Sidão e repórterNo jornalismo, o esporte informa, mas também flerta com o entretenimento. E não só isso: é extremamente poroso às pressões de anunciantes, o que pode minar muito a sua credibilidade. Fazer promoções para envolver o público sempre fez parte do jornalismo esportivo. Mas quando a questão mercantil se torna a alma da coisa, tudo fica para trás: a informação, a graça, o respeito, a dignidade humana.

Nessa história, a Globo não foi mais ética porque cumpriu com seu compromisso comercial ou porque respeitou a vontade popular. Foi insensível e perversa ao humilhar Sidão. E se não foi ética com sua repórter, expondo-a desnecessariamente, a Globo desprezou o jornalismo e a ética.

Dizer não

A Globo poderia exercer seu poder de veto e se recusar a entregar o prêmio a Sidão. Em duas palavras: dizer não.

Negar-se a fazer algo que pode contrariar seus valores é tão importante quanto afirmar seus valores. As Organizações Globo adotaram publicamente seus princípios editoriais em 2011. Isso revela maturidade do grupo, sinaliza preocupação com qualidade e ética, e estabelece um outro contrato de leitura com sua audiência.

Alguém pode argumentar que o caso Sidão não se enquadra nisso por se tratar de efeito colateral de uma ação de marketing. Não é tão simples. A emissora é um meio de comunicação de massa, depende de concessões públicas para explorar o meio TV e deve contrapartidas sociais (conforme a Constituição Federal). Mesmo quando não faz jornalismo, precisa agir com responsabilidade. Faltou dizer não ao deus mercado.

O não é importante. O mundo não vive apenas de consensos. Falta considerar, por exemplo, que o "não" faz parte do debate democrático sobre a reforma da Previdência. A Juliana Freire chama a atenção para uma certa adesão da mídia ao drama dos cortes na educação, sem a esperada pegada crítica quando o tema é o novo modelo de aposentadorias que o governo quer implantar no país.

Fonte: Ethos - Newsletter edição 56

Este é um produto do Observatório da Ética Jornalística (objETHOS), uma realização de professores e estudantes do Departamento e do Programa de Pós-Graduação em Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil.

Para entender o Caso Sidão

Caso Sidão: repórter da Globo chorou, revela colega*

Os bastidores do fim da transmissão de Santos X Vasco da Gama pela TV Globo foram tensos. Responsável por ter de entregar o troféu de “Craque do Jogo” a Sidão, Júlia Guimarães não conteve a emoção após deixar de aparecer na telinha. Ela chorou em meio à situação constrangedora na tarde de domingo, 12. A informação sobre o choro foi divulgada por Marco Bello, repórter da equipe esportiva da Transamérica de São Paulo.

“Uma cena absolutamente constrangedora, o troféu entregue para o Sidão. Para a repórter e para o jogador. Alguém da emissora deveria ter interferido e vetado essa situação. Repórter chorando e jogador saindo de campo quase chorando. Péssimo”, afirmou Marco Bello. A informação foi publicada pelo repórter em seu perfil no Twitter. O jornalista estava no estádio do Pacaembu e acompanhou de perto a história protagonizada pela TV Globo.

Marco Bello destacou, ainda, o profissionalismo do goleiro do Vasco diante do momento constrangedor do qual foi alvo. “Quero destacar também a hombridade do Sidão, que segundo ele mesmo viveu hoje o pior dia da carreira, mas parou para receber o tal troféu e depois parou para falar com as rádios, mesmo segurando as lágrimas. A partir de hoje, independentemente de bom ou mau goleiro, sou fã desse cara”, relatou o contratado da Transamérica.

Consciência tranquila

Visivelmente sem jeito em ter de entregar o troféu de “Craque do Jogo” ao goleiro do Vasco, Júlia Guimarães explicou que a premiação era em decorrência de votação definida somente por internautas. Enquanto a jornalista mostrava a placa às câmeras, a emissora colocou no ar a vinheta e o logo tradicionais do formato de “Craque do Jogo”. Pelas redes sociais, a repórter se posicionou. “Tenho a consciência tranquila de que o Sidão sabe o respeito que tenho pelo profissional e pela pessoa que ele é”, publicou no Twitter e no Instagram. Ela não falou nada a respeito do choro.

