news blog logo


news menu leftnews menu right

          twi1    face1    

Publicações

Serviços

servicos

Pesquisa no Site

Livros

Gestão de Crises e Comunicaçãolivroforni Troféu Cultura Econômica 2013

Enquetes

O que representa para o jornalismo a atuação do site WikiLeaks?
 
Os jornais devem cobrar pelo conteúdo on line de seus sites?:
 
Nós temos 21 visitantes online
Tragédia do Costa Concordia expõe falhas primárias de gestão de crises PDF Imprimir E-mail
Ter, 17 de Janeiro de 2012 00:04

Costa__concordia_seteA tragédia é ainda muito recente para uma análise mais detalhada. Mas o acidente com o navio Costa Concordia, no litoral da Itália, na noite de sábado, expôs o que os especialistas em gestão de crises cansam de alertar.

As empresas julgam estar preparadas para acontecimentos negativos, potenciais crises. Mas incorrem em dois graves erros. Não cogitam a possibilidade de que acidentes graves possam acontecer com elas. Julgam-se poderosas, inatingíveis. Minimizam o risco. Segundo: desdenham de prevenção, treinamento e do preparo do pessoal. Resultado: perda de vidas humanas, feridos e sofrimento; arranhão na imagem e prejuízos financeiros.

Das primeiras informações do naufrágio do navio Costa Concordia, pertencente à empresa Costa Cruzeiros, pode-se deduzir a ocorrência de vários erros. Falha do comandante e da tripulação na rota do navio, ao navegar próximo à costa, em rota de risco. E, logo após, uma sucessão de falhas graves na administração do acidente: falta de clareza nos avisos, demora, falta de transparência com o ocorrido, evacuação e socorro confusos dos 4.234 passageiros e tripulantes. Enfim, uma sucessão de erros.

O presidente e CEO da Costa Cruzeiros, Pier Luigi Foschi, atribuiu o acidente com o navio Costa Concordia a um "erro humano" do comandante Francesco Schettino. "A empresa ficará com o capitão e lhe dará toda a assistência necessária, mas temos de reconhecer os fatos e não podemos negar um erro humano", disse o CEO a repórteres, em uma coletiva de imprensa em Gênova, nesta segunda-feira. Foi uma atitude ousada, mesmo antes de qualquer apuração, mas esperada pela falha primária do Comandante, no entendimento de todos. Ele, que estaria em estado de choque, nega ter falhado. Foi preso, acusado de homicídio, e prestará o primeiro depoimento nesta terça-feira

"A companhia desaprova o comportamento que causou o acidente, ao decidir desviar o navio de sua rota ideal", afirmou Foschi, garantindo que o navio, com mais de 4.000 pessoas a bordo, não tinha qualquer problemas de segurança. “Esses navios são ultrasseguros. Esse é um acontecimento excepcional, que era imprevisível."

Já está praticamente comprovado que o Comandante saiu da rota para agradar um amigo, Antonello, membro da tripulação e natural da Ilha. O jornal El País informou que às 21:08 de sexta-feira, Patrizia Tivoli, enviou uma mensagem no Facebook para seus amigos, informando que o Costa Concordia passaria muito próximo da Ilha. A população da cidade confirmou a exibição do Comandante. Resultado: às 21.35 a cidade flutuante de 17 andares e mais de 4 mil habitantes batia nas pedras do costa italiana.  

Equipes de resgate procuravam 14 pessoas desaparecidas no acidente, mais de 48 horas depois de o navio ter virado e tombado perto da costa da Itália, matando pelo menos seis pessoas e ferindo mais de 60. Jornais da Itália, como o Corriere della Sera falam em 29 desaparecidos. Nesta segunda-feira, as buscas foram suspensas por medida de segurança. "Houve um deslizamento de nove centímetros verticalmente e 1,5 centímetro horizontalmente. Nós saímos imediatamente. Isto é algo com que temos de nos preocupar", afirmou o comandante do resgate.

        "Não se pode conduzir um cruzeiro, como se fosse um vaporzinho", disse o ministro do Meio Ambiente da Itália.

Sucessão de erros

Estima-se que um navio de passageiros desse porte deva ser evacuado totalmente em 20 minutos. A tripulação internacional deve ser treinada para organizar a emergência em tempo recorde, tendo em conta variáveis importantes, como o mau tempo, as ondas, o movimento do barco.

Além disso, deve haver tripulantes que falem e entendam a língua de todos os passageiros, e atendimento especial a idosos, deficientes físicos e crianças. Mas o maior preparo da tripulação é para atender situações que agravam os acidentes, como pessoas em pânico, eventuais queda na água ou, como no caso, inclinação do navio, que dificulta o socorro pelo deslocamento de objetos e inundação no seu interior. Tudo isso, numa situação de extrema tensão e pânico.

