Trump ataca jornalista nov 2018

 

O jornal britânico The Guardian resumiu bem o episódio de ontem que aconteceu durante entrevista de rotina do presidente Trump, na Casa Branca. ‘Foi um outro dia selvagem em Washington, quando Donald Trump e a Casa Branca se atacaram, durante explicações sobre os grandes contratempos eleitorais do presidente.” Basta o presidente não gostar de uma pergunta e ele desqualifica o entrevistador, defende-se com evasivas, transformando tudo numa simplória classificação de ”fake news”. Uma forma deselegante e esquiva de não responder a questões complicadas.

Para o The Guardian, “Republicanos alertam Trump para não fechar inquérito na Rússia - como tem acontecido”. "Mas, ao que se depreende da demissão do Procurador Geral, Jeff Sesions, de quem o presidente já falava poucas e boas, numa clara demonstração de que não respeita nem quem é de seu “staff”, tudo indica que ele não convive bem com essa investigação. Só que agora o Congresso tem maioria na Casa dos Representantes para atuar nas Comissões e pode até determinar investigações que o presidente não quer."

Aqui é onde as coisas estão, diz o The Guardian

Para o jornal britânico, “Os democratas assumiram o controle da Câmara dos Deputados. Embora pareça improvável que a recém-investida oposição tente imediatamente impedir o presidente, os democratas do Congresso provavelmente irão rapidamente investigar questões, incluindo as finanças pessoais de Trump, alegações de corrupção e possível conluio com a Rússia.”

Trump realizou uma coletiva de imprensa caótica na qual ele se recusou a responder perguntas e atacou inúmeros repórteres, incluindo Jim Acosta, da CNN, Yamiche Alcindor, da PBS, e April Ryan, da American Urban Radio Networks.

Trump demitiu o procurador-geral Jeff Sessions, que há muito ele culpou por recusar-se a investigar a interferência russa em sua campanha. Trump nomeou Matthew Whitaker, um crítico de longa data da investigação de Mueller, como procurador-geral interino, provocando protestos de democratas e um punhado de republicanos no Senado que temem que Whitaker tente interferir com o conselho especial.

A Casa Branca revogou as credenciais de imprensa de Acosta, acusando-o de "colocar as mãos" em uma estagiária quando esta teria tentado arrancar um microfone das mãos do repórter. A intempestiva e inédita decisão foi recebida com consternação pela imprensa, até porque os repórteres que estavam ao lado do correspondente da CNN asseguram que em nenhum momento ele empurrou ou tocou na estagiária, que tentou arrancar o microfone da mão do repórter, o qual, naturalmente, resistiu e não entregou.

O presidente da Associação de Correspondentes da Casa Branca, Olivier Knox, emitiu uma declaração em resposta à revogação das credenciais de imprensa de Jim Acosta. Chamaou a ação da Casa Branca de “fora da linha da suposta ofensa” e “inaceitável”. Knox “exorta a Casa Branca a reverter imediatamente essa ação fraca e equivocada”.

CNN: "A secretária de imprensa Sarah Sanders mentiu"

Após a revogação das credenciais de imprensa de Jim Acosta pela Casa Branca, a CNN emitiu uma forte resposta ao acusar a secretária de imprensa da Casa Branca, Sarah Sanders, de inventar "acusações fraudulentas".

A declaração completa da CNN diz:

“A Casa Branca anunciou hoje a noite que revogou o passe de imprensa do correspondente da Casa Branca da CNN, Jim Acosta. Isso foi feito em retaliação por suas perguntas desafiadoras na conferência de imprensa de hoje. Em uma explicação, a secretária de imprensa Sarah Sanders mentiu. Ela fez acusações fraudulentas e citou e incidente que nunca aconteceu. Esta decisão sem precedentes é uma ameaça à nossa democracia e o país merece melhor. Jim Acosta tem nosso total apoio.”

A alegação da Casa Branca de que Jim Acosta “colocou as mãos” em uma estagiária feminina está sendo recebida com escárnio e descrença pelo corpo de imprensa da Capital americana, diz o jornal The Guardian.

O próprio jornalista reagiu à acusação da Casa Branca: "Isso é mentira", afirmou Acosta no Twitter, depois explicando a Anderson Cooper, da CNN, que a Casa Branca estava "tentando nos impedir. Eu acho que eles estão tentando enviar uma mensagem para meus colegas. ”

Segundo o Washington Post, "as credenciais tomadas de Acosta criaram uma tempestade nos círculos da mídia - e tiraram grande parte do foco da imprensa dos resultados da eleição intermediária (meio do mandato) e da demissão abrupta do Procurador Geral Jeff Sessions. É também o ciclo mais recente do complicado relacionamento do repórter com a alta cúpula da Casa Branca. Dependendo dos desdobramentos políticos, a mudança foi um ataque perigoso à Primeira Emenda, ou um castigo repugnante para uma discussão que poderia ter acabado de outra forma."

