news blog logo


news menu leftnews menu right

          twi1    face1    

Publicações

Serviços

servicos

Pesquisa no Site

Livros

Gestão de Crises e Comunicaçãolivroforni Troféu Cultura Econômica 2013

Enquetes

O que representa para o jornalismo a atuação do site WikiLeaks?
 
Os jornais devem cobrar pelo conteúdo on line de seus sites?:
 
Nós temos 26 visitantes online
Ministro britânico fala demais e provoca pânico PDF Imprimir E-mail
Sáb, 31 de Março de 2012 01:07

posto_sem_combustivelHá um provérbio italiano que diz: La parola è d'argento, il silenzio è d'oro. Francis Maude, chefe de gabinete do primeiro-ministro britânico, David Cameron, não deve conhecê-lo. Porque esta semana falou demais e gerou uma crise sem precedentes para o governo do Reino Unido.

Diante da ameaça dos sindicatos dos petroleiros ingleses de desencadear uma greve durante os feriados de Páscoa, o ministro recomendou à população estocar combustível extra, em um galão, na própria garagem de casa. “Essa é uma precaução sensata a tomar”, assegurou a autoridade na terça-feira.

Além de extremamente infeliz e contrária a qualquer recomendação de segurança, estocar combustível é uma prática ilegal. A partir deste fim de semana, começa o recesso de Páscoa, de duas semanas, nas escolas da Europa, período considerado de férias intermediárias. As famílias costumam viajar nesse período.

Na noite de quarta-feira, uma senhora de 46 anos, ao transportar combustível, na cozinha da própria casa, provocou um incêndio que a deixou “totalmente desfigurada”, porque as chamas tomaram conta do seu corpo. Está internada em estado grave. Diante da infeliz recomendação, membros do Parlamento inglês responsabilizaram o ministro pelo acidente e pelo pânico em muitos postos de gasolina do Reino Unido. “Ele agiu de maneira completamente estúpida e é o culpado pelas enormes filas nos postos de combustível”, disse um deputado.

A ameaça de greve e a recomendação da autoridade fez motoristas correrem aos postos para abastecer, antes dos feriados. Outros, porque precisam do carro para trabalhar. Serviços essenciais, como táxis e carros de serviço, foram prejudicados pelo alarme desnecessário, uma vez que os sindicatos asseguraram que só irão discutir o aumento após os feriados. Filas enormes nos postos da capital e do interior lembraram o período da crise do petróleo, na década de 70. O consumo de gasolina aumentou 170% na semana, e o de diesel 70%.

Um quinto dos 8 mil postos de combustível do Reino Unido estavam zerados ou racionavam na noite de sexta, 30. Muitos postos restringiam a venda à população. A Associação da Indústria do Petróleo descreveu a crise como "insanidade auto-infligida". O governo é acusado de desencadear o pânico ao recomendar um plano de contingência totalmente insano.

Como diz o jornal londrino The Guardian, “Como as bombas começaram a secar, o jogo da culpa começou”. A associação de proteção aos motoristas e os consumidores também culpam o governo pelo caos. E o sindicato dos petroleiros lava as mãos. “Uma bagunça totalmente desnecessária", disse o presidente da associação. “Não será surpresa se o resultado do conselho do ministro resulte na falta de combustível no pais”. O sindicato dos bombeiros chamou atenção dos ministros para fazerem "um anúncio público de segurança alertando para o perigo de estocar combustível em casa".

O que leva autoridades experientes a cometerem esses deslizes? No Brasil, existem casos históricos, não apenas com declarações infelizes em entrevistas, mas também em comentários captados por indiscretos microfones, como foi o caso do ex-Ministro da Fazenda, Rubens Ricupero, em 1993, quando falou bobagens antes de uma entrevista à TV Globo, sem saber que o microfone estava aberto. As declarações infelizes levaram o então presidente Itamar Franco a demiti-lo.