Até agora todas as informações, porque ainda não foi aberta qualquer investigação, apontam para o fator “erro humano”. O comandante, com 30 anos de experiência, teria incorrido num erro grave, ao aproximar o navio da costa para saudar um colega aposentado, segundo os primeiros informes. Mais grave ainda na atitude do comandante foi a acusação, testemunhada por passageiros, de que abandonou o navio antes de todos os passageiros serem resgatados. Esse é a mais grave infração de um comandante de navio, avião ou qualquer outro meio de transporte.

É bom recordar o gesto do Comandante americano Chesley Sullenberger, do voo 1549, da US Airways, que conseguiu fazer um pouso forçado nas águas geladas do rio Hudson, em Nova York, em janeiro de 2009. Ele só deixou o avião, que flutuava, depois de um pouso espetacular na água, após se certificar de que todos os passageiros haviam sido resgatados. Não houve uma vítima sequer. E, por isso, foi considerado um herói.

As notícias que chegam do atrapalhado resgate do Costa Concordia mostram que nem o Comandante, nem a tripulação tinham preparo para situações de emergência. Ou pelo menos não demonstraram isso. O pseudo-treinamento oferecido a todos os passageiros, que deve ter ocorrido antes da embarcação zarpar, como é praxe nos navios de passageiros, foi apenas para cumprir um ritual. Não valeu de nada.

Segundo depoimentos de passageiros, a tripulação pareceu tão ou mais em pânico do que os passageiros. Despreparada; colocou coletes salva-vidas antes dos passageiros, que, atônitos e desinformados, perguntavam aos tripulantes por que eles estavam de coletes se a situação estava sob controle, como eles mesmos anunciavam nos auto-falantes. Chega a ser ridículo, não fosse tremendamente trágico e triste.

Até agora não ficou claro também, se os avisos de alerta foram dados na hora certa e em que idiomas foram feitos. A denúncia grave é que os primeiros avisos somente foram dados uma hora depois de o navio bater nas rochas, em frente à Ilha de Giglio, na Itália. Testemunhas dizem que os avisos não eram claros e minimizaram a extensão da tragédia, dizendo que a situação estava sob controle e o blackout estava em fase de reparação. Tudo falso. Portanto, perdeu-se tempo precioso na evacuação de mais de 4 mil pessoas, com essa desinformação. A tripulação estava tão despreparada, a ponto de muitos terem abandonado o barco antes dos passageiros.

O que agora se pergunta, principalmente se levarmos em conta o crescimento do turismo marítimo e fluvial, é até que ponto uma viagem num transatlântico é segura, a se julgar o completo despreparo do Comandante e da Tripulação do Costa Concordia para uma situação que, felizmente, não foi de pânico total. O navio se inclinou próximo à costa. Isso permitiu, ainda que de forma atabalhoada, evacuar a maioria dos passageiros e tripulantes. Mesmo assim, a evacuação teria levado de duas a três horas. Um tempo fatal, no caso de uma tragédia mais grave.

Segundo comandantes experientes, esse tipo de embarcação é dotado de equipamentos de última geração e cartas náuticas moderníssimas que reduzem a hipótese de erro a praticamente zero. O navio deveria estar a 15 milhas náuticas da costa, quando ocorreu a tragédia. Estava a nove milhas, portanto completamente fora de rota. Assim como nos acidentes de avião, não existe uma única causa para as tragédias. Mesmo os erros humanos, como tudo indica ser este caso, podem ser sanados ou minimizados se toda a tripulação estivesse concentrada na navegação do navio. A rotina e o piloto automático já derrubaram muitos aviões. Assim também ocorre nos navios.

Evacuação difícil

O que tornou a evacuação do Costa Concórdia mais difícil foi a inclinação do navio, que praticamente impede caminhar por seu interior, devido ao deslocamento dos objetos. Para isso, parece não ter havido treinamento. Provavelmente devido à inclinação do navio, os barcos salva-vidas também emperraram, nesse cenário de horror, sem iluminação e sob a pressão do pânico. Nessa hora, como disse um passageiro, todos querem se salvar e ninguém quer ceder prioridade a crianças, dependentes físicos, idosos ou mulheres, como pregam as normas internacionais. Convém lembrar as cenas do filme Titanic, em que predominava o “salve-se quem puder”.

Mas mesmo para um acidente pouco provável como esse, dizem os especialistas, há centros internacionais de formação na Holanda, Austrália, Canadá e Inglaterra. Provavelmente em outras partes do mundo. Eles simulam um navio com diferentes graus de inclinação e se preparam para resolver vários exercícios de evacuação em situações muito difíceis. Pelo que se viu no Costa Concordia, é pouco provável que a maioria dos tripulantes tivesse passado por esses centros.