O repórter Chris Megerian, do Los Angeles Times, que estava próximo ao correspondente da CNN, escreveu no Twitter. “A Casa Branca diz que está suspendendo a credencial do jornalista Jim Acosta porque ele estava "colocando as mãos em uma jovem mulher" durante um momento acalorado na conferência de imprensa de hoje. Assista ao vídeo por si mesmo - isso não aconteceu”.

O repórter Jeff Mason, correspondente da Reuters, na Casa Branca, escreveu no Twitter: “Eu estava sentado ao lado de @Acosta na coletiva de imprensa de hoje e não testemunhei ele "colocando as mãos" na jovem estagiária, como a Casa Branca alega. Ele segurou o microfone enquanto ela pegava. As fotos do @Reuters abaixo mostram o que aconteceu com precisão.

Casa Branca fez retaliações contra o repórter da CNN

Jim Acosta o reporter que desafiou TrumpHoras depois do repórter Jim Acosta, da CNN, interrogar Donald Trump sobre suas alegações infundadas, chamando de uma “invasão” a caravana de migrantes que vêm do México e América Central, a administração Trump retaliou o repórter suspendendo seu acesso à Casa Branca “até novo aviso”. A suspensão se deve a um acalorada discussãoo entre o presidente e o repórter, quanto à terminologia usada por Trump para caracterizar a marcha para os EUA que milhares de migrantes fazem a partir da América Centrla.

Jim Acosta, correspondente da CNN na Casa Branca, estava questionando o presidente sobre sua retórica quando Trump tentou ignorá-lo. Acosta continuou fazendo perguntas em um microfone fornecido pela Casa Branca. Uma funcionária do sexo feminino pareceu tentar pegar o microfone da mão de Acosta, mas ele segurou. O funcionário depois agarrou com sucesso o microfone.

No mesmo dia, que teve uma tarde movimentada, após uma coletiva de imprensa de 1h30 min sobre as eleições de meio de mandato que deram aos democratas o controle da Câmara, Donald Trump demitiu o procurador-geral Jeff Sessions.

Aqui é onde as coisas estão:

Trump anunciava em um Twitter, que também nomeou o substituto, e que Jeff Sessions estava sendo substituído. Ele nomeou Matthew Whitaker como procurador geral em exercício. Sessions disse que estava renunciando a pedido de Trump.

Whitaker criticou repetidamente a investigação do advogado especial Robert Mueller sobre a interferência da Rússia na eleição de 2016 - investigação essa que se arrasta há muito tempo e está esperando no departamento de justiça, que Whitaker agora dirige. Segundo especulou a imprensa, o substituto de Sessions, Matthew Whitaker, não apoiava a investigação e o tema continuará sob polêmica, mesmo que este resolva arquivá-lo, já que o processo não foi concluído.

Analistas jurídicos alertaram que o desligamento de Sessions poderia abrir caminho para uma crise constitucional, se Whittaker fechasse prematuramente a investigação de Mueller.

Os democratas, incluindo o senador de Nova York, Chuck Schumer, conclamaram Whitaker a se retirar da investigação de Mueller. Quando Sessions se retirou da investigação no ano passado, seu relacionamento com Trump azedou.

O destempero de Trump não ficou somente com o repórter da CNN. Na coletiva de imprensa, Trump atacou uma repórter negra, declarou-se um "líder moral" e disse que os mandatos eram uma "vitória completa" para os republicanos.

Trump também foi perguntado sobre o futuro de Jeff Sessions. Ele respondeu: "Eu prefiro responder a isso em um momento diferente".

A reação do britânico “The Telegraph

“O confronto de Trump com a CNN está sendo criticado por uma razão muito importante. O último confronto de Donald Trump com a mídia levantou algumas questões importantes sobre a obrigação dos governantes de seguirem um princípio de “accountabilyty” (devem prestar contas de suas ações).

“Durante uma coletiva de imprensa na quarta-feira, Jim Acosta, correspondente chefe da Casa Branca para a CNN, tentou perguntar a Trump sobre a investigação em curso da Rússia.