Os especialistas em Media Training atribuem esses deslizes em parte à necessidade de aparecer, querer ser simpático com os jornalistas. Ou à inexperiência da autoridade. É um momento de descontração, quando a fonte baixa a guarda e julga que a conversa não faz parte da entrevista ou que esta já acabou. O ministro inglês ainda tentou justificar sua infeliz declaração, dizendo que sua estratégia foi intensificar a pressão sobre o sindicato, que estava ameaçando desencadear a greve nos feriados. Nem assim, o conselho descabido se justificaria. Existem outras estratégias para negociar, que certamente não necessitariam de um conselho capaz de desencadear uma crise para o governo britânico, num momento em que crise é o que não falta na Europa.

Já há interlocutores tentando colocar panos quentes no imbróglio, dizendo que “nós não devemos transformar um drama numa crise. Motoristas precisam controlar seus nervos e, se ministros sentem a necessidade de intervir, eles devem tentar fazer a cabeça dos empregados e dos sindicatos juntos para resolver esta disputa industrial – e não oferecer conselhos contraditórios e questionáveis a motoristas, que só servem para aumentar o pânico”.

Nesta sexta-feira (30), o próprio Primeiro-Ministro David Cameron procurou tranquilizar os motoristas de que não faltará combustível nos feriados. Ou seja, o chefe do gabinete perdeu uma boa oportunidade de ficar calado.

Outros artigos sobre o tema

Declarações infelizes deixam marcas para sempre

Cameron diz que combustível não vai faltar

29 de março – O dia do pânico

 
blog

A opinião dos especialistas

The Future of the Press
The Times

The media is not the custodian of an organisation’s public reputation
Jonathan Boddy
Exclusive interview to Comunicação & Crise

A mídia não é guardiã da reputação pública de uma organização
Jonathan Boddy

Jonathan Bernstein
Entrevista ao Comunicação & Crise

How Journalism is Failing Our Democracy
Reed Richardson

Revista Time
Como salvar os jornais (e o jornalismo)

NSA, Rupert Murdoch e as lições sobre espionagem
Timothy Garton Ash

A Arte do Media-Training - Comunicação Empresarial de A a Z
Francisco Viana

Em constante alegria com os livros
Rodrigo Petronio

"La prensa ya no vertebra la opinión pública"

Quem maltrata mais você? Crises corporativas e o desrespeito ao cliente
Moisés Naím

Pais precisam se envolver com a vida dos filhos na internet
Michael Rich

Diploma de Jornalista - A Qualificação indispensável
Sylvia Debossan Moretzsohn

 A guerra pelo legado de
 Rupert Murdoch
 El País

 Ética y periodismo? no todo
 vale
 María Dolores Masano

 
 A morte dos jornais seria o
 fim da cidadania?

 Jessica Bruder

 O profeta da Comunicação
 Rachel Bertol

 Pode dar errado? Vai dar
 Ezra Klein

O destino dos segredos na era do WikiLeaks
Scott Shane

Vazamento da BP: "Foi uma sucessão de erros"
Entrevista Robert Dudley, CEO da BP

Como prosperar com o marketing do desastre
Valerie Bauerlein

O fim da privacidade
Carlos Eduardo Lins da Silva

Um país sem governo
Ethevaldo Siqueira

Comunicação interna em tempos de crise
João José Curvello

 A negação que devastou
 as marcas BP, Toyota,
 Goldman Sachs

Peter S. Goodman

O futuro dos jornais: avançando além das árvores mortas
Palestra Rupert Murdoch

Jornalistas&Cia
O futuro do jornalismo

Como a crise econômica aconteceu
Niall Ferguson

Dois desafios: gestão de crises e espiritualidade
Ian Mitroff

A crise é dos jornais e não do jornalismo
Gay Talese


Criminal Compliance como gestão de riscos empresariais

Entrevista sobre Media Training
Programa Jô Soares
Aurea Regina de Sá

Os 21 mais importantes links de Media Training
Brad Phillips

As 50 empresas mais admiradas do mundo (melhor reputação)
Revista Fortune 2011

Os 50 mais influentes pensadores de negócios do mundo
Forbes

Vídeo futurista
O futuro poderá ser apenas um toque na tela

 

 The World University Rankings - 2014
 Times Higher Education

 

