Fake news como se espalhaAlguns autores no campo da comunicação estão desenvolvendo trabalhos para mostrar para as empresas como gerenciar “fake news”. Uma espécie de guia para cobrir informações falsas ou erradas, sem queimar a organização noticiosa ou os leitores. 

É difícil acompanhar o fluxo crescente de relatórios e dados sobre notícias falsas, desinformação, conteúdo partidário e conhecimento de notícias. Isso vale para os jornalistas ou outros formadores de opinião, incluindo blogueiros e youtubers.

Concentre-se nas perguntas mais prementes para as quais realmente precisamos de respostas. É com esse enfoque que o Nieman Lab publicou o artigo "Focalize aqui, não lá: estas são as lacunas na pesquisa de desinformação política", nesta semana, sobre a forma como devemos olhar para as fake news.

”Em um artigo a ser publicado em uma próxima edição do American Behavioral Scientist*, Brian Weeks, professor assistente da Universidade de Michigan, e Homero Gil de Zúñiga, da Universidade de Viena descrevem as "questões críticas" nas quais espera que a pesquisa em comunicação política se concentre no futuro.

"Gostaríamos que este artigo servisse de convite ao número crescente de pesquisadores de comunicação política, que estão investigando questões relacionadas à desinformação política, para se esforçarem, pensarem criativamente e se concentrarem nas perguntas mais urgentes para as quais realmente precisamos de respostas", eles escreveram.

Entre suas observações: 

- "Os debates persistentes sobre o que constitui 'notícias falsas' e as distinções entre outros tipos de informações falsas são principalmente perturbadores." As informações falsas são com certeza um conceito complexo, mas gastar muito tempo em hierarquias e definições é um desperdício, argumentam os autores:

“Em vez de gastar tempo e dinheiro sem fim discutindo sobre o termo “notícias falsas” ou tentando descobrir quais são as pequenas diferenças entre os diferentes tipos de informações falsas, devemos nos concentrar no que realmente importa. Devemos reconhecer que informações enganosas estão disponíveis, estamos sendo expostos a elas e podem estar nos afetando. Se realmente queremos resolver esse problema, vamos nos concentrar em de onde as informações falsas vêm, como elas se espalham, se e por que as pessoas acreditam nelas e suas consequências sociais e políticas.”

Políticos, elites e funcionários públicos são fonte de informações falsas 

- “Até que ponto a informação falsa realmente importa politicamente? Quem está exposto a ela, onde e com que efeito? ”Ainda não entendemos completamente“ com que frequência as pessoas encontram informações falsas em suas vidas cotidianas” ou o quanto isso importa quando o fazem – e “uma coisa que nós, como a comunidade de pesquisa, não conseguimos fazer bem, é na verdade, documentar os efeitos (ou a falta deles) desse tipo de informação ruim sobre os resultados de que gostaríamos, como votação, polarização, ascensão do nacionalismo branco ou câmaras de eco.”

- “Políticos, elites e funcionários do governo são as principais (embora subestudadas) fontes de informações falsas.” Ponha de lado os trolls (1) e o pessoal aleatório do Twitter por um segundo - mais estudos são necessários sobre os efeitos do que sai da boca de políticos mais conhecidos. 

O artigo completo (com três observações) está aqui

“Onde possível, nós começamos com a verdade?” O First Draft News, publicação do First Draft** divulgou um novo guia, Reportagem Responsável na Era da Informação desordenada. O guia, escrito pela editora de ética e padrões do First Draft, Victoria Kwan, direcionou o guia para a produção empresas de comunicação e repórteres “enfrentando uma série de novos desafios éticos relacionados especificamente à amplificação das notícias”. 

Entre as sugestões do relatório:

Redes Sociais antes de postar veja“- Acerte seu tempo e considere se a história realmente precisa ser abordada por você: “Se o conteúdo que você está pensando em abordar estiver sendo discutido ou circulado apenas em comunidades específicas, escrever sobre isso pode realmente disseminá-lo para um público muito mais amplo. Também é possível, é claro, chegar a uma história tarde demais; "As redações, portanto, devem identificar um 'ponto de inflexão' no qual informações falsas e desinformação se tornam benéficas para abordar", e embora esse ponto possa variar, geralmente é quando uma história sai de uma plataforma customizada para a comunidade em geral.”

