PeléPelé completa 70 anos. Para qualquer pessoa chegar com saúde, lucidez, realizado e admirado, nessa idade, já seria uma grande vitória. Mas os 75 anos de idade do maior jogador de futebol de todos os tempos tem significado especial para a maioria dos brasileiros e fãs do futebol pelo mundo.     

Nenhum nome atravessou pelo menos seis décadas sendo praticamente unanimidade nacional como é o caso de Pelé. Poucos heróis da história, presidentes, cantores, artistas populares ou qualquer outro atleta de renome sobreviveram na memória popular por tanto tempo. Sumiram na poeira da história. 

Pelé não. Ele se mantém, aos 75 anos, tão popular quanto foi a vida toda. O cidadão Edison Arantes do Nascimento conseguiu uma mistura perfeita entre o homem e o mito, a ponto de não sabermos quem realmente está fazendo aniversário. Mas esqueçamos o mito e nos fixemos no brasileiro Edson, filho de família humilde, nascido no estado de Minas Gerais e jogador de futebol nas ruas da cidade de Bauru, localizada no interior do estado de São Paulo.Ele driblou o destino e fez do esporte o caminho para a glória, num tempo em que raramente um jogador de futebol, negro e pobre, podia obter prestígio internacional e muito menos viver apenas das vitórias e dos lucros.    

Pelé, como nenhum outro colega de seu tempo, não apenas se valeu do talento para conquistar tudo, como soube se manter acima das vaidades, dos apelos baratos e das amizades interesseiras, que destroem precocemente carreiras brilhantes. Ele soube passar incólume pela diversas fases do futebol, tanto no auge da forma, quanto fora dos gramados. Aceitou, quando muito, uma incursão no futebol americano, apenas porque sonhava expandir o “soccer” para o país do basquete.Como esse rapaz humilde conseguiu driblar os apelos, sobrevivendo à bajulação de reis, rainhas, presidentes, políticos, celebridades de todos as espécies? Talvez porque a estrela de Pelé sempre foi mais brilhante do que a de todos os que cortejaram-no. Maradona e outros atletas de glórias efêmeras buscaram igualar-se a Pelé, mas nada se compara à genialidade do Rei.  

Mesmo fora dos gramados, ele se transformou praticamente numa unanimidade internacional. Crianças, jovens, adultos que nunca o viram jogar, são fascinados pela figura carismática e cativante do Rei do futebol. Deslumbram-se com os lances geniais que o cinema, a televisão e a fotografia conseguiram eternizar. Quem teve o privilégio de vê-lo jogar, jamais poderá esquecer.Certamente é a única celebridade mundial conhecida em todos os recantos do planeta Terra, desde as mais desconhecidas aldeias da África aos mais ricos e luxuosos palácios da Europa.

A presença de Pelé na história do esporte brasileiro e as comemorações de seus 75 anos são boas oportunidades para a juventude, que desponta para o esporte, aprender como conviver com a fama, o dinheiro e até com a derrota.Pode-se até discordar de Pelé em vários aspectos. Ele sempre evitou engajamento político. Os partidos políticos da esquerda e da direita tentaram seduzi-lo, mas até isso ele conseguiu driblar. Pode-se questionar seu posicionamento no período da ditadura e pré-democracia. Ele procurou passar incólume, sem se engajar, pelos delicados períodos da história brasileira.

Tentaram separar o atleta do homem público. Nem por isso ficou livre do patrulhamento.O sucesso no futebol pode não ter sido replicado na vida pessoal, marcada por muitos amores e alguns dissabores. Mas, embora Pelé sempre fosse notícia, por qualquer coisa que fizesse, ele procurou não transformar seus dramas pessoais em manchetes de jornais, como hoje se tornou comum no meio das celebridades. Ou seja, Pelé soube ser célebre, com elegância e discrição, apesar do assédio permanente dos fãs, das autoridades e da mídia.    

Por isso, à parte sua história de vida, que nem sempre teve a unanimidade no próprio país, não há quem fique indiferente à sua presença iluminada, em qualquer lugar que Pelé vá. É o maior embaixador do Brasil no exterior, pelo carisma, admiração, respeito pelos semelhantes e, principalmente, porque todas as platéias sabem que até hoje não surgiu um jogador de futebol capaz de sequer fazer sombra a Pelé.O jogador, apesar de celebridade, soube como ninguém lidar com a fama e a mídia, um ingrediente indigesto para qualquer pessoa, ainda mais para quem nasceu pobre como Pelé. Mas por ser gênio, sem deixar de ser humilde, até mesmo esse assédio ele aprendeu a driblar. Sem se empolgar tanto, não se transformou nessas celebridades chatas, que vivem agredindo fotógrafos e jornalistas, fugindo dos paparazzi e se escondendo atrás de assessores e seguranças.

Por isso foi sempre respeitado pela imprensa, que até nos momentos conturbados de sua vida pessoal soube separar o atleta genial do cidadão Edison Arantes do Nascimento. De tanto ser louvado por jornalistas, poetas, escritores, cantores, compositores, Pelé se transformou em  sinônimo de alguém brilhante naquilo que faz.

O jornalista e escritor Armando Nogueira resumiu numa frase tudo que nós pensamos sobre esse menino precoce, campeão do mundo aos 17 anos: "Pelé é tão perfeito que se ele não tivesse nascido gente, teria nascido bola".
Feliz aniversário, Rei Pelé.  (23/10/10)

Redes Sociais

 redetwiter redeface redeflick  redelinkedin

bannerbotton livro