O ranking dos sites de notícias com maior número de visitantes do mundo

Barômetro Edelman de Confiança 2014

No Planalto com a imprensa - Resenha

Time
Os 50 melhores websites

Ranking Forbes das marcas mais valiosas do mundo 2013

Cases de Crise

The Time
Top dez escândalos sexuais com políticos

As cidades mais violentas do mundo

Cases históricos de crise: Petrobras, Tylenol, Schering

O desastre do Exxon Valdez

Do mensalão ao "Erenicegate", uma crise por ano

Revista Exame - O preço de um escândalo - Os cases Camargo Correa e Daslu

20 crises que marcaram os últimos dez anos

Resgate dos mineiros chilenos: uma crise bem administrada

A comunicação estratégica e a crise de imagem da Coselli

A crise do Mercedes - Classe A

A tragédia de Bhopal

O acidente com o MD 11 da Swissair

Chevron enfrenta passivo ambiental no Equador

A tragédia da Plataforma P-36 da Petrobras 

Índice de segurança de voo das empresas aéreas e aviões

Falhas de preservar a reputação da marca: o caso Perrier

A crise da British Petroleum

O vazamento do Golfo do México em fotos

A história das coisas:
Como a crise do consumismo pode levar nosso mundo ao caos

Escândalo do News of The World
Timeline

Qual o maior escândalo financeiro de todos os tempos?

A crise dos mísseis de Cuba e EUA

O rumo incerto da Siemens

Hopi Hari – Uma comunicação que não deu certo
Cláudia Ribeiro

As principais crises econômicas internacionais

Sete piores ataques hackers da história

Como a Coca-Cola gerenciou a crise na Bélgica

A crise da Coca-Cola e o rato

Consequências e custos do desastre de Fukushima

Oito crises empresariais causadas por funcionários

Como nove empresas enfrentaram crises de reputação

Como reverter crises nas redes sociais

O case de mídia "O Correio errou"

Por dentro da crise

flightsComo evitar crise em viagem ao exterior

Conceito de crise (ICM)

Entrevista exclusiva à revista Organicom

Como funcionam os Planos de Gerenciamento de Crises
Dave Roos

Entrevista sobre crise nos transportes para Agência CNT de Notícias

Entrevista sobre a gestão de crise do acidente da Air France

Entrevista sobre Crise e Agências de Comunicação ao site PR Interview

Entrevista ao site Comunicação Integrada sobre crises nas redes sociais

A arte de contornar problemas
Revista Negócios da Comunicação 2011-11-05

Apagando o fogo
Entrevista à revista Negócios da Comunicação

Palestra sobre Gerenciamento de Crise no Curso de Comunicação Organizacional da UnB

Como sobreviver a uma queda de avião

As 20 melhores empresas aéreas para uma viagem no exterior7

As piores empresas aéreas do mundo

Eficiência da tripulação e treinamento evitaram tragédia maior em San Francisco

Segurança: Quais os melhores lugares para viajar no avião

The 10 Steps Of Crisis Communications
Jonathan Bernstein

Os dez passos da Comunicação de Crise

Comunicação em situações de emergência

Crisis Manager
A comunicação de crise nas demissões, por Rick Amme

Para que serve o off the record

Novas mídias: Vale processar alguém que ridiculariza sua imagem?

Karen Friedman
Quando más notícias atingem pessoas boas

Austrália
11 dicas para lidar com uma crise empresarial

Furacão Katrina
O que não se aprendeu com os erros da crise

O poder de recuperação após a crise

Revista Fenabrave
Entrevista sobre Gerenciamento e Crise

Artigos sobre crise e reputação empresarial

Acesso a sites especializados em gestão de crises e comunicação

Resposta do Japão à crise: lições para empresas e comunicadores

O desafio de lidar com os stakeholders durante uma crise

Crisis Management and Communications
W. Timothy Coombs, Ph.D

O custo das catástrofes
Desastres naturais cada vez mais intensos e caros

Plano contra acidentes no pré-sal determina responsabilidades, mas não as ações a serem tomadas

As 10 profissões mais perigosas nos EUA

Últimos posts do Twitter

 



Copyright 2014 © João José Forni. Todos os direitos reservados.
Todo o conteúdo do site é propriedade do titular. Artigos, palestras e cases contidos no site estão protegidos pela Lei de Direitos Autorais
e só podem ser utilizados com autorização do autor. Os artigos e as palestras assinados são de propriedade e responsabilidade dos autores.

VemJesus.com
Soluções Internet