O número de mortos, até agora seis, mostra que a tragédia só não foi pior porque o navio estava próximo à costa. O tempo de evacuação também não agravou a tragédia, porque o navio estava em águas tranquilas, muito próximo do socorro em terra.

Outras tragédias no mar

costa_concordia_seteO despreparo mostra que o transporte marítimo parece não ter aprendido com as tragédias do Titanic, amplamente documentada e analisada. Em 1987, o navio Herald of Free Enterprise sepultou 188 passageiros, num acidente no Mar do Norte. Esse navio também emborcou, como o Costa Concordia. Em 1994, no Mar Báltico, Finlãndia, o Estonia teve 854 mortos, num dos piores acidentes no mar, no século XX. O pânico parece ter sido a causa maior do acidente. E em 1990, o Scandinavian Star vitimou 155 passageiros, quando houve erros primários nas mensagens de emergência, não entendidas pelos viajantes, porque foram feitas em norueguês. Incrível isso.

Essas tragédias apenas representam navios de turismo, porque são inúmeros os acidentes com navios e barcos que transportam passageiros regularmente. Na Amazônia, os naufrágios são frequentes, principalmente causados por excesso de passageiros e falta de manutenção. Em alguns países da Ásia também são comuns tragédias envolvendo barcos de transporte. Em dezembro, um barco com imigrantes afundou na Indonésia deixando mais de 250 pessoas desaparecidas. Em setembro de 2011, um barco com 600 passageiros, muito acima da capacidade, afundou na Tanzânia. Quase 200 mortos. Como se vê, acidentes com navios são mais frequentes do que imaginamos.

O que fazer agora

Embora várias investigações devam ser abertas, a empresa já reconhece erro humano. As notas emitidas até agora procuraram ser transparentes, mas pouco têm a acrescentar ao que os próprios passageiros disseram. A Costa Cruzeiros deve arcar com todas as despesas de retorno dos turistas; ressarcir os valores do cruzeiro; indenizar todos os passageiros pelos objetos perdidos: bagagens, pertences pessoais, documentos. E certamente terá que pagar seguro aos familiares dos mortos e feridos.

Para complicar ainda mais a situação da empresa, nesta segunda-feira as autoridades italianas temiam um acidente ecológico. Começaram a vazar as 2.400 toneladas de combustível armazenadas no navio. Este será outro passivo que a empresa deverá enfrentar. Como resultado da "bravata" do Comandante, as ações da Costa Cruzeiros caíram 23% na Bolsa de Londres, nesta segunda-feira. 

Nesse momento, como acontece nos acidentes aéreos, a preocupação principal deve ser as pessoas atingidas pela tragédia. Enquanto houver um só passageiro desaparecido ou fora de sua residência, a responsabilidade total é da empresa Costa Cruzeiros. Somados, o prejuízo pelos danos no navio e sua desativação temporária, mais as indenizações e possíveis ações judiciárias, a estripolia do piloto italiano poderá custar nada menos do que US$ 100 milhões, cobertos certamente por apólices de seguro. 

Foto: Gregorio Borgia (AP)

 

Outras informações sobre o naufrágio

Polícia italiana encontra mais cinco corpos

Comunicados da empresa Costa Cruzeiros

Grande como Il Mare - Blog com informações sobre o acidente

Gritos, confusão, medo e pânico na hora do resgate

O controle do pânico no Costa Concordia - El País

Diálogos gravados entre o Comandante e a Capitania - Confusão

Conversa gravada confirma que Comandante ignorou ordens para voltar ao navio

Corriere della Sera - Fotoreportagem do naufrágio

O acidente do Costa Concordia em fotos

Los peores naufragios ocurridos en Europa en los últimos 20 años

O absurdo de um naufrágio em uma rota muito próxima da costa

Vídeo do caos na Cabine de Comando do Costa Concordia após o acidente

Capitania enquadra Capitão do Costa Concordia para voltar à bordo

 
blog

A opinião dos especialistas

The Future of the Press
The Times

The media is not the custodian of an organisation’s public reputation
Jonathan Boddy
Exclusive interview to Comunicação & Crise

A mídia não é guardiã da reputação pública de uma organização
Jonathan Boddy

Jonathan Bernstein
Entrevista ao Comunicação & Crise

Revista Time
Como salvar os jornais (e o jornalismo)

NSA, Rupert Murdoch e as lições sobre espionagem
Timothy Garton Ash

A Arte do Media-Training - Comunicação Empresarial de A a Z
Francisco Viana

Em constante alegria com os livros
Rodrigo Petronio

"La prensa ya no vertebra la opinión pública"

Quem maltrata mais você? Crises corporativas e o desrespeito ao cliente
Moisés Naím

Pais precisam se envolver com a vida dos filhos na internet
Michael Rich

Diploma de Jornalista - A Qualificação indispensável
Sylvia Debossan Moretzsohn

 A guerra pelo legado de
 Rupert Murdoch
 El País

 Ética y periodismo? no todo
 vale
 María Dolores Masano

 
 A morte dos jornais seria o
 fim da cidadania?