Júlia Guimarães não foi a única funcionária da TV Globo envolvida no jogo Santos X Vasco que se posicionou. O comentarista Walter Casagrande Júnior usou o Facebook para criticar a decisão da emissora em expor o goleiro. “Eu quero pedir desculpas ao Sidão por essa ironia de mau gosto com esse troféu ridículo. O Sidão é um trabalhador honesto e merece respeito de todos, me desculpe mesmo”!, garantiu o cronista esportivo.

“Craque do Jogo”?

O caso envolvendo Sidão comoveu atletas e jornalistas. Integrantes do programa ‘A Última Palavra’ (Fox Sports), por exemplo, fizeram questão de se criticar o episódio promovido pela TV Globo. Em conjunto, jogadores do Palmeiras repudiaram o caso e prestaram solidariedade ao arqueiro. Decisão similar teve o Santos Futebol Clube, que usou suas contas nas redes sociais para tornar público: torce pela volta por cima do esportista.

Criticado sobretudo nas redes sociais, o Grupo Globo se posicionou. Em nota oficial veiculada no Globoesporte.com, a empresa pediu desculpas ao goleiro do Vasco. Também informou que o formato para a escolha do destaque de cada partida transmitida pela TV aberta será modificada. A opinião da maioria dos internautas não será mais soberana. Contará como um “voto”, sendo que a eleição do “Craque do Jogo” contará com a validação dos comentaristas da casa. Antes do estopim de domingo, a emissora já tinha entregue placas de “craques” a Márcio Araújo (Chapecoense) e Rodinei (Flamengo).

Evitando a “zoeira”

Além de pedir desculpas ao goleiro, o Grupo Globo aproveitou para detalhar como funcionará a eleição do “Craque do Jogo” de agora em diante. Sinalizou, ainda, que a votação de ontem foi propagada por “zoeira” vinda da internet. Confira, abaixo, a íntegra da nota oficial.

A partir da próxima quarta-feira, quando começam as oitavas de final da Copa do Brasil, a votação do Craque do Jogo terá um novo formato. O público seguirá tendo voz através das enquetes na página globoesporte.com/craque, agora em companhia dos comentaristas da TV Globo, que terão direito a voto.

Neste domingo, houve movimento na internet para votação em massa em Sidão na enquete do jogo entre Santos e Vasco, que acabou com vitória do Peixe por 3 a 0. A zoeira começou depois do erro do goleiro vascaíno no primeiro gol santista. Na saída do campo, Sidão, abatido mas educado, reconheceu a falha e recebeu o troféu de Craque do Jogo.

Sem deixar de reconhecer a opinião do público, a mudança no formato tem o objetivo de premiar os jogadores que tiveram atuação de destaque em cada partida

O Grupo Globo aproveita para pedir desculpas a Sidão pela situação de constrangimento ao fim do jogo no Pacaembu. O goleiro é um profissional de alto nível no futebol brasileiro que estava em seu ambiente de trabalho depois de uma jornada difícil. Reconhecemos que a entrega do troféu não foi adequada na ocasião e agradecemos a educação de Sidão no momento de tensão.

Entregando a paçoca?

A nota oficial do Grupo Globo, porém, não menciona a postura adotada pelo Globoesporte.com. Ao divulgar no Facebook o lance em que Sidão falha, a equipe do site cravou que o goleiro “entregou a paçoca”. A chamada foi criticada por internautas. O conglomerado de mídia não comentou a postagem e nem explicou se ela estaria em acordo com o propagado pelos princípios editoriais mantidos pela empresa.


*Artigo publicado no Portal Comunique-se.

 

Redes Sociais

 redetwiter redeface redeflick  redelinkedin

bannerbotton livro