Siga-nos no Twitter

 

crise bancaria 2008Onde devemos olhar? Elas podem vir de qualquer lugar do mundo. Ao longo dos últimos 200 anos, elas começaram com frequência nos EUA, mas também poderiam começar na China. Essa é a especulação de Hamish McRae*, em artigo publicado no jornal britânico online Independent, neste sábado, ao comentar os 10 anos da maior crise financeira dos últimos anos no mundo.

"São 10 anos desde o início da última crise bancária, então quando a próxima estará chegando? Não é difícil ver sinais de estresse potencial em todo o mundo. Existem os aumentos dos preços dos imóveis em vários mercados importantes, incluindo o Reino Unido. Existe o aumento da dívida do consumidor em todos os lugares. E todos sabem que, mais cedo ou mais tarde, as taxas de juros globais terão que aumentar - o momento em que o estresse latente se torna um estresse real. Como Warren Buffett observou: "Somente quando a maré baixa, você descobre quem andava nu".

“Para a maioria das pessoas pode parecer monstruoso que haja algum perigo de outra crise bancária, ou mesmo a necessidade de manter as taxas de juros para evitar isso. Essa "cura" de taxas de juros quase zero ou mesmo negativas é quase pior do que a doença. O mercado negou aos devedores um retorno decente sobre o seu dinheiro, tornaram a propriedade da casa impossível para muitos e aumentou a desigualdade, inflacionando o valor dos bens dos ricos.

"No entanto, crises financeiras de algum tipo ou outro parecem ocorrer em intervalos de aproximadamente 10 anos. Essa é uma das observações extraordinárias em uma nova história do Banco da Inglaterra, que sai esta semana. Chama-se “Till Time's Last Stand”, escrita por David Kynaston, mais conhecido, na Grã-Bretanha, por sua série de livros sobre o pós-guerra. Considere este comentário, escrito por um conhecido jornalista financeiro, depois de ter havido uma mudança na legislação bancária: "O grande desejo por parte dos ingleses quanto à moeda e ao setor bancário é estar seguro".

“Esse foi Walter Bagehot, escrevendo em 1844 sobre o novo Banking Act, pouco antes de mais um acidente financeiro, desta vez desencadeado pela queda súbita no valor das ações ferroviárias americanas, um exemplo inicial da Grã-Bretanha sendo afetada por uma crise bancária dos EUA. Gradualmente, o Banco da Inglaterra aprendeu que era mais barato e menos perturbador encontrar algum meio de resgatar bancos que corriam risco de colapso, em vez de deixá-los quebrar. Mas isso levou à acusação, familiar no momento, de que os bancos recebem tratamento especial dos poderes, em geral.

“Após a crise de Baring em 1890 (1), Kynaston observa: "Em última análise, a lição da crise foi que o “establishment” sempre faria o melhor para cuidar da sua própria (crise); e em nenhum lugar mais do que na “City” de Londres ... "

"Pensamos na grande crise financeira de 2007/8 como um evento extraordinário, e de fato foi. Mas enquanto o dano era enorme, lendo através da conta de Kynaston, nos últimos 320 anos, em suas características, é notavelmente comum. Em nossa memória recente, houve a crise bancária secundária do início da década de 1970, a dívida do países menos desenvolvidos, no início dos anos 80, e o colapso do BCCI em 1991. O capítulo final é intitulado "Você simplesmente não sabe quando" que resume claramente o dilema enfrentado pelos reguladores bancários. Você poderia construir um sistema bancário totalmente seguro, mas não seria capaz de disponibilizar muito crédito para potenciais devedores.

"Pegue os empréstimos para habitação. Você diria que qualquer pessoa que deseje obter uma hipoteca teria que ter economizado por cinco anos com o banco em questão e então ele só poderia emprestar 80% do valor da propriedade. Isso foi praticamente a situação na década de 1950 no Reino Unido, se você fosse a uma sociedade de construção civil. Os reguladores bancários em todo o mundo optaram por tornar os bancos muito mais seguros, exigindo que eles aumentassem seu capital (embora na Europa ainda haja uma série de bancos sub-capitalizados que talvez precisem ser resgatados).

"Mas os bancos centrais tiveram que compensar as restrições aos empréstimos, causadas por uma regulamentação mais apertada, mantendo taxas de juros a níveis baixos, sem precedentes. Em nenhum momento desde 1694, ano em que o Banco da Inglaterra foi fundado, de fato, em nenhum momento registrado na história, como o economista-chefe do banco, Andy Haldane, observou, as taxas de juros foram tão baixas quanto agora. Isso não pode estar certo.

"Então, de onde virá a próxima crise financeira? David Kynaston é um historiador, não um analista financeiro, e ele certamente não está no negócio de previsão. Mas a regularidade das crises que ele mostra sugere que devemos esperar que algo dê errado, digamos, nos próximos cinco anos. (Ele anota no livro que elas costumam vir no outono.)

"Para onde devemos olhar? Elas podem vir de qualquer lugar do mundo. Ao longo dos últimos 200 anos, elas começaram com frequência nos EUA, mas também poderiam começar na China. É depois de toda a segunda maior economia do mundo. Ou eles poderiam começar no ciberespaço. Quais seriam as repercussões se os bitcoins perdessem o valor? Ou talvez, e esta seja minha principal preocupação, suponha que haja uma perda de confiança na dívida de um grande mutuário soberano, levando a um aumento das taxas de rentabilidade e um país desenvolvido pedir moratória?

"Na verdade, a história recente que para mim toca o pior sinal de alarme é que o otimismo dos investidores dos EUA está em alta há 17 anos, o mais alto desde 2000, assim como estava a bolha ponto.com, prestes a explodir. É o índice Wells Fargo/Gallup Investor and Retirement Optimism - os aposentados são particularmente otimistas, parece. Isso é estranho; eles deveriam ter as memórias mais apuradas. No entanto, acho que a próxima crise financeira não será tão grave quanto a última. Em uma visão longa, enquanto as crises surgem uma vez por década, as grandes crises realmente só chegam a cada meio século. Uma vez que tivemos uma grande em 2007/8, talvez esses aposentados estejam de certa forma certos em sua visão otimista do mundo."

*Hamish McRae é Editor-Adjunto do jornal online Independent, de Londres, e um dos mais respeitados jornalistas financeiros e analista do Reino Unido.

(1) A primeira crise do britânico Banco Baring, apelidada de Pânico de 1890, causou uma grande recessão econômica internacional embora tenha sido menor do que outras da época. Mesmo assim foi uma das mais famosas crises de insolvência de um país no século XIX.

 

Redes Sociais

 redetwiter redeface redeflick  redelinkedin

bannerbotton livro