Trabalho presencial boaComo seriam nossas vidas futuras de trabalho, passado o medo da pandemia e a necessidade de retomar as atividades normais. As discussões entre os jornalistas e especialistas em trabalho e em saúde certamente levam em conta o que os CEOs das empresas estão admitindo, quando a pandemia reduz a ameaça e já permite reuniões de várias pessoas. Esse o tema de reportagem publicada em 12 de novembro último, no New York Times: What Bosses really think about the future of the Office.

 

 “As pessoas pensam sobre o escritório de forma diferente agora - incluindo os CEOs, que por muito tempo ficaram de olho nos funcionários que estavam em suas mesas.”

“Chefes que antes apreciavam o tempo presencial tornaram-se menos apegados a elevadores e salas de conferência lotadas. Executivos que foram promovidos, ao passarem 15 horas por dia sentados em cadeiras Aeron, sob iluminação fluorescente, agora aceitam que o dia de trabalho às vezes pode terminar às 15 ou às 23h, dependendo do que for melhor para o funcionário. E os CEOs, ansiosos por atrair jovens trabalhadores, estão se adaptando às novas normas e percebendo como seria bom ter tido mais flexibilidade no início de suas carreiras, quando tinham filhos pequenos.”

E, no entanto, após carreiras gastas subindo na escada corporativa, muitos CEOs não podem deixar de desejar o escritório também. O contato humano, o grupo, o compartilhamento de ideias é o insumo do clima interno da corporação.

“Eu sinto falta de reuniões em que você pode se levantar e ir até o quadro branco desenhar o que está pensando e deixar que outras pessoas vejam”, disse ao NYT, Sundar Pichai, presidente-executivo do Google e de sua empresa controladora, a Alphabet.

Com todas as vantagens de um “home-office” (trabalho em casa), principalmente evitando deslocamentos, aglomerações, intempéries climáticas, congestionamentos, risco de doenças, propiciando economia de combustível ou transporte, redução da poluição e outras vantagens menos quantificáveis, as empresas sabem que os empregados precisam estar presentes, na maioria das grandes empresas.

Segundo o NYT, “a ampla deferência aos funcionários é uma mudança radical para a América corporativa. Durante décadas, os trabalhadores trabalharam mais horas e dias extras, trabalhando, em média, um mês inteiro adicional a mais por ano do que em 1980, de acordo com o Pew Research Center. Dado isso, e o fato de que os salários não acompanharam os aumentos de produtividade, talvez não seja surpreendente que os funcionários estejam ansiosos para continuar trabalhando em casa, reivindicando algum grau de independência.”

Nossas vidas futuras de trabalho.

trabalho remoto“À medida que a pandemia se arrasta, o mesmo ocorre com a profunda reorganização da vida no trabalho e no escritório. Depois de um ano sem deslocamento, muitos trabalhadores de colarinho branco se acostumaram com a flexibilidade de trabalhar em casa. As empresas estão reavaliando se precisam alugar grandes espaços de escritório com a volta de tão poucos empregados. Um número recorde de trabalhadores dos EUA deixou seus empregos em setembro enquanto continua uma onda de demissões, decorrente de protestos de outros milhares contra o pagamento ou as condições de trabalho”, diz o jornal de Nova York.

Nos EUA, segundo o NYT, “Os empregadores estão lutando para saber como, quando e até mesmo se trarão os funcionários de volta ao escritório. Em conversas com líderes de empresas em uma ampla variedade de setores - as pessoas encarregadas de fazer a decisão final - o consenso era que não havia consenso.”

“Os CEOs estão lutando para equilibrar as mudanças rápidas de expectativas com seu próprio impulso de dar a palavra final sobre como suas empresas funcionam. Eles estão ansiosos para parecer receptivos aos funcionários que estão saboreando sua nova autonomia, mas relutam em abrir mão de muito controle. E eles estão constantemente mudando as políticas em resposta às demandas dos trabalhadores, reexaminando aspectos de seus negócios que eles não poderiam ter consertado de outra forma.”

 Para ter uma ideia de como as mudanças na maré da pandemia irão moldar nossa vida profissional, na própria redação do New York Times os repórteres debateram esse tema bastante controverso, com a jornalista Emma Goldberg, que cobre os conflitos, no escritório, entre a Geração Z e a geração do milênio. Ela é a repórter que irá se concentrar nas relações de trabalho para o jornal, sempre uma pauta interessante e que mobiliza as redações.

“Você é o novo futuro repórter de trabalho do The Times. O que isso significa?” pergunta o colega.