— Ao cobrir conteúdo manipulado, faça perguntas para você mesmo:

- Ao decidir sobre a cobertura de conteúdo manipulado, consideramos até que ponto e com que rapidez o conteúdo já se espalhou, e sua viralidade e impacto previstos?

- Se optarmos por exibir um vídeo manipulado numa reportagem, pensamos em usar clipes ou imagens selecionados em vez de incorporar ou vincular ao original (sem levar em conta quaisquer considerações adicionais sobre direitos autorais)? 

- Podemos sobrepor o conteúdo manipulado com gráficos ou texto que informem claramente o público sobre como o vídeo foi manipulado? 

- Pensamos na linguagem que estamos usando para descrever esse tipo de desinformação? Pode ser útil explicar que o conteúdo é "alterado", "manipulado" ou "distorcido", em vez de dizer que é "falso", o que pode ser confuso para os leitores, especialmente quando a desinformação é baseada em fotos ou vídeos genuínos.

- Sempre que possível, nos conduzimos pela verdade e evitamos repetir ou ampliar o resultado pretendido ou a linguagem acusatória no título?

- Nós fornecemos contexto e apresentamos a existência de um conteúdo dentro de um quadro geral relacionado a intenções, motivações, ameaças e danos?

- Antes de nos referirmos a uma falsidade, fornecemos uma explicação de por que ela é falsa e se há evidências para apoiar conclusões verificadas?

- Nós tomamos o cuidado de não prejudicar ou desdenhar daqueles que acreditam no conteúdo manipulado? Fazer isso pode levar ao endurecimento dessas crenças. 

“As notícias da mídia têm sido muito exageradas.”

Mais algumas evidências para sugerir que as bolhas de filtro não são um problema tão grande quanto o comumente concebido: Maggie Koerth-Baker (bolsista do Nieman de 2015) escreve em FiveThirtyEight*** sobre pesquisas recentes de Brendan Nyhan, de Dartmouth, e outros que descobriram que os americanos não são tão isolados politicamente quanto parecem (embora alguns deles simplesmente não estejam realmente lendo notícias):

Considere, por exemplo, cálculos simples das classificações de TV. Existem cerca de 122 milhões de americanos que disseram ao Census Bureau que votaram em 2018. A grande maioria desses eleitores não assiste a notícias partidárias a cabo. A FOX News e a MSNBC atraem cerca de 3 milhões de espectadores quando seus principais hosts estão no ar. Por outro lado, cerca de 5 milhões de pessoas sintonizam cada um dos noticiários noturnos da rede. Mais americanos têm uma dieta centrista na mídia do que uma dieta inclinada para a direita ou a esquerda. E a maioria dos americanos, hoje, está basicamente jejuando.

(1) Troll - Uma gíria da Internet, um troll é uma pessoa que começa a brigar ou incomodar as pessoas na Internet para distrair e semear discórdia, postando mensagens inflamatórias e digressivas, estranhas ou fora de tópico.

*O American Behavioral Scientist é um periódico acadêmico revisado por pares que publica artigos nas áreas de ciências sociais e comportamentais. A editora-gerente é Laura Lawrie. Foi criado em 1957 e atualmente é publicado pela SAGE Publications.

** O First Draft é uma organização sem fins lucrativos, formada em 2015, dedicada a apoiar jornalistas, acadêmicos e tecnólogos que trabalham para enfrentar os desafios relacionados à confiança e à verdade na era digital. Ela fornece orientações práticas e éticas sobre como encontrar, verificar e publicar conteúdo proveniente da Web social.

*** O FiveThirtyEight, às vezes traduzido como 538, é um site focado na análise de pesquisas de opinião, política, economia e blogs de esportes.

 

Redes Sociais

 redetwiter redeface redeflick  redelinkedin

bannerbotton livro