Facebook TimeO jornal britânico The Sunday Times publicou editorial, neste domingo, questionando o poder do Facebook e até que ponto os conteúdos da big rede estão contribuindo  para aumentar a taxa de suicídio, principalmente de jovens, no Reino Unido. Não é de hoje que vários países da Europa estão de olho nos gigantes da Internet, além do Facebook, o Google e outras redes poderosas, não apenas pelo uso do conteúdo, que contém dados de milhões de pessoas, quanto pela forma de negócio.

Os governos europeus, principalmente do Reino Unido e da França, cobram melhor transparência dessas empresas de Internet nas informações e na forma como usam a publicidade online e colocam mais restrições ao uso de informações privadas, armazenadas gratuitamente pelas redes. Há anos, elas também são questionadas por manterem as sedes em países onde os impostos são bem mais baratos do que nos Estados Unidos ou no Reino Unido, entre outros países europeus.

Editorial

“Surpreendentemente, passaram-se apenas 15 anos desde que o Facebook surgiu. Hoje, não é apenas onipresente - mais de 50% da população do Reino Unido e um terço das pessoas em todo o mundo usam o Facebook -, mas também é uma máquina lucrativa. Os últimos resultados da empresa mostraram que as receitas trimestrais aumentaram 30%, para US $ 17 bilhões, enquanto os lucros aumentaram mais de 60%, para quase US $ 7 bilhões. O número de usuários no mundo aumentou 9% em um ano antes.

"O Facebook, junto com outros gigantes da tecnologia, trabalhou bem o sistema político. Nick Clegg, ex-vice-primeiro ministro da Grã-Bretanha e hoje chefe de assuntos globais do Facebook, é apenas o mais recente exemplo da porta giratória entre o Vale do Silício e Washington, Whitehall e Westminster. David Cameron, parceiro de coalizão de Sir Nick, era regularmente acusado de estar muito próximo do Google. Os gigantes da tecnologia descobriram que é relativamente fácil evitar as leis de monopólio e antimonopólio,  porque os políticos não entenderam os novos monopólios ou porque as empresas conseguiram explorar brechas nas leis que foram fixadas em uma época diferente.

"O Facebook chegou onde está, fornecendo um serviço popular que, como nos lembra Dominic Lawson, tem um potencial para o bem e o mal. Mas desde o início houve um lado implacável e intratável na rede social. Começou numa controvérsia, quando seu fundador, Mark Zuckerberg, viu os gêmeos Winklevoss, que alegaram que aquilo que se tornou o Facebook foi ideia deles. Qualquer pessoa que lide com a empresa vai testemunhar uma experiência semelhante à de ter os dentes extraídos sem anestesia.

"Agora, os custos humanos da busca por crescimento e lucro são evidentes. Não pedimos desculpas por retornar à questão dos suicídios entre os jovens e à culpabilidade dos gigantes da tecnologia. Conforme relatamos hoje (O The Sunday Times publicou neste domingo uma reportagem sobre suicídios entre jovens, no Reino Unido), os números oficiais a serem publicados no final deste ano mostrarão que a taxa de suicídio entre os jovens de 15 a 19 anos aumentou pelo quinto ano consecutivo. (Na Grã-Bretanha).

“Dame Sally Davies, a médica-chefe, publicará um relatório dizendo que os gigantes da tecnologia têm o dever de proteger os jovens usuários de materiais que os empurrem para o suicídio e a automutilação. Damian Hinds, o secretário de educação, faz eco disso, dizendo que as empresas têm um "dever moral de agir". Um documento oficial do governo este mês vai determinar que as plataformas de mídia social  protejam os usuários contra materiais que promovam métodos suicidas e de automutilação.

"Roger McNamee, um dos primeiros investidores e consultor do Facebook e Google, é autor de um livro com o título Zucked: Waking Up to the Facebook Catastrophe. Ele está reduzindo suas críticas aos gigantes da tecnologia por tirarem proveito de 50 anos de confiança e boa vontade “para monitorar todas as nossas ações on-line e monetizar dados pessoais”, promovendo “discursos de ódio, teorias de conspiração e desinformação”.

"É espantoso quão cegos os gigantes da tecnologia, povoados pelos super espertos e pelos amplamente considerados como alguns dos negócios mais bem sucedidos do planeta, têm sido, para o criticismo que se construiu contra eles. Mesmo uma fração dos US$ 7 bilhões de lucros que o Facebook fez, em seu último trimestre, teria sido suficiente para expurgar sua plataforma do material suicida e de autoflagelação e também para poder lidar com o sentimento de pesar dos pais enlutados, desesperados pra não verem outros jovens trilhando um caminho trágico.

"Um ponto de inflexão pode ter sido alcançado. O Federal Cartel Office da Alemanha tem se mobilizado contra o uso de dados de usuários pelo Facebook, enquanto a França deve incorporar reguladores dentro do Facebook como parte de um movimento contra a disseminação do discurso de ódio. Sir Nick pareceu admitir na semana passada que as coisas estão mudando, dizendo que a questão era "não mais sobre se as mídias sociais deveriam ser regulamentadas, mas como elas deveriam ser regulamentadas".

"A julgar pela experiência anterior, os poderosos lobistas empregados pelo Facebook e outros gigantes da tecnologia trabalharão furiosamente para minimizar os efeitos de quaisquer novas regras sobre o modo como operam. Eles não devem ter permissão para ter sucesso."

Outros artigos sobre o tema

'Suicidal Generation": tragic toll of teens double in 8 years

A crise dos suicídios atinge níveis preocupantes

Como o Facebook administrou a crise dos vazamentos

Redes Sociais

 redetwiter redeface redeflick  redelinkedin

bannerbotton livro