral causado pelo distanciamento social, bloqueios e desemprego - tomados em conjunto, essas coisas tendem a gerar comportamentos estranhos.

Para o historiador, não foi de todo surpreendente, no verão, ver centenas de milhares, senão milhões, de manifestantes em sua maioria brancos tomarem as ruas em procissões de expiação pelo pecado de racismo. A violência de esquerda que transformou partes de Portland, Seattle e Kenosha, Wisconsin, em zonas proibidas foi mais destrutiva do que a invasão de direita do Capitólio, mesmo que a importância política deste último fosse maior.

Veja, se você quer evidências de uma pandemia de loucura, atenha-se às pessoas que correram loucamente entre a legislatura na semana passada. A ideia de que se tratava de uma operação de bandeira falsa da extrema-esquerda Antifa disfarçada é obviamente absurda. Embora a multidão pareça ter incluído alguns membros militares aposentados ou policiais fora de serviço que tiveram o treinamento e as ferramentas para um sério ataque terrorista, isso foi principalmente a franja lunática da extrema direita americana em uma aliança profana com o culto da conspiração QAnon .

O maluco barbudo com o moletom “Camp Auschwitz” e o bandido com a camiseta “6MWE” (que significa “Seis milhões não eram suficientes”) esfregaram os ombros com o “xamã Q”, Jake Angeli, o dos chifres de búfalo, tatuagens e pinturas faciais com estrelas e listras. Nick Fuentes, que lidera o "Exército Groyper", de extrema direita, foi flagrado dentro do Capitólio ao lado de outro fascista conhecido como "Baked Alaska". Havia bandeiras e laços confederados, mas também sinais de QAnon (“As Crianças Clamam por Justiça”), cruzes de cruzados (sim, aquela cruz vermelha em branco novamente) e cartazes anticircuncisão.

Por um breve momento, na tarde de quarta-feira, senti uma forte tentação de jogar minhas mãos para o alto e admitir que esta era realmente a América de Weimar, afinal; e que Trump era de fato o tirano retratado em tantos artigos nos últimos cinco anos.

Um olhar mais atento a esse grupo heterogêneo de desajustados me trouxe de volta à realidade - isso, e a percepção de que, longe de proclamar o governo presidencial por decreto e garantir as estações de TV (que é o que os líderes golpistas deveriam fazer), Trump e seus filhos assistiam vagamente ao caos na televisão. Assim como a multidão QAnon (e KKKAnon) estava muito ocupada filmando suas próprias travessuras, para evitar que os membros do Congresso escapassem, o suposto ditador estava muito preocupado em fulminar seu vice-presidente, para antecipar sua própria exclusão sumária das principais plataformas de mídias sociais. (As pessoas que aplaudem reflexivamente a ação do Facebook podem se perguntar se esse foi o golpe bem-sucedido da semana passada. Foi certamente a revelação mais completa do poder de Mark Zuckerberg.)

É possível - não posso descartar - que Trump e o Trumpismo persistam muito depois de sua saída da Casa Branca, quer isso aconteça amanhã, por meio da 25ª Emenda, ou na próxima semana por meio de impeachment em alta velocidade, ou no dia da posse. Ele não seria o primeiro líder da história a se demorar muito depois de sua saída do alto cargo, insistindo que seus seguidores leais o tratassem como o presidente legítimo, uma espécie de versão do século 21 dos pretendentes jacobitas ao trono britânico.

Nem Trump seria o primeiro demagogo a ser indicado como candidato presidencial mais de uma vez por seu partido: William Jennings Bryan (que pelo menos sabia como admitir a derrota) foi o candidato democrata três vezes de 1896 a 1908. Mesmo que a saúde de Trump o levasse a desistir, sabemos, pelas três gerações da família Le Pen na França, que dinastias de direita podem ser notavelmente duráveis.

A narrativa da mídia dominante em nosso tempo é de profunda polarização política, com o potencial de um dia evoluir para uma guerra civil. Talvez isso esteja certo, e o que realmente testemunhamos na semana passada foi o equivalente trumpista da revolta abortada de John Brown em Harpers Ferry, um precursor da Guerra Civil (mesmo que as opiniões extremas dos trumpistas sobre raça sejam claramente opostas às do abolicionista Brown) .

Se essa visão pessimista estiver certa, então estamos apenas emergindo da primeira onda de trumpismo. Como as novas variantes do Covid-19 descobertas na Inglaterra e na África do Sul, que se espalharam mais rapidamente do que as cepas anteriores, ele poderia voltar em uma forma ainda mais virulenta.

Mas minha visão contrária é que, em vez de piorar a polarização do país, os eventos dos últimos meses restauraram substancialmente o terreno central. Trump perdeu na eleição de novembro; mas também a extrema esquerda do Partido Democrata. Biden personifica o meio da estrada. Ele não chegou ao poder em uma onda azul, porque muitos eleitores que não apoiaram Trump, no entanto, votaram nos republicanos em outras votações. Não fosse pelo comportamento criminoso de Trump, seu partido poderia ter conquistado o Senado.

A carta do vice-presidente Mike Pence rompendo com Trump e o discurso do líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, rejeitando o desafio do presidente para a vitória de Biden na quarta-feira, marcou o fim há muito esperado do sórdido caso republicano com Trump. A estreiteza das maiorias democratas no Senado e na Câmara também deve ajudar o centro a se manter. Agora há incentivos de ambos os lados para trabalharem juntos, nem que seja para reparar os terríveis danos causados pelo tratamento incorreto de Trump com a pandemia.

Esta, pelo menos, é minha esperança mais sincera: que, tendo sido infectados pelo vírus da política antidemocrática, os americanos agora adquiriram alguma resistência a ele. A visão otimista da pandemia é que a infecção natural mais a vacinação em massa farão com que os EUA reúnam imunidade por volta de maio. A visão otimista da política é que podemos alcançar imunidade coletiva contra o trumpismo em um período de tempo aproximadamente semelhante.

Privado do poder, atacado por ações litigantes, suas finanças vacilantes e seu acesso às redes sociais abruptamente reduzido, Trump pode desaparecer tão rapidamente quanto um vírus com um número de reprodução abaixo de 1 - para se tornar não mais do que uma doença sazonal, ameaçando apenas aqueles com o equivalente intelectual de comorbidades. A lição da história é que as pandemias eventualmente acabam - assim como as manias políticas do tipo que ocuparam brevemente o Capitólio na semana passada.

*Niall Ferguson, é o Milbank Family Senior Fellow na Hoover Institution da Stanford University e colunista da Bloomberg Opinion. Anteriormente, ele foi professor de história em Harvard, New York University e Oxford. Ele é o fundador e diretor administrativo da Greenmantle LLC, uma empresa de consultoria com sede em Nova York. Autor de vários livros sobre história internacional, história econômica e financeira, história imperial dos EUA e da Grã-Bretanha. Entre eles, Civilização – Ocidente e Oriente, O Horror da Guerra, Império, a Ascensão do Dinheiro e A Praça e a Torre, entre outros.

**Artigo publicado em 10 jan 2021, na página de Opinião da Bloomberg.

America Will Achieve Herd Immunity to Trumpism. I Hope.

Tradução: João José Forni

Outros artigos sobre o tema

Trump’s 2024 Hopes Just Crashed Into the 14th Amendment

Redes Sociais

 redetwiter redeface redeflick  redelinkedin

bannerbotton livro