“Como amplamente divulgado pela mídia internacional, o presidente respondeu a essas perguntas com insultos sobre os baixos índices de audiência da CNN e as “falsas notícias” que ele afirma que relatam.

“Durante a troca contenciosa, Trump chama Acosta de "uma pessoa grosseira e terrível". Uma funcionária da Casa Branca tentou pegar o microfone de Acosta, mas ele não cedeu. "Isso é o suficiente, basta", disse o presidente, antes de dizer a ele que se sentasse e baixasse o microfone.

“Mais uma vez, Trump chamou a mídia de "inimiga do povo".

Toda a interação atraiu críticas de pessoas on-line, que estão se perguntando quando, ou se, Trump será responsabilizado por suas palavras voláteis e clara agressão contra a mídia que está literalmente tentando fazer o seu trabalho.”

New York Times reage com Editorial

New York times reageUm dia depois do presidente Trump ter batido boca com o repórter Jim Acosta, da CNN, e cassado sua credencial, o jornal The New York Times reagiu com um denso editorial, defendendo o jornalista.

“As relações entre presidente e imprensa sempre foram difíceis, como deveriam ser. O papel da mídia em questionar e desafiar o poder é tão fundamental para a democracia quanto o voto. Mas por mais que os presidentes enraivecidos tenham enfrentado repórteres, nenhum se afastou tanto além dos limites aceitos como o presidente Trump.

“É verdade que a suspensão da credencial de Jim Acosta, da CNN, parece não estar no topo da lista de indignação que Trump tem preenchido, especialmente depois de uma eleição intermediária, em que a demagogia do presidente desempenhou um papel tão central e coincidiu, como o forçar a renúncia de um procurador-geral que ousasse colocar a lei e a propriedade acima de lealdade covarde.

“O Sr. Trump demonstrou amplamente sua incapacidade de lidar com críticas ou perguntas difíceis de qualquer outra forma que não seja imediatamente, com raiva e contra-ataque grosseiro. Acosta provocou fúria no presidente, e o fez novamente na quarta-feira, com perguntas sobre a "caravana" de migrantes da América Central e sobre a investigação na Rússia.

“A raiva é uma coisa, mas ao suspender a credencial da imprensa de Acosta, Trump sinalizou que, em sua opinião, fazer perguntas difíceis - a função mais básica de um repórter - desqualifica os jornalistas de comparecer aos briefings da Casa Branca. Que a secretária de imprensa de Trump, Sarah Huckabee Sanders, usaria então a alegação falsamente comprovada de que Acosta colocara “suas mãos em uma jovem mulher” como pretexto para jogá-lo cinicamente fora.

“O que é mais alarmante no incidente de Acosta é sua ilustração da extensão da ignorância de Trump sobre o papel de uma imprensa livre na tradição e democracia americanas e sobre o papel do presidente em defendê-la. Ninguém argumentaria que a mídia de notícias é infalível e que, na terrível polarização da sociedade americana, os repórteres se sentiriam alvo de ataques por fazerem seus trabalhos. O Sr. Acosta, por exemplo, foi franco em sua frustração com a operação de imprensa da Casa Branca.

“Mas é o Sr. Trump, com sua incessante demonização de “notícias falsas” e caracterização inflamatória de organizações jornalísticas como o “inimigo do povo”, que sistematicamente e perigosamente fez tudo em seu poder para minar uma imprensa livre e independente. Que alguém como o senador Lindsey Graham, o republicano da Carolina do Sul que com certeza conhece melhor, se una em atacar a imprensa, ressalta a eficácia do veneno de Trump.

“O Sr. Trump não é susceptível de moderar sua retórica. Mas aqueles que ele ouve, incluindo Sanders, o senador Graham e os executivos da Fox News, deveriam tentar sensibilizá-lo para o perigo de confundir lealdade a Donald Trump com lealdade à Constituição e à democracia.”

Fotos: Entrevista na Casa Branca: foto do Twitter de Jeff Mason; Jim Acosta, correspondente da CNN, foto de Evan Vucci/AP

Outros artigos sobre o tema

How CNN’s Jim Acosta became the reporter Trump loves to hate

Trump's confrontation with CNN is being criticised for a very important reason

How CNN’s Jim Acosta became the reporter Trump loves to hate

Casa Branca divulga vídeo do entrevero, com suposta alteração, diz Washington Post

O destempero de Trump na frente da imprensa

O confronto Trump X CNN que levou ao descredenciamento do jornalista

 

Redes Sociais

 redetwiter redeface redeflick  redelinkedin

bannerbotton livro