“É uma missão empolgante porque é muito ampla - abrange tudo, desde a dinâmica social do local de trabalho e o design do escritório até se o próprio escritório tem futuro. Abrange tudo, desde o que significa produtividade e como ela é avaliada, até as implicações para a saúde pública de nosso retorno aos escritórios.”

“Como estão as coisas com o retorno ao cargo?” Pergunta o interlocutor. “Muitas empresas deveriam ter voltado aos seus escritórios em julho ou setembro, mas com o aumento da variante Delta, houve muitos adiamentos. Agora, algumas empresas estão dizendo que voltarão aos escritórios em janeiro ou no início de 2022. Há muitas incertezas no momento.”

A política de trabalho de Joe Biden, segundo os repórteres, deve fazer com que grandes empregadores e trabalhadores se sintam mais seguros. Alguns especialistas afirmam que as empresas de pequeno e médio porte seguirão seu exemplo. Assim, à medida que a exigência do passaporte da vacina (um tema sempre controverso, mas que aos poucos vai se tornando consensual nos grandes países) seja uma rotina implementada nos próximos 60 dias, eles admitem que os EUA podem começar a ver mais daquelas reaberturas tão evasivas finalmente começando a acontecer.

Que tendências moldarão nossa vida profissional nos próximos anos? Pergunta o interlocutor.

“Um grande problema é a questão da flexibilidade. Durante a pandemia, muitas empresas tiveram que enfrentar o fato de que algumas das normas do escritório, que foram tão fundamentais por anos, não eram necessárias para produzir uma grande produção de trabalho. Na verdade, eles estavam tornando as coisas realmente desafiadoras para algumas pessoas. Isso forçou um ajuste de contas entre os empregadores sobre que tipo de flexibilidade poderia ser oferecida aos trabalhadores.”

“Outra tendência é a guerra por talentos. No momento, há uma grande escassez de mão de obra, com taxas recordes de pessoas deixando seus empregos, o que torna o talento uma mercadoria escassa. Isso está levando as empresas a repensar as vantagens que estão oferecendo, desde aumentos a outros tipos de benefícios. E isso está acontecendo em todos os setores.”

“Também há conversas contínuas sobre o que as empresas podem fazer para apoiar o movimento por justiça racial. No verão passado, houve uma onda de compromissos de empresas prometendo repensar suas estratégias de diversidade, equidade e inclusão. Agora, um pouco mais de um ano depois, os trabalhadores estão acompanhando e perguntando quanto disso realmente deu certo e o que as empresas farão para cumprir as promessas iniciais que fizeram.”

Uma excelente pergunta feita pelo colega: Como a pandemia mudou a cultura de trabalho?

“As empresas que se tornaram remotas ou híbridas no ano passado tiveram que repensar o que significa construir cultura quando os trabalhadores não estão sentados lado a lado. Para algumas empresas, significa organizar festas de fim de ano virtuais e esculturas de abóboras. Outros estão fazendo com que seus funcionários façam caminhadas virtuais juntos, o que significa que cada um separadamente faz caminhadas, mas chamam uns aos outros enquanto fazem isso. E ainda outros estão descobrindo que seus funcionários sentem falta de estar juntos pessoalmente, e eles estão voltando para suas mesas para se divertir, mesmo que não seja obrigatório.”

Não são poucos os estudos sobre esse tema, demonstrando que o isolamento em casa ou em escritórios privados, sem contato pessoal com os chefes e colegas não tem sido um benefício para o clima da organização, principalmente nas empresas que dependem do trabalho em equipe. Por isso, grande parte das grandes empresas, com a redução dos índices de contágio da Covid-19, estão determinando pelo menos a volta de 50% do quadro de pessoal.

E quanto às mudanças de longo prazo em nossas vidas profissionais?

trabalho presencial boa foto 2“Algo que ouvi de muitas pessoas no ano passado é que a pandemia forçou um acerto de contas com o valor que as pessoas atribuem às suas carreiras e ao papel do trabalho em suas vidas. Isso os forçou a questionar o que realmente os faz felizes e como construir um equilíbrio entre trabalho e vida que pareça mais sustentável. Essa mentalidade pode levar a uma grande mudança na quantidade de tempo e energia que dedicamos ao nosso trabalho ou na forma como traçamos os limites entre o trabalho e a vida.”

Os repórteres debateram também, o que os patrões querem, o que seria melhor para a empresa, nesse momento, sabendo que há ainda uma grande distância para dizer que as coisas estão voltando aos tempos anteriores à pandemia.