 Jessica Bruder

 O profeta da Comunicação
 Rachel Bertol

 Pode dar errado? Vai dar
 Ezra Klein

O destino dos segredos na era do WikiLeaks
Scott Shane

Vazamento da BP: "Foi uma sucessão de erros"
Entrevista Robert Dudley, CEO da BP

Como prosperar com o marketing do desastre
Valerie Bauerlein

O fim da privacidade
Carlos Eduardo Lins da Silva

Um país sem governo
Ethevaldo Siqueira

Comunicação interna em tempos de crise
João José Curvello

 A negação que devastou
 as marcas BP, Toyota,
 Goldman Sachs

Peter S. Goodman

O futuro dos jornais: avançando além das árvores mortas
Palestra Rupert Murdoch

Jornalistas&Cia
O futuro do jornalismo

Como a crise econômica aconteceu
Niall Ferguson

Dois desafios: gestão de crises e espiritualidade
Ian Mitroff

A crise é dos jornais e não do jornalismo
Gay Talese


Criminal Compliance como gestão de riscos empresariais

Entrevista sobre Media Training
Programa Jô Soares
Aurea Regina de Sá

Os 21 mais importantes links de Media Training
Brad Phillips

As 50 empresas mais admiradas do mundo (melhor reputação)
Revista Fortune 2011

Os 50 mais influentes pensadores de negócios do mundo
Forbes

Vídeo futurista
O futuro poderá ser apenas um toque na tela

 The World University Rankings - 2014
 Times Higher Education

O ranking dos sites de notícias com maior número de visitantes do mundo

Barômetro Edelman de Confiança 2014

No Planalto com a imprensa - Resenha

Time
Os 50 melhores websites

Ranking Forbes das marcas mais valiosas do mundo 2013

Por dentro da crise

flightsComo evitar crise em viagem ao exterior

Conceito de crise (ICM)

Entrevista exclusiva à revista Organicom

Como funcionam os Planos de Gerenciamento de Crises
Dave Roos

Entrevista sobre crise nos transportes para Agência CNT de Notícias

Entrevista sobre a gestão de crise do acidente da Air France

Entrevista sobre Crise e Agências de Comunicação ao site PR Interview

A arte de contornar problemas
Revista Negócios da Comunicação 2011-11-05

 Apagando o fogo
 Entrevista à revista Negócios da Comunicação

Palestra sobre Gerenciamento de Crise no Curso de Comunicação Organizacional da UnB

Como sobreviver a uma queda de avião

As 20 melhores empresas aéreas para uma viagem no exterior7

As piores empresas aéreas do mundo

Eficiência da tripulação e treinamento evitaram tragédia maior em San Francisco

Segurança: Quais os melhores lugares para viajar no avião

The 10 Steps Of Crisis Communications
Jonathan Bernstein

Os dez passos da Comunicação de Crise

Comunicação em situações de emergência

Crisis Manager
A comunicação de crise nas demissões, por Rick Amme

Para que serve o off the record

Novas mídias: Vale processar alguém que ridiculariza sua imagem?

Karen Friedman
Quando más notícias atingem pessoas boas

Austrália
11 dicas para lidar com uma crise empresarial

Furacão Katrina
O que não se aprendeu com os erros da crise

O poder de recuperação após a crise

Revista Fenabrave
Entrevista sobre Gerenciamento e Crise

Artigos sobre crise e reputação empresarial

Acesso a sites especializados em gestão de crises e comunicação

Resposta do Japão à crise: lições para empresas e comunicadores

O desafio de lidar com os stakeholders durante uma crise

Crisis Management and Communications
W. Timothy Coombs, Ph.D

O custo das catástrofes
Desastres naturais cada vez mais intensos e caros

Plano contra acidentes no pré-sal determina responsabilidades, mas não as ações a serem tomadas

Últimos posts do Twitter

 



Copyright 2013 © João José Forni. Todos os direitos reservados.
Todo o conteúdo do site é propriedade do titular. Artigos, palestras e cases contidos no site estão protegidos pela Lei de Direitos Autorais
e só podem ser utilizados com autorização do autor. Os artigos e as palestras assinados são de propriedade e responsabilidade dos autores.

VemJesus.com
Soluções Internet