Para a entrevistada, “os CEOs estão lutando para saber como e quando trazer funcionários de volta ao escritório - ou se eles precisam mesmo trazer funcionários de volta. Muitos estão ansiosos pelo retorno dos funcionários, mas também têm medo de alienar aqueles que se acostumaram a trabalhar em casa.

O novo normal

“As preferências estão mudando durante esta pandemia”, disse Tim Ryan, presidente da PwC, empresa de contabilidade e consultoria nos Estados Unidos, que anunciou que deixaria seus empregados, nos Estados Unidos, trabalharem remotamente para sempre.

“Sabíamos que há um segmento do nosso pessoal que gostaria não apenas de trabalhar com flexibilidade, o que já tínhamos implementado, mas de trabalhar de forma totalmente virtual.” As abordagens divergentes - e prioridades - estão em exibição a menos de um quilômetro de distância uma da outra, em Chicago.

No final deste verão, a Upwork, uma empresa de tecnologia que combina empregos com freelancers, sediada na Califórnia, deu as boas-vindas aos funcionários de volta ao seu escritório no centro da cidade depois de mais de um ano de sono induzido pela pandemia. Semanas depois, com preocupações sobre a montagem da variante Delta do coronavírus, o executivo-chefe da Upwork, Hayden Brown, decidiu fechar o escritório mais uma vez.

Os funcionários da Upwork estão ajudando a moldar as políticas da empresa e a determinar o futuro de sua vida no escritório compartilhado. “Acho que eles têm mais poder agora”, disse Hayden Brown, presidente-executivo da Upwork. “As empresas estão ouvindo seus funcionários mais do que nunca, e acho que isso ocorre em parte porque a guerra por talentos é maior do que nunca.”

E o trabalho pessoal, como fica? Para Chris Merrill, cofundador e presidente-executivo da Harrison Street, a romantização do trabalho remoto é uma bobagem.

“Estar no escritório faz sentido”, disse ele “É muito, muito importante que os mais jovens estejam juntos. É aí que eles aprendem. É onde eles crescem. É aí que você vai criar mobilidade ascendente.”

E quais as desvantagens de permanecer indefinidamente no trabalho remoto? Aulas online têm futuro como uma prática definitiva? O nível de aprendizagem seria o mesmo das aulas presenciais, por exemplo?

“Andi Owen, a presidente-executiva e CEO da MillerKnoll, um coletivo de marcas dinâmicas e uma das maiores e mais influentes empresas de design moderno dos EUA, alertou que os trabalhadores que resistem em voltar ao escritório podem se ver isolados e em desvantagem.” As coisas podem estar acontecendo “ao vivo” e o empregado em casa, mesmo que seja muito eficiente, criativo e autossuficiente não participa e pode até não saber o que está acontecendo.

“Uma das minhas maiores preocupações é que teremos órfãos remotos”, disse ela. “Andar pelo corredor até o escritório de alguém e bater na porta, ou dar um passeio em vez de marcar um compromisso de vídeo, essas coisas são mais fáceis de fazer pessoalmente.”

“O mundo está evoluindo. Mudamos como sociedade e mudamos o que sabemos que podemos fazer”, diz Andi Owen. ”

Os benefícios da flexibilidade

Trabalho remoto com mascarasLiz Fraser, a executiva-chefe da Kate Spade, trabalhou incansavelmente durante anos e agora tem uma filha de 18 anos. Ela disse que gostaria de ter tido mais oportunidades de trabalhar remotamente no início de sua carreira. Um drama que as mulheres executivas enfrentaram por muitos anos, na dupla tarefa de serem líderes eficientes e mães presentes e cuidadosas.

“Teria sido uma virada de jogo para mim ter um pouco mais de flexibilidade para poder fazer minhas reuniões de casa à tarde”, disse ela. “Eu definitivamente viajei muito e trabalhei muito duro, e eu queria. Eu não me arrependo. Mas não existe tempo de qualidade. Só há tempo.”

O tempo é o ativo que jamais será reposto na vida do empregado e do executivo, por isso a volta à vida normal tem feito muita gente se perguntar: como nós trabalhávamos, fazíamos reunião, assistíamos as aulas era melhor do que se voltarmos como era no passado?

Outros artigos sobre o tema

What Bosses really think about the future of the Office

Post-Covid work patterns must not be imposed by bosses with an eye on cost

Volta ao trabalho presencial abre debate sobre os novos espaços

Empresas devem voltar ao trabalho presencial em 2022

How should our workplaces look post-pandemic? Far better

 O retorno ao trabalho presencial é como adquirir um novo músculo

 

Redes Sociais

 redetwiter redeface redeflick  redelinkedin

bannerbotton livro